Se eu quiser falar com Deus

Geral


  • Os palcos, trios elétricos e fanáticos nas ruas mandam um recado: os cristãos são muitos

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Nos livros de história, 
marchas e paradas 
militares correspondem sempre à ostentação de força, uma demonstração de poderio material orientada para a intimidação de eventuais inimigos. Mas a lógica beligerante das nações imperialistas ainda não é página virada, apesar das lágrimas e do sangue derramado das fotografias em preto e branco. A Marcha para Jesus, reunindo multidões de crentes, por exemplo, se impõe sobretudo pelo volume. O triunfo da vontade, para lembrar Leni Riefenstahl, se dá exclusivamente por vantagem numérica, com bombas e gritos.
Deus não habita em templos de pedra e cal, mas as igrejas prosperam como nunca. Beneficiadas pelo status de instituição filantrópica, isentas de contribuição fiscal, as organizações religiosas atuam desde sempre como força política e econômica, com a ambição declarada de influência em todas as esferas da vida pública. Os palcos, trios elétricos e fanáticos ocupando as ruas mandam um recado mundano, em alto e bom som: os cristãos são muitos.
Não é de se espantar, portanto, a presença de lideranças partidárias em espaços de devoção, essencialmente estranhos à performance política. Quem não lembra do governador Jackson Barreto e o recém eleito prefeito Edvaldo Nogueira, compenetrados servidores públicos, presentes à inauguração da pedra fundamental de um faraônico templo evangélico, há poucos anos? Pediam bênçãos, em pose contrita, mas receberiam os votos dos crentes de bom grado.
Não à toa, o ex presidente Michel Temer vê a marca da continuidade no governo Bolsonaro. Este quer interferir no conteúdo dos produtos audiovisuais realizados com verba da Ancine. Aquele enviou o seu ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, ao Encontro Cultural de Economia Criativa Cristã, no Rio de Janeiro. Os dois deixaram claro, cada um a seu próprio modo, a disposição de subsidiar a propaganda religiosa, alimentada por cifras de muitos milhões, empregadas em diversas frentes - da indústria fonográfica ao cinema.
Curioso é notar que, mesmo na bíblia, considerada um livro sagrado, há diversas passagens recomendando a oração a portas fechadas, longe do olhar público, como na canção de Gilberto Gil que empresta o título a este artigo. Nada de orar em pé nas sinagogas, às esquinas, sob os olhos e a opinião dos homens. A mão esquerda não tem nada com os gestos da mão direita, Mateus adverte. E, no entanto, marcham os crentes.

Nos livros de história,  marchas e paradas  militares correspondem sempre à ostentação de força, uma demonstração de poderio material orientada para a intimidação de eventuais inimigos. Mas a lógica beligerante das nações imperialistas ainda não é página virada, apesar das lágrimas e do sangue derramado das fotografias em preto e branco. A Marcha para Jesus, reunindo multidões de crentes, por exemplo, se impõe sobretudo pelo volume. O triunfo da vontade, para lembrar Leni Riefenstahl, se dá exclusivamente por vantagem numérica, com bombas e gritos.
Deus não habita em templos de pedra e cal, mas as igrejas prosperam como nunca. Beneficiadas pelo status de instituição filantrópica, isentas de contribuição fiscal, as organizações religiosas atuam desde sempre como força política e econômica, com a ambição declarada de influência em todas as esferas da vida pública. Os palcos, trios elétricos e fanáticos ocupando as ruas mandam um recado mundano, em alto e bom som: os cristãos são muitos.
Não é de se espantar, portanto, a presença de lideranças partidárias em espaços de devoção, essencialmente estranhos à performance política. Quem não lembra do governador Jackson Barreto e o recém eleito prefeito Edvaldo Nogueira, compenetrados servidores públicos, presentes à inauguração da pedra fundamental de um faraônico templo evangélico, há poucos anos? Pediam bênçãos, em pose contrita, mas receberiam os votos dos crentes de bom grado.
Não à toa, o ex presidente Michel Temer vê a marca da continuidade no governo Bolsonaro. Este quer interferir no conteúdo dos produtos audiovisuais realizados com verba da Ancine. Aquele enviou o seu ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, ao Encontro Cultural de Economia Criativa Cristã, no Rio de Janeiro. Os dois deixaram claro, cada um a seu próprio modo, a disposição de subsidiar a propaganda religiosa, alimentada por cifras de muitos milhões, empregadas em diversas frentes - da indústria fonográfica ao cinema.
Curioso é notar que, mesmo na bíblia, considerada um livro sagrado, há diversas passagens recomendando a oração a portas fechadas, longe do olhar público, como na canção de Gilberto Gil que empresta o título a este artigo. Nada de orar em pé nas sinagogas, às esquinas, sob os olhos e a opinião dos homens. A mão esquerda não tem nada com os gestos da mão direita, Mateus adverte. E, no entanto, marcham os crentes.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS