Ação trabalhista de Alan Dotti penhora renda

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/07/2019 às 23:55:00

 

Parte do valor arrecado pelo Confiança com a venda dos ingressos, para o duelo do último domingo contra o Imperatriz, foi penhorado pela Justiça. O bloqueio foi determinado por Ariel Salete de Moraes Júnior, juiz da 6ª Vara do Trabalho de Aracaju, como parte da ação trabalhista movida pelo auxiliar técnico Alan Dotti, ex-funcionário do clube.
O valor de bloqueio determinado pelo juiz foi de R$ 50.746,05, mas a penhora se limitou a R$ 13.573,00, conforme relatado no borderô da partida. O valor total de arrecadação foi bem acima disso, de R$ 175.485 mil.
Em razão do mesmo processo, o Confiança perdeu ainda neste ano, em abril, os R$ 125 mil recebidos na negociação do goleiro Everson com o Ceará. A condenação veio em março do ano passado, após decisão da juíza Gilvânia Oliveira de Rezende a favor de Alan Davisd Dotti.
O ex-auxiliar cobra do clube uma série de pagamentos, que envolvem horas-extras, reconhecimento de vínculo de emprego, 13º salário, férias, aviso prévio e danos morais. Dotti estava trabalhando como auxiliar da Inter de Limeira, de onde saiu no início de junho, junto com o técnico Paulo Roberto.

Parte do valor arrecado pelo Confiança com a venda dos ingressos, para o duelo do último domingo contra o Imperatriz, foi penhorado pela Justiça. O bloqueio foi determinado por Ariel Salete de Moraes Júnior, juiz da 6ª Vara do Trabalho de Aracaju, como parte da ação trabalhista movida pelo auxiliar técnico Alan Dotti, ex-funcionário do clube.
O valor de bloqueio determinado pelo juiz foi de R$ 50.746,05, mas a penhora se limitou a R$ 13.573,00, conforme relatado no borderô da partida. O valor total de arrecadação foi bem acima disso, de R$ 175.485 mil.
Em razão do mesmo processo, o Confiança perdeu ainda neste ano, em abril, os R$ 125 mil recebidos na negociação do goleiro Everson com o Ceará. A condenação veio em março do ano passado, após decisão da juíza Gilvânia Oliveira de Rezende a favor de Alan Davisd Dotti.
O ex-auxiliar cobra do clube uma série de pagamentos, que envolvem horas-extras, reconhecimento de vínculo de emprego, 13º salário, férias, aviso prévio e danos morais. Dotti estava trabalhando como auxiliar da Inter de Limeira, de onde saiu no início de junho, junto com o técnico Paulo Roberto.