NUNCA FRUSTE UM SONHO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2019 às 22:39:00

 

* Domingos Pascoal
Quantas vezes, voluntária ou invo-
luntariamente, nós apagamos, 
com um só sopro, todo o futuro promissor de uma pessoa.
Às vezes, pensando que estamos colaborando, nós fazemos gorar todas as aspirações e as possíveis realizações de um amigo, de um irmão, de um filho… nalgumas vezes, nem nós mesmos sabemos o poder e a influência que temos sobre os outros. E, pior ainda, não dimensionamos o tamanho do estrago que temos a condição de fazer com uma simples palavra, com uma simples opinião.
É necessário que tenhamos a sutil humildade de deixar que as pessoas decidam por si mesmas. Se não detivermos conhecimento absoluto da causa, se não formos suficientemente experimentados no assunto, devemos ter cautela, pois, quase sempre, a nossa opinião é a única e a última oportunidade procurada para a tomada de decisão, ou não. Se nós não estivermos absolutamente seguros devemos ser francos e dizer a verdade, deixar as coisas acontecerem, o fato de dar certo ou errado é um direito inalienável de quem tenta. O que não temos é o direito de impedir a tentativa e, gratuitamente, "deletarmos" uma ideia, pois vai que mais tarde, quando outro realizar aquele  mesmo sonho e obter bons resultados, nós, por justiça, deveremos ser culpabilizados e, se tivermos consciência, poderemos até sofrer uma crise de "ressaca moral". Mas aí o arrependimento não resolverá mais nada.
Certa feita, quando eu gerenciava uma loja de móveis e eletrodomésticos em Fortaleza, recebi a visita de um representante comercial bastante conhecido naquele meio. Era um homem muito bem-sucedido, ostentava até certa riqueza, expressada em carrões de luxo, muito ouro nos braços e pescoço e roupas e sapatos de marcas caras…
Todos nós do ramo lojista tínhamos por ele certo respeito, admiração e uma pontinha de inveja também, pois o cara ganhava muito, tinha tudo do bom e do melhor e trabalhava pouco, considerando com o duro que dávamos para cobrir cotas sempre em escala crescente.
Naquele dia, como de costume, pedi a Pedro, rapazinho que nos ajudava, para trazer duas águas e dois cafezinhos. Pedro sempre sorridente e feliz entra em nossa sala e diz em alto e bom som: - bom dia Sr. Zégerardo, café quentinho e água gelada para meus amigos. Ah! O senhor sabia, que o meu gerente vai me dar uma oportunidade? Mês que vem estarei no salão, usando gravata e atendendo os clientes? Já até comprei camisa de mangas compridas… (Pedro, como a maioria dos que trabalhavam com móveis e eletrodomésticos em Fortaleza, naquela época, conhecia e, se achava íntimo do famoso Zégerardo).
- Vendedor? Foi isso que entendi? Melo (Melo era o nome pelo qual eu era conhecido naquele tempo), você vai promover este frangote a vendedor? Espero que a diretoria esteja ciente disso. (ele era também, muito amigo de todos os diretores e vivia fazendo fofoca a favor ou contra os vendedores, gerentes e funcionários). Você tem muita coragem. Quem vai ser despedido para a entrada "dessezinho"?
Fiquei passado com aquela, para mim, desconhecida, agressiva e desnecessária atitude. Pedi para Pedro se retirar e indaguei dele o porquê de tanto "azedume" com o rapaz que o tratava tão bem? Ele disse: - você conhece direito esse rapaz? - Conheço, cortei logo, - conheço e acredito nele e no futuro dele como vendedor e, por favor, eu não quero nem saber o que você acha. Aliás, nada disso lhe diz respeito. Cuide de suas representações que dessa loja cuido eu que sou o gerente. E, também, não quero nem saber o que você vai fofocar com a diretoria. Pode falar o que você quiser.
Depois de algumas descabidas ponderações, por parte dele, e as minhas incisivas respostas, resolvi por um fim ao assunto, dizendo que tínhamos muito que fazer em vez de ficar discutindo "sexo de anjo", ele se mancou e, como quem diz: "tu vai ver", argumentou que também tinha algo a fazer e se retirou resmungando… Ao que parece, ou ele não falou nada, ou se falou, ninguém lá em cima deu ouvidos às suas lamúrias. Eu nunca fui questionado sobre o assunto. Mesmo porque não aceitaria tal tipo de interferência.
