Samu registra mais de 200 ocorrências por queda de idoso somente em junho

Geral

 

O monitoramento re-
alizado no mês de 
junho pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), unidade da Secretaria de Estado da Saúde (SES), revelou um dado curioso e preocupante: dos 1.380 casos registrados como acidentes provocados por causas externas, 237 referem-se a quedas da própria altura, predominando os idosos acima de 65 anos. Em 2018, no mesmo período, foram contabilizados 138 casos, ou seja, em 2019 houve o aumento de, aproximadamente, 40%. A queda é um evento bastante comum e pode ser devastador em idosos. Embora não seja uma consequência inevitável do envelhecimento, pode sinalizar o início de fragilidade ou indicar alguma doença.
Segundo a superintendente do SAMU, Conceição Mendonça, neste ano de 2019 o monitoramento foi realizado nos 75 municípios sergipanos durante todo o mês de junho e não apenas nos dias de festas como acontecia nos anos anteriores. "Esse resultado nos chamou a atenção e provocou uma grande surpresa, principalmente se formos fazer um comparativo em relação a junho de 2018. Essa foi a maior causa de atendimento no SAMU, chegando a mais de 230 casos correspondendo a 17% dos chamados", comentou Conceição.
No Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), dados do Sistema Integrado de Informatização de Ambiente Hospitalar (Hospub) informam que, em 2018, foram registradas 9.860 vítimas de queda das mais variadas causas e grande parte das vítimas eram idosos com idades entre 60 e 69 anos. Já em 2019, o primeiro semestre já contabiliza mais de 5 mil casos.

O monitoramento re- alizado no mês de  junho pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), unidade da Secretaria de Estado da Saúde (SES), revelou um dado curioso e preocupante: dos 1.380 casos registrados como acidentes provocados por causas externas, 237 referem-se a quedas da própria altura, predominando os idosos acima de 65 anos. Em 2018, no mesmo período, foram contabilizados 138 casos, ou seja, em 2019 houve o aumento de, aproximadamente, 40%. A queda é um evento bastante comum e pode ser devastador em idosos. Embora não seja uma consequência inevitável do envelhecimento, pode sinalizar o início de fragilidade ou indicar alguma doença.
Segundo a superintendente do SAMU, Conceição Mendonça, neste ano de 2019 o monitoramento foi realizado nos 75 municípios sergipanos durante todo o mês de junho e não apenas nos dias de festas como acontecia nos anos anteriores. "Esse resultado nos chamou a atenção e provocou uma grande surpresa, principalmente se formos fazer um comparativo em relação a junho de 2018. Essa foi a maior causa de atendimento no SAMU, chegando a mais de 230 casos correspondendo a 17% dos chamados", comentou Conceição.
No Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), dados do Sistema Integrado de Informatização de Ambiente Hospitalar (Hospub) informam que, em 2018, foram registradas 9.860 vítimas de queda das mais variadas causas e grande parte das vítimas eram idosos com idades entre 60 e 69 anos. Já em 2019, o primeiro semestre já contabiliza mais de 5 mil casos.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS