Quadro real

Rita Oliveira

 

Quando deputado federal, André 
Moura tornou o PSC um grande 
partido em Sergipe. A legenda chegou a ter um federal, um senador, vários deputados estaduais, prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.
Em 2018, o PSC chegou a ter cinco deputados estaduais com as filiações dos então deputados Gilmar Carvalho,Venâncio Fonseca e Paulinho das Varzinhas. Já estavam filiados à legenda os deputados Capitão Samuel e Antônio dos Santos. 
Com cinco parlamentares, o PSC passou a ser a maior bancada na Assembleia Legislativa em 2018. Após as eleições, a sigla conseguiu eleger um deputado federal (Valdevan Noventa) e quatro deputados estaduais (Gilmar Carvalho, Capitão Samuel e Dr Vanderbal, que foram reeleitos) e o estreante na política Ibrain Monteiro.
Ao lado do PSD do governador Belivaldo Chagas e do deputado federal Fábio Mitidieri, o PSC se tornou a maior bancada na Assembleia nesta legislatura com cada um fazendo quatro deputados estaduais. A terceira maior bancada foi a do MDB do ex-governador Jackson Barreto e do deputado federal Fábio Reis, com três deputados.
André Moura, que não disputou a reeleição, mas o Senado, acabou não sendo eleito. E Eduardo Amorim, que não estava mais no PSC, mas no PSDB, também não logrou êxito na disputa pelo governo do Estado.
Com André sem mandato e sem a liderança do governo federal (Michel Temer) no Congresso Nacional, o cenário que se desenha em Sergipe é de derrocada do PSC.
Os deputados estaduais reeleitos Gilmar Carvalho e Capitão Samuel, assim como o deputado federal Valdevan Noventa, sonham o dia que vão deixar o PSC. Gilmar e Samuel, por exemplo, são hoje pré-candidatos a prefeito de Aracaju e São Cristovão respectivamente em 2020. Já conversam com outras legendas, mesmo correndo o risco de perderem o mandato por infidelidade partidária. 
Vereadores e prefeitos também pensam em deixar o PSC. Entre eles, o vereador de Nossa Senhora do Socorro, Wagnerrogeris Lima, e o prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira.
A bola da vez está com o PSD, que é o do governador, e o DEM, que tem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ); o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP); e a senadora Maria do Carmo Alves.
Trocando em miúdos, sem mandato e trabalhando no governo do Rio de Janeiro como secretário chefe da Representação do Rio em Brasília, André está vendo o seu partido desmoronar em Sergipe já para as eleições 2020. .

Quando deputado federal, André  Moura tornou o PSC um grande  partido em Sergipe. A legenda chegou a ter um federal, um senador, vários deputados estaduais, prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

Em 2018, o PSC chegou a ter cinco deputados estaduais com as filiações dos então deputados Gilmar Carvalho,Venâncio Fonseca e Paulinho das Varzinhas. Já estavam filiados à legenda os deputados Capitão Samuel e Antônio dos Santos. 

Com cinco parlamentares, o PSC passou a ser a maior bancada na Assembleia Legislativa em 2018. Após as eleições, a sigla conseguiu eleger um deputado federal (Valdevan Noventa) e quatro deputados estaduais (Gilmar Carvalho, Capitão Samuel e Dr Vanderbal, que foram reeleitos) e o estreante na política Ibrain Monteiro.

Ao lado do PSD do governador Belivaldo Chagas e do deputado federal Fábio Mitidieri, o PSC se tornou a maior bancada na Assembleia nesta legislatura com cada um fazendo quatro deputados estaduais. A terceira maior bancada foi a do MDB do ex-governador Jackson Barreto e do deputado federal Fábio Reis, com três deputados.

André Moura, que não disputou a reeleição, mas o Senado, acabou não sendo eleito. E Eduardo Amorim, que não estava mais no PSC, mas no PSDB, também não logrou êxito na disputa pelo governo do Estado.

Com André sem mandato e sem a liderança do governo federal (Michel Temer) no Congresso Nacional, o cenário que se desenha em Sergipe é de derrocada do PSC.

Os deputados estaduais reeleitos Gilmar Carvalho e Capitão Samuel, assim como o deputado federal Valdevan Noventa, sonham o dia que vão deixar o PSC. Gilmar e Samuel, por exemplo, são hoje pré-candidatos a prefeito de Aracaju e São Cristovão respectivamente em 2020. Já conversam com outras legendas, mesmo correndo o risco de perderem o mandato por infidelidade partidária. 

Vereadores e prefeitos também pensam em deixar o PSC. Entre eles, o vereador de Nossa Senhora do Socorro, Wagnerrogeris Lima, e o prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira.

A bola da vez está com o PSD, que é o do governador, e o DEM, que tem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ); o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP); e a senadora Maria do Carmo Alves.

Trocando em miúdos, sem mandato e trabalhando no governo do Rio de Janeiro como secretário chefe da Representação do Rio em Brasília, André está vendo o seu partido desmoronar em Sergipe já para as eleições 2020. .

Baixa no PSC 1

O prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira, filho do ex-deputado e ex-prefeito José Everaldo de Oliveira, pode deixar o PSC pelo PSD. Pré-candidato a reeleição em 2020, Iggor já apoiou Belivaldo Chagas (PSD) no segundo turno das eleições de 2018.

Baixa no PSC 2

O vereador de Nossa Senhora do Socorro, Wagnerrogeris Lima, disse à coluna que nos próximos dias deixará o PSC para se filiar ao PPS. Vai apoiar a pré-candidatura do deputado estadual Dr. Samuel (PPS) a prefeito do seu município no ano que vem.

Malas prontas

Segundo Wagnerrogeris, quem também se filiará ao PPS junto com ele é o vereador Tico do Guajará (PSDC). Ressalta que os dois estarão engajados no projeto do PPS em Socorro.

Posse

Como a coluna já informou, o deputado federal Laércio Oliveira (PP) ficaria com a indicação da Superintendência Federal da Agricultura do Estado de Sergipe. Ele indicou o engenheiro agrônomo Haroldo Araújo Filho para o comando da superintendência no estado, que ontem já foi empossado no cargo. Ele indicará também no governo federal a superintendência da saúde em Sergipe .

As próximas posses

Nos próximos dias deve sair a indicação do deputado federal Gustinho Ribeiro (SD) em órgãos do governo federal em Sergipe. Já ficou acordado entre a bancada federal que ele indicará o presidente da Funasa no estado, que será a sua tia Luiza Ribeiro, e do DNOCS, que é um ex-prefeito aliado do interior. 

Desarmamento 1

Após rejeitar o decreto das armas do governo, o Senado trabalha em um projeto de revisão do Estatuto do Desarmamento. Escolhido por lideranças partidárias para relatar a proposta, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) ouviu na quinta, em audiência pública da CC), representantes de diversos setores da sociedade sobre a situação do registro, posse e porte de armas no Brasil.

Desarmamento 2

Para o senador, a audiência evidenciou que a posse - ou seja, a manutenção de arma para proteção da residência - é mais tolerada pela sociedade do que o porte (direito de circular com armas). Ele ressaltou, contudo, que é preciso avaliar a inclusão de critérios mais rígidos para acesso a armamentos e munições. O senador também estuda medidas que tornem mais eficaz o rastreamento de armas e balas.

Reforma da Previdência 1

Por 30 votos a 18, a comissão especial da reforma da Previdência rejeitou o destaque que pretendia excluir os professores das futuras regras previdenciárias. O texto original da reforma exigia idade mínima de 60 anos e 30 anos de contribuição para ambos os sexos. Conforme o parecer aprovado pela comissão, as professoras poderão se aposentar com 57 anos de idade e 25 de contribuição. Já os professores, com 60 de idade e 30 de contribuição. 

Reforma da Previdência 2

O deputado federal Fábio Henrique (PDT), único de Sergipe a integrar a comissão. foi um dos 18 parlamentares a votar a favor da exclusão de professores da reforma.  Com a aprovação da reforma, por 36 votos favoráveis e 13 contrários, na próxima terça-feira serão iniciados os debates da matéria no Plenário. A vontade do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é começar a votação também na semana que vem. Portanto, os próximos dias vão ser de grandes discussões no plenário da Casa.

Fake news 1

A desinformação e o grande volume de notícias falsas disseminadas, principalmente nas redes sociais, atentam contra a liberdade de expressão, avaliaram os debatedores de audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado, na última quinta-feira. Para enfrentar o problema, eles apostam em "alfabetização midiática" e em jornalismo profissional de qualidade.

Fake news 2

Avaliaram representantes de associações de jornalistas no Brasil que a influência das fake news na sociedade, potencializada pela internet, está levando à desqualificação dos veículos tradicionais de imprensa e à violência contra os profissionais da comunicação. Para o diretor-geral da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Cristiano Flores, é preciso diferencia r jornalismo profissional de outras fontes de informação. Hoje, com as redes sociais, todo mundo se acha jornalista e coloca informação sem apuração e qualquer critério. Lamentável.

Veja essa ...

Do senador Rogério Carvalho (PT) sobre novos diálogos divulgados ontem pela revista Veja, que mostra o ex-juiz federal Sergio Moro orientando ilegalmente procuradores da Lava Jato: "Combater a corrupção com corrupção, que coisa, hein Moro!?! O combate à corrupção na política foi conduzido por Moro na operação Lava Jato com ações corruptas: isso é o cúmulo do absurdo!".

...e essa...

Prossegue Rogério: "A Lava Java Jato deveria ter sido uma importante operação de combate à corrupção no país, mas foi desvirtuada pela própria corrupção de Moro e seus aliados. Eles escolheram como inimigos quem não se alinhava com o pensamento político deles. Moro destruiu os princípios de legalidade, da moralidade, e a Constituição Federal. Afrontou a Lei Orgânica da Magistratura quando não se manteve equidistante e imparcial das partes".

Curtas

A Rádio Senado chegou a quatro capitais e uma delas é Aracaju, na frequência de 103,9MHz. Desde a quinta-feira que a nova emissora começou a ser transmitida também em Maceió, Belém e Boa Vista, com a inauguração sendo marcada pela transmissão ao vivo do programa Conexão Senado, diretamente da Casa, com a presença de senadores.

O Papa Francisco pediu que a Justiça julgue com imparcialidade. "Os juízes devem seguir o exemplo de Jesus, que nunca negocia a verdade. Rezemos para que todos aqueles que administram a justiça operem com integridade e para que a injustiça que atravessa o mundo não tenha a última palavra", afirmou o líder católico. Qualquer referência indireta ao ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, é mera coincidência. 

O deputado federal Fábio Reis (MDB) apresentou cinco emendas às comissões de Esporte e de Turismo da Câmara dos Deputados na última quarta, como sugestão de inclusão no anexo de metas da LDO, que define quais serão as prioridades do Governo Federal para a próxima Lei Orçamentária, em 2020. Quatro delas foram aprovadas.

Do vereador Elber Batalha (PSB) sobre o suicídio do empresário Sadi  Citz, que será cremado hoje na Bahia: "Nesse terrível episódio do suicídio de Sadi Citz, além da tristeza da perda, a nós, homens públicos, deve ficar uma lição: um incentivo fiscal retirado, uma isenção tributária extinta, uma promessa de campanha não cumprida podem significar para a população a diferença entre o sucesso e o fracasso, entre a dignidade e a tragédia".

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS