MP faz mais um pedido de prisão contra Valmir Monteiro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2019 às 23:15:00

 

O Ministério Público 
Estadual (MPE) 
apresentou ontem um novo pedido de prisão preventiva contra o prefeito afastado de Lagarto (Centro-Sul), Valmir Monteiro. O órgão não deu detalhes sobre esse novo pedido, mas segundo informações extra-oficiais, ele partiu do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e se refere a uma investigação sobre supostos desvios de recursos públicos operados através de alugueis fraudulentos de máquinas e veículos de grande porte. 
Nesta apuração, Valmir está sendo acusado por associação criminosa, juntamente com um secretário municipal de Obras de sua gestão e uma construtora da região, a qual, de acordo com as investigações, teria sido contratada por meio de licitações possivelmente fraudadas e manobradas para favorecê-la. O novo pedido de prisão está sendo analisado pelo Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE). 
Valmir Monteiro já teve uma primeira prisão decretada em fevereiro deste ano, quando apareceu como principal investigado da 'Operação Leak', relacionada a desvios de recursos arrecadados no matadouro público municipal, através da cobranças de taxas, e a indícios de prática de lavagem de dinheiro, entre outros crimes. O prefeito lagartense foi preso em 22 de fevereiro e ficou detido no Presídio Militar (Presmil) até sua liberação, em 10 de junho último. O habeas-corpus pedido pela defesa foi concedido pela Justiça, mas algumas medidas cautelares foram impostas, como o afastamento do cargo de prefeito e a proibição de ter acesso a locais que pertençam à Prefeitura de Lagarto, mesmo que indiretamente. 

O Ministério Público  Estadual (MPE)  apresentou ontem um novo pedido de prisão preventiva contra o prefeito afastado de Lagarto (Centro-Sul), Valmir Monteiro. O órgão não deu detalhes sobre esse novo pedido, mas segundo informações extra-oficiais, ele partiu do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e se refere a uma investigação sobre supostos desvios de recursos públicos operados através de alugueis fraudulentos de máquinas e veículos de grande porte. 
Nesta apuração, Valmir está sendo acusado por associação criminosa, juntamente com um secretário municipal de Obras de sua gestão e uma construtora da região, a qual, de acordo com as investigações, teria sido contratada por meio de licitações possivelmente fraudadas e manobradas para favorecê-la. O novo pedido de prisão está sendo analisado pelo Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE). 
Valmir Monteiro já teve uma primeira prisão decretada em fevereiro deste ano, quando apareceu como principal investigado da 'Operação Leak', relacionada a desvios de recursos arrecadados no matadouro público municipal, através da cobranças de taxas, e a indícios de prática de lavagem de dinheiro, entre outros crimes. O prefeito lagartense foi preso em 22 de fevereiro e ficou detido no Presídio Militar (Presmil) até sua liberação, em 10 de junho último. O habeas-corpus pedido pela defesa foi concedido pela Justiça, mas algumas medidas cautelares foram impostas, como o afastamento do cargo de prefeito e a proibição de ter acesso a locais que pertençam à Prefeitura de Lagarto, mesmo que indiretamente.