Tudo pronto para os "50 Anos" do Batistão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
GOVERNO resolveu voltar no tempo e programou uma grande festividade para comemorar o Cinquentário do Batistão, NA NOITE DE TERÇA-FEIRA
GOVERNO resolveu voltar no tempo e programou uma grande festividade para comemorar o Cinquentário do Batistão, NA NOITE DE TERÇA-FEIRA

Em 2015 o Batistão ganhou a concepção de Arena, otimizado para receber seleções que fariam aclimatação para a Copa do Mundo. A Grécia passou por aqui
Em 2015 o Batistão ganhou a concepção de Arena, otimizado para receber seleções que fariam aclimatação para a Copa do Mundo. A Grécia passou por aqui

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/07/2019 às 14:37:00

 

Givaldo Batista
Givaldobs@yahoo.com.br
Há cinquenta anos, no 
dia 9 de julho de 
1969, Aracaju recebia radialistas e jornalistas de todo o Brasil, que aqui estavam para cobrir mais um amistoso da Seleção Brasileira que se preparava para o Mundial de México, onde no ano seguinte viria a ser tricampeã mundial. O jogo entre Seleção Brasileira e Seleção Sergipana marcavas a inauguração do maior e mais moderno estádio de futebol: o Estádio Lourival Baptista.
O jogo era as 20h, mas às 14 horas as dependências do Batistão já estavam lotadas. Gente por todo lado. No gramado antes do jogo, show com artistas locais, apresentação de grupos folclóricos. Uma verdadeira festa. Nas tribunas de honra, presença do próprio governador Lourival Baptista, com todo seu secretariado e assessores. Coube ao Arcebispo Dom José Vicente Távora, a benção inaugural.
Dentro de campo, a Seleção do Brasil com as "Feras de João Saldanha" tinha Felix, Lula, Carlos Alberto Torres, Zé Maria, Djalma Dias, Brito, Piazza, Joel Camargo, Rildo, Clodoaldo, Gérson, Jairzinho, Paulo Borges, Tostão, Toninho Guerreiro, Pelé Edu e Paulo Cézar. 
Pela Seleção Sergipana comandados pelo treinador Edmur Cruz nomes como Gilton, Marcelo, Augusto, Zé Américo, Mario Portela, Vidal, Beto, Zé Paulo, Gecélio, Zé Arlindo, Evangelista, Tatica, Bené, Caroço, Paulo Lumumba, Beto, Piranha, Vevé, Edmílson, Joel, Fernando, Zé Pequeno e Valmir. 
Desses 23 atletas sergipanos, apenas 10 estão vivos. Marcelo, Augusto, Zé Arlindo, Zé Pequeno, Zé Américo, Fernando, Gecélio, Fernando, Joel e Edmilson. Eles e serão homenageados pelo Governador do Estado. 
Um público oficial de 45.058 (tinha muito mais gente no estádio) torcedores assistiu goleada de 8x2 para a Seleção Brasileira. O primeiro gol assinalado no Batistão foi do artilheiro Toninho Guerreiro, que pertencia ao Santos. Os gols dos sergipanos foram de Vevé e Fernando. Mas o primeiro sergipano a marcar um gol no novo estádio foi Clodoaldo Santana, sergipano que defendia a Seleção Brasileira. Os gols da partida foram de Toninho Guerreiro (2), Clodoaldo, Gerson, Paulo César Caju, Paulo Borges e Beto (contra), para o selecionado nacional, e de Vevé e Fernando, para o selecionado sergipano. Armando Marques, foi o árbitro dessa partida. 
Revivendo o passado - Nos 50 Anos do Batistão, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação, do Esporte e da Cultura (SEDUC), através da Superintendência Especial e Esporte (SEE) resolveu voltar no tempo e programou uma grande festividade, para comemorar o Cinquentário do Batistão, revivendo aquela memorável partida. Uma seleção com ex-craques brasileiros, comandada por Washington Coração Valente enfrentará a Seleção Sergipana com craques que por aqui fizeram história.
Na Seleção Brasileira (Os Amigos de Washington) estarão além de Washington Coração Valente, a equipe nacional terá craques que fizeram história no futebol brasileiro, como Jorge Wagner, Rodrigo Costa, Ricardo Berna, Marquinho, Juninho Paulista, Daniel Paulista, Nenê, Alex, Pedro Dantas, Antônio Hora e os cantores Luanzinho Moraes e Kaelzinho. Pela Seleção Sergipana, estarão Rodrigues, Adilson, Valdson, Ita, Denilson, Chicão, Geraldo, Alex, Lêniton, Reginaldo, Lico, Bibi, Pedro Costa e Raul. A partida está marcada para as 19h.
A novidade é que dois trios de árbitros apitarão essa partida. Um em cada tempo. No primeiro tempo Sidrack Marinho, Cleriston Cley Rios e José Crispim. No segundo tempo uma homenagem às árbitras sergipanas Thayslane Melo, Vanessa Azevedo e Vaneide Vieira Gois. Ingressos para essa partida serão trocados nas bilheterias do Batistão, por alimentos não perecíveis.  
Programação - Mas A festa dos 50 Anos do Batistão começa logo cedo às 6h com uma alvorada festiva, com queima de fogos, seguida de uma missa celebrada pelo padre Marcelo, homenagem aos jornalistas e radialistas, café da manhã e jogo entre as escolas de esportes mantidas pelo Governo do Estado. Às festividades recomeçam as 18h horas com a Banda Sanfônica tocando o Hino do Batistão, composição de Hugo Costa e música de Luís Gonzaga. Homenagens a personalidades que fizeram a história do Batistão e será encerrada com o jogo festivo.