Ele saiu, eu chamei Pedro, mas este não pode vir, porque estava muito desolado e chorando. Fui ao seu encontro e, ele, com os olhos lacrimosos e voz embargada disse:
- Seu Melo, é melhor o senhor deixar como está. Promova outra pessoa, tenho medo que Seu Zégeardo fale com Doutor fulano (diretor) e nós dois sejamos prejudicados. No momento eu não posso nem pensar em perder este emprego. Pelo que ouvi dele parece que eu realmente não devo ter condições de ser vendedor.  Seu Zégerardo é um homem com muita experiência e não enxergou em mim nenhuma possibilidade para exercer esta função. De repente foi até muito bom ele ter aparecido, pois nós estávamos prestes a cometer um erro. Por favor, me deixe fazendo o que faço. Eu gosto muito e me sinto mais seguro assim.
Respondi:
- Amigo, nada mudou. Não vai ser a grosseria de um representante comercial que vai apagar o nosso sonho e nem mudar o meu ponto de vista. Você vai ser vendedor. Nós estamos em maio e, quando chegar o b.r.obro (setembro, outubro, novembro e dezembro), meses em que mais vendemos você vai mostrar a todos que é o maior e melhor vendedor desta loja. Sabe por quê? Porque você vai querer isso. E nós não vamos mais esperar até o mês que vem como estava programado. Você vai, agora mesmo, para sua casa, se achar conveniente, passa no barbeiro, corta o cabelo, faz as unhas, raspa a barba e amanhã cedo vista a sua camisa de mangas compridas, bote a sua gravata, lustre seus sapatos, levante a cabeça e começará amanhã mesmo no salão.
Pedro, em pouco tempo, transformou-se num dos melhores vendedores daquela loja. Comprometido, atencioso e produtivo. Era sempre o primeiro a chegar e o último a sair e, talvez até por isso, era sempre o que mais vendia.
Trabalhei para essa empresa durante cinco anos, de abril de 1976 a outubro de 1981. A princípio, fui vendedor, por quase dois anos, e promovido a gerente. O fato acima relatado deve ter acontecido em 1979. Quando o grupo foi vendido, em 1981, Pedro foi um dos poucos vendedores a serem aproveitados pela empresa sucessora. Dos gerentes, éramos cinco, apenas eu fui escolhido para continuar.
Isso já faz quase 40 anos. Em 2006, tive a felicidade de encontrá-lo: feliz e próspero lojista, com uma rede de lojas espalhada pelos bairros de Fortaleza e, na sua terra natal, além das lojas, tem uma fábrica, na cidadezinha onde nasceu que produz uma boa parte dos móveis que vende. Pai de três filhos, uma moça, naquele tempo, 2006, acadêmica do curso de medicina, e dois homens, já formados, um em direito, naquele momento, iniciando uma banca de advocacia e o outro, o mais velho, em Ciências Contábeis, trabalha diretamente com o pai na gestão do negócio.
Nosso encontro aconteceu por acaso, por ocasião de um evento em Fortaleza, eu não o reconheci e, ele também não lembrou, a princípio, de mim. Fui apresentado a ele por Renato, um amigo comum a nós dois, que também se emocionou com o reencontro. Seu Pedro, disse aquele nosso amigo, este é o escritor Domingos Pascoal de Melo… aí foi que ele recordou e, com espanto disse:
- É Melo? Melo que foi gerente da loja tal, na década de setenta, aqui em Fortaleza?
- Sim, eu sou o Melo, Domingos Pascoal de Melo.
Ele me deu um emocionado abraço e entre lágrimas de emoção, recordou todo aquele convívio, foi muito bom relembrar, ele não esqueceu nada e gentilmente me fez lembrar muitas coisas boas, inclusive, toda a história do Zégerardo e, por fim afirmou:
- Naquele dia a minha vida mudou para melhor, o senhor é o responsável.
Insistiu para que eu conhecesse sua esposa, seus filhos e seus dois netos. Foi uma grata e emocionada festa.
