Minha avó e seu rosário de contas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/08/2019 às 14:46:00

 

*Rangel Alves da Costa
Recordações de um tempo de menino, mas também a compreensão do que sou agora através do passado. O tempo passou e muito se transformou. Os outonos chegaram e levaram consigo aqueles viços primaveris. Da nostalgia e da saudade, a certeza de que a chama continua acesa para iluminar aqueles que fizeram parte do meu mundo e que um dia partiram deixando molhados os lenços do adeus.
Lembro-me das mãos pequenas e delgadas de minha avó, dos dedos magros e longos de minha avó, de seus passeios sobre minha cabeça em cafuné, de sua pele já envelhecida tateando sobre o menino traquina. E das histórias de reis e rainhas, de castelos encantados e seres desconhecidos, contadas enquanto minha cabeça se debruçava sobre o seu colo. E depois o adormecimento em sonhos bons.
Lembro-me do bolo de milho e de ovos, do pão de forno, do café quentinho. Lembro-me dos repetidos pedidos de cuidados. Não há como esquecer. Na cristaleira reluzindo louças e xícaras antigas e adornadas com ramos dourados. Ali, por dentro das vidraças e debaixo de um açucareiro enfeitado, ela guardava os vinténs separados para a compra dos doces e das bolas de gude dos netos. Chamava, colocava o dinheiro na mão e sempre dizia para não gastar.
Lembro-me daquelas mãos magras e finas, ainda que entrecortadas de tempo, buscando os segredos e os mistérios de uma fé incontida. Minha avó era devota do céu inteiro. Era um beatismo ao modo interiorano, onde o sagrado servia como portal a tudo. Não faltava a uma missa nem deixava de levar seu xale e seus livros de orações, seus rosários e terços, seu coração encantado pela sagrada existência. De sua voz murmurante, os diálogos com anjos e santos, os rogos escritos na alma.
Tais lembranças me levam a novamente avistar o rosário de contas de minha avó. A saudade me faz novamente avistar aqueles dedos finos passando conta a conta no rosário, sempre acompanhados de silenciosas orações. O rosário de minha avó era tudo. E que belo e sacro objeto era aquele. Talvez em cada conta um anjo, um santo, um paraíso, um salmo e um evangelho, uma luz, uma salvação, um rogo, uma prece. E em tudo a face presente de Deus.
Rosário de cinquenta contas, estas separadas em cinco dezenas, com contas maiores e menores, de forma que indicassem as diversas orações. Não sabia minha avó que antigamente o mesmo rosário de fé e de orações a Virgem Maria era feito de corda ou cordão grosso e que cada conta era formada por um nó, também maior ou menor. Cada nó simbolizava uma oração e no cordame inteiro a fé de um povo. No rosário de minha avó, com contas parecendo cristal, um lindo crucifixo pendia sobre os dedos. E então a imagem de Cristo ficava levemente balançando ante o meu olhar.
Também não sabia minha avó que antigamente o rosário era percorrido em quinze orações, acompanhadas de igual número de mistérios e Ave Marias. E que mais tarde ladainhas foram incorporadas ao rosário, e estas como forma de obtenção de misericórdias. Mas minha avó não precisava conhecer o histórico rosariano, vez que ela, além de conhecer todos os passos das orações, mistérios e ladainhas, também sabia transformar suas contas em diálogos tão sagrados e pessoais que nenhuma prece podia ter maior profundidade: "Invoco-te, oh meu Senhor e Pai, minha Virgem Maria, pelos meus...".
Somente agora eu sei da força, da devoção e da importância daquele rosário nas mãos de minha avó. Somente o tempo passado para que eu compreenda que ali, muito mais que um instrumento de fé, também servia como mensageiro diretamente ao divino. Quando pedia pelos seus, então logo invocava a proteção contra os males do mundo, a guarda contra as tentações, a proteção face aos inesperados e aos desacertos dos passos na estrada. Talvez pedisse menos para ela do que para os seus. E por isso mesmo que hoje recordo as contas do rosário de minha avó como o escudo protetor de todos os meus passos pelos caminhos da vida.
Nas contas do rosário de minha avó estava o rogo para aquele instante e para o futuro inteiro. Ao invés de escolher uma oração e logo após invocar proteções, ela ia abrindo seu leque de pedidos a cada conta tateada pelos seus dedos. E, conta a conta, fazendo com que a divindade maior nunca afastasse sua mão protetora de seus filhos, netos, esposo, amigos e de todos aqueles que necessitassem do olhar bondoso dos céus. Nunca ouvi uma só palavra naquelas orações. Murmúrios quase silenciosos, boca em compassados gestos, mãos unidas enquanto as contas iam sendo percorridas pelos dedos. 
E na ponta do rosário, como soprada por leve brisa, a cruz do crucifixo com aquela imagem que sorria pra mim. Um sorriso que talvez dissesse: És, filho, inteiramente filho das contas do rosário de sua avó!
*Rangel Alves da Costa, Advogado e escritor
Membro da Academia de Letras de Aracaju
blograngel-sertao.blogspot.com