Há cinquenta anos, no  dia 9 de julho de  1969, Aracaju recebia radialistas e jornalistas de todo o Brasil, que aqui estavam para cobrir mais um amistoso da Seleção Brasileira que se preparava para o Mundial de México, onde no ano seguinte viria a ser tricampeã mundial. O jogo entre Seleção Brasileira e Seleção Sergipana marcavas a inauguração do maior e mais moderno estádio de futebol: o Estádio Lourival Baptista.
O jogo era as 20h, mas às 14 horas as dependências do Batistão já estavam lotadas. Gente por todo lado. No gramado antes do jogo, show com artistas locais, apresentação de grupos folclóricos. Uma verdadeira festa. Nas tribunas de honra, presença do próprio governador Lourival Baptista, com todo seu secretariado e assessores. Coube ao Arcebispo Dom José Vicente Távora, a benção inaugural.
Dentro de campo, a Seleção do Brasil com as "Feras de João Saldanha" tinha Felix, Lula, Carlos Alberto Torres, Zé Maria, Djalma Dias, Brito, Piazza, Joel Camargo, Rildo, Clodoaldo, Gérson, Jairzinho, Paulo Borges, Tostão, Toninho Guerreiro, Pelé Edu e Paulo Cézar. 
Pela Seleção Sergipana comandados pelo treinador Edmur Cruz nomes como Gilton, Marcelo, Augusto, Zé Américo, Mario Portela, Vidal, Beto, Zé Paulo, Gecélio, Zé Arlindo, Evangelista, Tatica, Bené, Caroço, Paulo Lumumba, Beto, Piranha, Vevé, Edmílson, Joel, Fernando, Zé Pequeno e Valmir. 
Desses 23 atletas sergipanos, apenas 10 estão vivos. Marcelo, Augusto, Zé Arlindo, Zé Pequeno, Zé Américo, Fernando, Gecélio, Fernando, Joel e Edmilson. Eles e serão homenageados pelo Governador do Estado. 
Um público oficial de 45.058 (tinha muito mais gente no estádio) torcedores assistiu goleada de 8x2 para a Seleção Brasileira. O primeiro gol assinalado no Batistão foi do artilheiro Toninho Guerreiro, que pertencia ao Santos. Os gols dos sergipanos foram de Vevé e Fernando. Mas o primeiro sergipano a marcar um gol no novo estádio foi Clodoaldo Santana, sergipano que defendia a Seleção Brasileira. Os gols da partida foram de Toninho Guerreiro (2), Clodoaldo, Gerson, Paulo César Caju, Paulo Borges e Beto (contra), para o selecionado nacional, e de Vevé e Fernando, para o selecionado sergipano. Armando Marques, foi o árbitro dessa partida. 

Revivendo o passado - Nos 50 Anos do Batistão, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação, do Esporte e da Cultura (SEDUC), através da Superintendência Especial e Esporte (SEE) resolveu voltar no tempo e programou uma grande festividade, para comemorar o Cinquentário do Batistão, revivendo aquela memorável partida. Uma seleção com ex-craques brasileiros, comandada por Washington Coração Valente enfrentará a Seleção Sergipana com craques que por aqui fizeram história.
Na Seleção Brasileira (Os Amigos de Washington) estarão além de Washington Coração Valente, a equipe nacional terá craques que fizeram história no futebol brasileiro, como Jorge Wagner, Rodrigo Costa, Ricardo Berna, Marquinho, Juninho Paulista, Daniel Paulista, Nenê, Alex, Pedro Dantas, Antônio Hora e os cantores Luanzinho Moraes e Kaelzinho. Pela Seleção Sergipana, estarão Rodrigues, Adilson, Valdson, Ita, Denilson, Chicão, Geraldo, Alex, Lêniton, Reginaldo, Lico, Bibi, Pedro Costa e Raul. A partida está marcada para as 19h.
A novidade é que dois trios de árbitros apitarão essa partida. Um em cada tempo. No primeiro tempo Sidrack Marinho, Cleriston Cley Rios e José Crispim. No segundo tempo uma homenagem às árbitras sergipanas Thayslane Melo, Vanessa Azevedo e Vaneide Vieira Gois. Ingressos para essa partida serão trocados nas bilheterias do Batistão, por alimentos não perecíveis.  

Programação - Mas A festa dos 50 Anos do Batistão começa logo cedo às 6h com uma alvorada festiva, com queima de fogos, seguida de uma missa celebrada pelo padre Marcelo, homenagem aos jornalistas e radialistas, café da manhã e jogo entre as escolas de esportes mantidas pelo Governo do Estado. Às festividades recomeçam as 18h horas com a Banda Sanfônica tocando o Hino do Batistão, composição de Hugo Costa e música de Luís Gonzaga. Homenagens a personalidades que fizeram a história do Batistão e será encerrada com o jogo festivo.