Deputado defende desenvolvimento sustentável para o turismo e aquicultura de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/07/2019 às 22:55:00

 

O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) esteve ontem na sede da Superintendência Especial de Atos Legislativos (Superlegis), onde participou de reunião sobre o zoneamento ecológico e econômico o litoral de Sergipe. As discussões giraram em torno da construção do Plano de Gerenciamento Costeiro do Estado e do zoneamento econômico-ecológico. O Zoneamento divide um espaço físico com funções específicas no sentido de promover o ordenamento adequado e soluções do ponto de vista social, econômico e ambiental.
Para o deputado Zezinho Sobral, é preciso um olhar cuidadoso na elaboração do projeto para evitar a criação de normas que possam dificultar a competitividade, a produção e o comércio dos pequenos e médios aquicultores e carcinicultures. "Sergipe tem condições de manter áreas de preservação ambiental e empreender um desenvolvimento sustentável sem a necessidade de inviabilizar atividades importantes para nossa economia como agricultura, aquicultura e, também, o turismo, que são o sustento de milhares de famílias", observou.

O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) esteve ontem na sede da Superintendência Especial de Atos Legislativos (Superlegis), onde participou de reunião sobre o zoneamento ecológico e econômico o litoral de Sergipe. As discussões giraram em torno da construção do Plano de Gerenciamento Costeiro do Estado e do zoneamento econômico-ecológico. O Zoneamento divide um espaço físico com funções específicas no sentido de promover o ordenamento adequado e soluções do ponto de vista social, econômico e ambiental.
Para o deputado Zezinho Sobral, é preciso um olhar cuidadoso na elaboração do projeto para evitar a criação de normas que possam dificultar a competitividade, a produção e o comércio dos pequenos e médios aquicultores e carcinicultures. "Sergipe tem condições de manter áreas de preservação ambiental e empreender um desenvolvimento sustentável sem a necessidade de inviabilizar atividades importantes para nossa economia como agricultura, aquicultura e, também, o turismo, que são o sustento de milhares de famílias", observou.