Especialista diz que água adicionada de sais é melhor que a mineral e ambas são ideais para consumo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/07/2019 às 22:37:00

 

Muita gente acredita que toda água engarrafada é mineral, mas na verdade não é bem assim. Existem dois tipos principais de água comercializada: a água mineral natural e a água adicionada de sais. A diferença entre as duas, segundo a engenheira química especializada em engenharia alimentar, Lia Pinheiro, é que a água adicionada de sais passa por um processo industrial, porém, é ideal para o consumo humano.
"Com a evolução da indústria e da tecnologia, nós engenheiros conseguimos desenvolver uma grande quantidade de novos produtos, a exemplo da água adicionada de sais. É uma água própria para consumo, mas não é de fonte natural, e tem sais adicionados na sua composição. Porém, podemos também adicionar sais em uma água mineral natural para enriquecê-la", explica a especialista.
Lia esclarece que todo produto que seja utilizado no consumo direto ou indireto deve ser atestado pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), e as informações devem estar expostas visivelmente no rótulo. "As empresas precisam se atentar ao que determina a legislação para definir como água mineral natural ou água adicionada de sais. As empresas têm que ser muito claras nessas diferenças. E as informações precisam estar nos rótulos. Geralmente, o consumidor lê apenas a informação que está mais fácil, que é a de água, mas logo ao lado, consta a informação se é natural ou adicionada de sais", aponta.
Segundo a engenheira, os dois tipos de água podem ser consumidas tranquilamente pelas pessoas. O que o consumidor deve se atentar é para potabilidade dessa água. "Cabe aos órgãos de controle, fazer a fiscalização correta para que o consumidor se sinta seguro em consumir aquela água. A gente sabe que existe uma grande quantidade de marcas no mercado, o consumidor consegue comprar água mineral de R$ 0,50 a R$ 10. Há uma acessibilidade grande a esse tipo de produto, e uma coisa que digo sempre é que o consumidor é responsável pela garantia de tudo que chega na sua casa, porque ele pode escolher o que comprar e cobrar dos órgãos o controle", afirma.
Água filtrada - Outra opção de água muito utilizada para consumo humano são as filtradas. De acordo com Lia, todos os filtros, inclusive os mais simples, funcionam, desde que recebam a manutenção adequada. "Dependendo do tipo de recheio do filtro, são feitos tratamentos e processos de retiradas para tornar a água potável e saudável. O que deve ser ressaltado é que o filtro não é universal, é preciso verificar o que esse filtro faz, para o que ele se destina. Pode ser para eliminação de microrganismo patogênicos, eliminação de certos tipos de sais ou certos sódios suspensos. Geralmente, o filtro de casa é apenas para complementar o processo do sistema de tratamento de água, mas os filtros funcionam sim", ressalta.
Água saborizada - Algumas marcas fabricam águas com sabor e gaseificada. Esse tipo de produto é considerado como bebida ou água saborizada, não sendo a ideal para o funcionamento do organismo. "Saborizar a água é desenvolver um novo produto. O consumidor opta por comprar determinada marca porque a água é mais gostosa, mas o organismo precisa de água pura para suas reações metabólicas e suas células, e ao incorporar alguma coisa, aquele componente está competindo com a água. A água livre já não é a mesma de uma garrafinha de água mineral", alerta.

Muita gente acredita que toda água engarrafada é mineral, mas na verdade não é bem assim. Existem dois tipos principais de água comercializada: a água mineral natural e a água adicionada de sais. A diferença entre as duas, segundo a engenheira química especializada em engenharia alimentar, Lia Pinheiro, é que a água adicionada de sais passa por um processo industrial, porém, é ideal para o consumo humano.
"Com a evolução da indústria e da tecnologia, nós engenheiros conseguimos desenvolver uma grande quantidade de novos produtos, a exemplo da água adicionada de sais. É uma água própria para consumo, mas não é de fonte natural, e tem sais adicionados na sua composição. Porém, podemos também adicionar sais em uma água mineral natural para enriquecê-la", explica a especialista.
Lia esclarece que todo produto que seja utilizado no consumo direto ou indireto deve ser atestado pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), e as informações devem estar expostas visivelmente no rótulo. "As empresas precisam se atentar ao que determina a legislação para definir como água mineral natural ou água adicionada de sais. As empresas têm que ser muito claras nessas diferenças. E as informações precisam estar nos rótulos. Geralmente, o consumidor lê apenas a informação que está mais fácil, que é a de água, mas logo ao lado, consta a informação se é natural ou adicionada de sais", aponta.
Segundo a engenheira, os dois tipos de água podem ser consumidas tranquilamente pelas pessoas. O que o consumidor deve se atentar é para potabilidade dessa água. "Cabe aos órgãos de controle, fazer a fiscalização correta para que o consumidor se sinta seguro em consumir aquela água. A gente sabe que existe uma grande quantidade de marcas no mercado, o consumidor consegue comprar água mineral de R$ 0,50 a R$ 10. Há uma acessibilidade grande a esse tipo de produto, e uma coisa que digo sempre é que o consumidor é responsável pela garantia de tudo que chega na sua casa, porque ele pode escolher o que comprar e cobrar dos órgãos o controle", afirma.

Água filtrada - Outra opção de água muito utilizada para consumo humano são as filtradas. De acordo com Lia, todos os filtros, inclusive os mais simples, funcionam, desde que recebam a manutenção adequada. "Dependendo do tipo de recheio do filtro, são feitos tratamentos e processos de retiradas para tornar a água potável e saudável. O que deve ser ressaltado é que o filtro não é universal, é preciso verificar o que esse filtro faz, para o que ele se destina. Pode ser para eliminação de microrganismo patogênicos, eliminação de certos tipos de sais ou certos sódios suspensos. Geralmente, o filtro de casa é apenas para complementar o processo do sistema de tratamento de água, mas os filtros funcionam sim", ressalta.

Água saborizada - Algumas marcas fabricam águas com sabor e gaseificada. Esse tipo de produto é considerado como bebida ou água saborizada, não sendo a ideal para o funcionamento do organismo. "Saborizar a água é desenvolver um novo produto. O consumidor opta por comprar determinada marca porque a água é mais gostosa, mas o organismo precisa de água pura para suas reações metabólicas e suas células, e ao incorporar alguma coisa, aquele componente está competindo com a água. A água livre já não é a mesma de uma garrafinha de água mineral", alerta.