* Domingos Pascoal é escritor

* Domingos Pascoal

Quantas vezes, voluntária ou invo- luntariamente, nós apagamos,  com um só sopro, todo o futuro promissor de uma pessoa.
Às vezes, pensando que estamos colaborando, nós fazemos gorar todas as aspirações e as possíveis realizações de um amigo, de um irmão, de um filho… nalgumas vezes, nem nós mesmos sabemos o poder e a influência que temos sobre os outros. E, pior ainda, não dimensionamos o tamanho do estrago que temos a condição de fazer com uma simples palavra, com uma simples opinião.
É necessário que tenhamos a sutil humildade de deixar que as pessoas decidam por si mesmas. Se não detivermos conhecimento absoluto da causa, se não formos suficientemente experimentados no assunto, devemos ter cautela, pois, quase sempre, a nossa opinião é a única e a última oportunidade procurada para a tomada de decisão, ou não. Se nós não estivermos absolutamente seguros devemos ser francos e dizer a verdade, deixar as coisas acontecerem, o fato de dar certo ou errado é um direito inalienável de quem tenta. O que não temos é o direito de impedir a tentativa e, gratuitamente, "deletarmos" uma ideia, pois vai que mais tarde, quando outro realizar aquele  mesmo sonho e obter bons resultados, nós, por justiça, deveremos ser culpabilizados e, se tivermos consciência, poderemos até sofrer uma crise de "ressaca moral". Mas aí o arrependimento não resolverá mais nada.
Certa feita, quando eu gerenciava uma loja de móveis e eletrodomésticos em Fortaleza, recebi a visita de um representante comercial bastante conhecido naquele meio. Era um homem muito bem-sucedido, ostentava até certa riqueza, expressada em carrões de luxo, muito ouro nos braços e pescoço e roupas e sapatos de marcas caras…
Todos nós do ramo lojista tínhamos por ele certo respeito, admiração e uma pontinha de inveja também, pois o cara ganhava muito, tinha tudo do bom e do melhor e trabalhava pouco, considerando com o duro que dávamos para cobrir cotas sempre em escala crescente.
Naquele dia, como de costume, pedi a Pedro, rapazinho que nos ajudava, para trazer duas águas e dois cafezinhos. Pedro sempre sorridente e feliz entra em nossa sala e diz em alto e bom som: - bom dia Sr. Zégerardo, café quentinho e água gelada para meus amigos. Ah! O senhor sabia, que o meu gerente vai me dar uma oportunidade? Mês que vem estarei no salão, usando gravata e atendendo os clientes? Já até comprei camisa de mangas compridas… (Pedro, como a maioria dos que trabalhavam com móveis e eletrodomésticos em Fortaleza, naquela época, conhecia e, se achava íntimo do famoso Zégerardo).
- Vendedor? Foi isso que entendi? Melo (Melo era o nome pelo qual eu era conhecido naquele tempo), você vai promover este frangote a vendedor? Espero que a diretoria esteja ciente disso. (ele era também, muito amigo de todos os diretores e vivia fazendo fofoca a favor ou contra os vendedores, gerentes e funcionários). Você tem muita coragem. Quem vai ser despedido para a entrada "dessezinho"?
Fiquei passado com aquela, para mim, desconhecida, agressiva e desnecessária atitude. Pedi para Pedro se retirar e indaguei dele o porquê de tanto "azedume" com o rapaz que o tratava tão bem? Ele disse: - você conhece direito esse rapaz? - Conheço, cortei logo, - conheço e acredito nele e no futuro dele como vendedor e, por favor, eu não quero nem saber o que você acha. Aliás, nada disso lhe diz respeito. Cuide de suas representações que dessa loja cuido eu que sou o gerente. E, também, não quero nem saber o que você vai fofocar com a diretoria. Pode falar o que você quiser.
Depois de algumas descabidas ponderações, por parte dele, e as minhas incisivas respostas, resolvi por um fim ao assunto, dizendo que tínhamos muito que fazer em vez de ficar discutindo "sexo de anjo", ele se mancou e, como quem diz: "tu vai ver", argumentou que também tinha algo a fazer e se retirou resmungando… Ao que parece, ou ele não falou nada, ou se falou, ninguém lá em cima deu ouvidos às suas lamúrias. Eu nunca fui questionado sobre o assunto. Mesmo porque não aceitaria tal tipo de interferência.
