Secretaria de Saúde mobiliza os 75 municípios para conter avanço da Dengue

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Secretaria de Saúde mobiliza os 75 municípios para discutir como conter o avanço da doença no Estado
Secretaria de Saúde mobiliza os 75 municípios para discutir como conter o avanço da doença no Estado

O avanço da dengue pode levar a epidemia em alguns municípios
O avanço da dengue pode levar a epidemia em alguns municípios

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/07/2019 às 23:14:00

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) mobilizou as coordenações de Vigilâncias em Saúde dos 75 municípios sergipanos a fim de discutir os números da Dengue, as ações de prevenção, como também alinhar fluxos e estratégias para conter o avanço da doença que continua registrando novos casos. A reunião foi realizada ontem, no auditório do Centro Administrativo da Saúde (CAS).
Segundo a diretora de Vigilância em Saúde da SES, Mércia Feitosa, o panorama atual para a Dengue no estado de Sergipe registra 3661 casos notificados, 750 confirmados, seis óbitos confirmados e dois em investigação. Dos 75 municípios apenas 10 não têm nenhum registro de casos suspeito. Em comparação com o ano anterior, 2019 já ultrapassou, em seis meses, o número total de registros que totalizou, em 2018, 549 casos confirmados.
 "O ano de 2017 e 2018 foram anos que tiveram uma redução do número de notificação. No país como um todo houve essa redução de todas as arboviroses - Chikungunya, Zika e Dengue. A menor redução foi da Dengue e por ser uma doença cíclica, quando vem alguns anos sem muita ocorrência, espera-se um aumento, o que está acontecendo em 2019 aqui no estado. O último ano que tivemos o maior número de casos registrado foi em 2016", explicou Mércia.
Mércia comentou também que, neste encontro, foi feito o questionamento e a avaliação acerca dos municípios que não têm registros de casos. "Vamos verificar se realmente representa o não adoecimento ou é subnotificação", explica.
Surto x Epidemia - Um surto acontece quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica, no caso de uma cidade, por exemplo, em um bairro. A situação, para que seja considerada surto, deve ter um aumento de casos maior do que o esperado pelas autoridades públicas.
Já a epidemia é caracterizada quando um surto acontece em várias regiões ao mesmo tempo. Uma epidemia municipal ocorre quando vários bairros apresentam uma doença, a epidemia estadual acontece quando vários municípios apresentam muitos casos, e, a epidemia nacional abrange diversas regiões do país.
"Para o estado de Sergipe não há risco de epidemia, mas há município que tem uma taxa de incidência muito elevada, e não tiveram casos nos últimos anos. O município, pelo aumento da taxa de incidência, sim, pode estar num estado de epidemia ou de surto. Na quinta feira, amanhã, haverá a divulgação de um novo boletim e vamos atualizar os dados dessas taxas de incidência", disse a diretora.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) mobilizou as coordenações de Vigilâncias em Saúde dos 75 municípios sergipanos a fim de discutir os números da Dengue, as ações de prevenção, como também alinhar fluxos e estratégias para conter o avanço da doença que continua registrando novos casos. A reunião foi realizada ontem, no auditório do Centro Administrativo da Saúde (CAS).
Segundo a diretora de Vigilância em Saúde da SES, Mércia Feitosa, o panorama atual para a Dengue no estado de Sergipe registra 3661 casos notificados, 750 confirmados, seis óbitos confirmados e dois em investigação. Dos 75 municípios apenas 10 não têm nenhum registro de casos suspeito. Em comparação com o ano anterior, 2019 já ultrapassou, em seis meses, o número total de registros que totalizou, em 2018, 549 casos confirmados.
 "O ano de 2017 e 2018 foram anos que tiveram uma redução do número de notificação. No país como um todo houve essa redução de todas as arboviroses - Chikungunya, Zika e Dengue. A menor redução foi da Dengue e por ser uma doença cíclica, quando vem alguns anos sem muita ocorrência, espera-se um aumento, o que está acontecendo em 2019 aqui no estado. O último ano que tivemos o maior número de casos registrado foi em 2016", explicou Mércia.
Mércia comentou também que, neste encontro, foi feito o questionamento e a avaliação acerca dos municípios que não têm registros de casos. "Vamos verificar se realmente representa o não adoecimento ou é subnotificação", explica.

Surto x Epidemia - Um surto acontece quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica, no caso de uma cidade, por exemplo, em um bairro. A situação, para que seja considerada surto, deve ter um aumento de casos maior do que o esperado pelas autoridades públicas.
Já a epidemia é caracterizada quando um surto acontece em várias regiões ao mesmo tempo. Uma epidemia municipal ocorre quando vários bairros apresentam uma doença, a epidemia estadual acontece quando vários municípios apresentam muitos casos, e, a epidemia nacional abrange diversas regiões do país.
"Para o estado de Sergipe não há risco de epidemia, mas há município que tem uma taxa de incidência muito elevada, e não tiveram casos nos últimos anos. O município, pelo aumento da taxa de incidência, sim, pode estar num estado de epidemia ou de surto. Na quinta feira, amanhã, haverá a divulgação de um novo boletim e vamos atualizar os dados dessas taxas de incidência", disse a diretora.