Sergipe registra aumento de empresas no primeiro semestre

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/07/2019 às 02:10:00

 

Sergipe registrou um au-
mento de 10% no nú-
mero de abertura de empresas no primeiro semestre de 2019, em comparação ao mesmo período do ano passado. Dados da Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese) apontam que 2.289 registros foram abertos no estado, contra 2.086 em 2018.
Entre os municípios, Aracaju abriu 1.309 empresas neste período, seguido de Itabaiana com 110; Lagarto, 98; Nossa Senhora do Socorro, 84; São Cristóvão, 62; Estância, 49; Tobias Barreto, 49; Nossa Senhora da Glória, 38; Simão Dias, 33; Propriá, 31.
Do total de empresas constituídas neste primeiro semestre, 1.876 foram microempresas (ME), com renda bruta anual inferior ou igual a R$ 360 mil; 212 foram empresas de pequeno porte (EPP), com renda bruta anual superior a R$ 360 mil e inferior a R$ 4,8 milhões; e 201 foram empresas consideradas sem porte, por escolha do empresário ou por terem ultrapassado o limite de arrecadação de EPP.
"Como órgão responsável pelo registro empresarial em Sergipe e pela coordenação da Redesim, projeto que vem desburocratizando o processo de abertura de novos negócios, ficamos felizes em contribuir com o crescimento econômico do estado", afirma o presidente da Jucese, Marco Freitas.
Com relação às baixas, a Jucese também registrou um aumento de 7% (1.494 empresas), nos seis primeiros meses de 2019, se comparados ao mesmo período de 2018. Em Aracaju, 802 foram extintas, seguida de Itabaiana, 78; Nossa Senhora do Socorro, 57; Lagarto, 55; São Cristóvão, 52; Tobias Barreto, 41; Estância, 37; Nossa Senhora da Glória, 25; Barra dos Coqueiros, 23; Simão Dias, 20.
Do total de empresas baixadas nos seis primeiros meses deste ano na Junta Comercial, 1.152 foram microempresas; 86 foram empresas de pequeno porte; e 256 foram empresas sem porte. "Apesar da instabilidade financeira e do aumento de 7% no número de fechamentos, vale ressaltar que sempre se abrem mais empresas do que se fecham. Ao compararmos as constituições com as baixas, tivemos um saldo positivo de 795 empresas abertas", diz o presidente da Jucese.
Após iniciar em abril o processo de cancelamento de empresas que há mais de dez anos não realizaram nenhum tipo de movimentação na Jucese, o órgão empresarial cancelou o registro de 14.022 mil empresas, seguindo determinação do Artigo 60 da Lei Federal 8.934/94.
"Aquelas empresas que não procuraram a Junta Comercial até o dia 31 de maio para comunicar seu funcionamento, a suspensão das atividades ou para arquivar quaisquer tipos de alterações tiveram seu registro empresarial cancelado", explica o secretário-geral da Jucese, Alex Souza.
Ele explica ainda que a relação completa com as empresas canceladas já foi repassada às autoridades arrecadadoras. "Já comunicamos à Receita Federal, Sefaz, INSS e Caixa Econômica para realizar os procedimentos complementares. E estamos agora comunicando também as Prefeituras Municipais", informa.
Com o cancelamento das 14.022 mil empresas, atualmente, Sergipe possui 57.500 mil empresas ativas, de acordo com o banco de dados da Junta Comercial.
Quando se leva em consideração também os Microempreendedores Individuais (MEIs) - registrados diretamente no Portal do Empreendedor, da Receita Federal do Brasil - o número de empresas ativas no Estado salta para 123.299 mil.

Sergipe registrou um au- mento de 10% no nú- mero de abertura de empresas no primeiro semestre de 2019, em comparação ao mesmo período do ano passado. Dados da Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese) apontam que 2.289 registros foram abertos no estado, contra 2.086 em 2018.
Entre os municípios, Aracaju abriu 1.309 empresas neste período, seguido de Itabaiana com 110; Lagarto, 98; Nossa Senhora do Socorro, 84; São Cristóvão, 62; Estância, 49; Tobias Barreto, 49; Nossa Senhora da Glória, 38; Simão Dias, 33; Propriá, 31.
Do total de empresas constituídas neste primeiro semestre, 1.876 foram microempresas (ME), com renda bruta anual inferior ou igual a R$ 360 mil; 212 foram empresas de pequeno porte (EPP), com renda bruta anual superior a R$ 360 mil e inferior a R$ 4,8 milhões; e 201 foram empresas consideradas sem porte, por escolha do empresário ou por terem ultrapassado o limite de arrecadação de EPP.
"Como órgão responsável pelo registro empresarial em Sergipe e pela coordenação da Redesim, projeto que vem desburocratizando o processo de abertura de novos negócios, ficamos felizes em contribuir com o crescimento econômico do estado", afirma o presidente da Jucese, Marco Freitas.
Com relação às baixas, a Jucese também registrou um aumento de 7% (1.494 empresas), nos seis primeiros meses de 2019, se comparados ao mesmo período de 2018. Em Aracaju, 802 foram extintas, seguida de Itabaiana, 78; Nossa Senhora do Socorro, 57; Lagarto, 55; São Cristóvão, 52; Tobias Barreto, 41; Estância, 37; Nossa Senhora da Glória, 25; Barra dos Coqueiros, 23; Simão Dias, 20.
Do total de empresas baixadas nos seis primeiros meses deste ano na Junta Comercial, 1.152 foram microempresas; 86 foram empresas de pequeno porte; e 256 foram empresas sem porte. "Apesar da instabilidade financeira e do aumento de 7% no número de fechamentos, vale ressaltar que sempre se abrem mais empresas do que se fecham. Ao compararmos as constituições com as baixas, tivemos um saldo positivo de 795 empresas abertas", diz o presidente da Jucese.
Após iniciar em abril o processo de cancelamento de empresas que há mais de dez anos não realizaram nenhum tipo de movimentação na Jucese, o órgão empresarial cancelou o registro de 14.022 mil empresas, seguindo determinação do Artigo 60 da Lei Federal 8.934/94.
"Aquelas empresas que não procuraram a Junta Comercial até o dia 31 de maio para comunicar seu funcionamento, a suspensão das atividades ou para arquivar quaisquer tipos de alterações tiveram seu registro empresarial cancelado", explica o secretário-geral da Jucese, Alex Souza.
Ele explica ainda que a relação completa com as empresas canceladas já foi repassada às autoridades arrecadadoras. "Já comunicamos à Receita Federal, Sefaz, INSS e Caixa Econômica para realizar os procedimentos complementares. E estamos agora comunicando também as Prefeituras Municipais", informa.
Com o cancelamento das 14.022 mil empresas, atualmente, Sergipe possui 57.500 mil empresas ativas, de acordo com o banco de dados da Junta Comercial.
Quando se leva em consideração também os Microempreendedores Individuais (MEIs) - registrados diretamente no Portal do Empreendedor, da Receita Federal do Brasil - o número de empresas ativas no Estado salta para 123.299 mil.