Ele saiu, eu chamei Pedro, mas este não pode vir, porque estava muito desolado e chorando. Fui ao seu encontro e, ele, com os olhos lacrimosos e voz embargada disse:
- Seu Melo, é melhor o senhor deixar como está. Promova outra pessoa, tenho medo que Seu Zégeardo fale com Doutor fulano (diretor) e nós dois sejamos prejudicados. No momento eu não posso nem pensar em perder este emprego. Pelo que ouvi dele parece que eu realmente não devo ter condições de ser vendedor.  Seu Zégerardo é um homem com muita experiência e não enxergou em mim nenhuma possibilidade para exercer esta função. De repente foi até muito bom ele ter aparecido, pois nós estávamos prestes a cometer um erro. Por favor, me deixe fazendo o que faço. Eu gosto muito e me sinto mais seguro assim.
Respondi:
- Amigo, nada mudou. Não vai ser a grosseria de um representante comercial que vai apagar o nosso sonho e nem mudar o meu ponto de vista. Você vai ser vendedor. Nós estamos em maio e, quando chegar o b.r.obro (setembro, outubro, novembro e dezembro), meses em que mais vendemos você vai mostrar a todos que é o maior e melhor vendedor desta loja. Sabe por quê? Porque você vai querer isso. E nós não vamos mais esperar até o mês que vem como estava programado. Você vai, agora mesmo, para sua casa, se achar conveniente, passa no barbeiro, corta o cabelo, faz as unhas, raspa a barba e amanhã cedo vista a sua camisa de mangas compridas, bote a sua gravata, lustre seus sapatos, levante a cabeça e começará amanhã mesmo no salão.
Pedro, em pouco tempo, transformou-se num dos melhores vendedores daquela loja. Comprometido, atencioso e produtivo. Era sempre o primeiro a chegar e o último a sair e, talvez até por isso, era sempre o que mais vendia.
Trabalhei para essa empresa durante cinco anos, de abril de 1976 a outubro de 1981. A princípio, fui vendedor, por quase dois anos, e promovido a gerente. O fato acima relatado deve ter acontecido em 1979. Quando o grupo foi vendido, em 1981, Pedro foi um dos poucos vendedores a serem aproveitados pela empresa sucessora. Dos gerentes, éramos cinco, apenas eu fui escolhido para continuar.
Isso já faz quase 40 anos. Em 2006, tive a felicidade de encontrá-lo: feliz e próspero lojista, com uma rede de lojas espalhada pelos bairros de Fortaleza e, na sua terra natal, além das lojas, tem uma fábrica, na cidadezinha onde nasceu que produz uma boa parte dos móveis que vende. Pai de três filhos, uma moça, naquele tempo, 2006, acadêmica do curso de medicina, e dois homens, já formados, um em direito, naquele momento, iniciando uma banca de advocacia e o outro, o mais velho, em Ciências Contábeis, trabalha diretamente com o pai na gestão do negócio.
Nosso encontro aconteceu por acaso, por ocasião de um evento em Fortaleza, eu não o reconheci e, ele também não lembrou, a princípio, de mim. Fui apresentado a ele por Renato, um amigo comum a nós dois, que também se emocionou com o reencontro. Seu Pedro, disse aquele nosso amigo, este é o escritor Domingos Pascoal de Melo… aí foi que ele recordou e, com espanto disse:
- É Melo? Melo que foi gerente da loja tal, na década de setenta, aqui em Fortaleza?
- Sim, eu sou o Melo, Domingos Pascoal de Melo.
Ele me deu um emocionado abraço e entre lágrimas de emoção, recordou todo aquele convívio, foi muito bom relembrar, ele não esqueceu nada e gentilmente me fez lembrar muitas coisas boas, inclusive, toda a história do Zégerardo e, por fim afirmou:
- Naquele dia a minha vida mudou para melhor, o senhor é o responsável.
Insistiu para que eu conhecesse sua esposa, seus filhos e seus dois netos. Foi uma grata e emocionada festa.

* Domingos Pascoal é escritor