*Rangel Alves da Costa

Recordações de um tempo de menino, mas também a compreensão do que sou agora através do passado. O tempo passou e muito se transformou. Os outonos chegaram e levaram consigo aqueles viços primaveris. Da nostalgia e da saudade, a certeza de que a chama continua acesa para iluminar aqueles que fizeram parte do meu mundo e que um dia partiram deixando molhados os lenços do adeus.
Lembro-me das mãos pequenas e delgadas de minha avó, dos dedos magros e longos de minha avó, de seus passeios sobre minha cabeça em cafuné, de sua pele já envelhecida tateando sobre o menino traquina. E das histórias de reis e rainhas, de castelos encantados e seres desconhecidos, contadas enquanto minha cabeça se debruçava sobre o seu colo. E depois o adormecimento em sonhos bons.
Lembro-me do bolo de milho e de ovos, do pão de forno, do café quentinho. Lembro-me dos repetidos pedidos de cuidados. Não há como esquecer. Na cristaleira reluzindo louças e xícaras antigas e adornadas com ramos dourados. Ali, por dentro das vidraças e debaixo de um açucareiro enfeitado, ela guardava os vinténs separados para a compra dos doces e das bolas de gude dos netos. Chamava, colocava o dinheiro na mão e sempre dizia para não gastar.
Lembro-me daquelas mãos magras e finas, ainda que entrecortadas de tempo, buscando os segredos e os mistérios de uma fé incontida. Minha avó era devota do céu inteiro. Era um beatismo ao modo interiorano, onde o sagrado servia como portal a tudo. Não faltava a uma missa nem deixava de levar seu xale e seus livros de orações, seus rosários e terços, seu coração encantado pela sagrada existência. De sua voz murmurante, os diálogos com anjos e santos, os rogos escritos na alma.
Tais lembranças me levam a novamente avistar o rosário de contas de minha avó. A saudade me faz novamente avistar aqueles dedos finos passando conta a conta no rosário, sempre acompanhados de silenciosas orações. O rosário de minha avó era tudo. E que belo e sacro objeto era aquele. Talvez em cada conta um anjo, um santo, um paraíso, um salmo e um evangelho, uma luz, uma salvação, um rogo, uma prece. E em tudo a face presente de Deus.
Rosário de cinquenta contas, estas separadas em cinco dezenas, com contas maiores e menores, de forma que indicassem as diversas orações. Não sabia minha avó que antigamente o mesmo rosário de fé e de orações a Virgem Maria era feito de corda ou cordão grosso e que cada conta era formada por um nó, também maior ou menor. Cada nó simbolizava uma oração e no cordame inteiro a fé de um povo. No rosário de minha avó, com contas parecendo cristal, um lindo crucifixo pendia sobre os dedos. E então a imagem de Cristo ficava levemente balançando ante o meu olhar.
Também não sabia minha avó que antigamente o rosário era percorrido em quinze orações, acompanhadas de igual número de mistérios e Ave Marias. E que mais tarde ladainhas foram incorporadas ao rosário, e estas como forma de obtenção de misericórdias. Mas minha avó não precisava conhecer o histórico rosariano, vez que ela, além de conhecer todos os passos das orações, mistérios e ladainhas, também sabia transformar suas contas em diálogos tão sagrados e pessoais que nenhuma prece podia ter maior profundidade: "Invoco-te, oh meu Senhor e Pai, minha Virgem Maria, pelos meus...".
Somente agora eu sei da força, da devoção e da importância daquele rosário nas mãos de minha avó. Somente o tempo passado para que eu compreenda que ali, muito mais que um instrumento de fé, também servia como mensageiro diretamente ao divino. Quando pedia pelos seus, então logo invocava a proteção contra os males do mundo, a guarda contra as tentações, a proteção face aos inesperados e aos desacertos dos passos na estrada. Talvez pedisse menos para ela do que para os seus. E por isso mesmo que hoje recordo as contas do rosário de minha avó como o escudo protetor de todos os meus passos pelos caminhos da vida.
Nas contas do rosário de minha avó estava o rogo para aquele instante e para o futuro inteiro. Ao invés de escolher uma oração e logo após invocar proteções, ela ia abrindo seu leque de pedidos a cada conta tateada pelos seus dedos. E, conta a conta, fazendo com que a divindade maior nunca afastasse sua mão protetora de seus filhos, netos, esposo, amigos e de todos aqueles que necessitassem do olhar bondoso dos céus. Nunca ouvi uma só palavra naquelas orações. Murmúrios quase silenciosos, boca em compassados gestos, mãos unidas enquanto as contas iam sendo percorridas pelos dedos. 
E na ponta do rosário, como soprada por leve brisa, a cruz do crucifixo com aquela imagem que sorria pra mim. Um sorriso que talvez dissesse: És, filho, inteiramente filho das contas do rosário de sua avó!

*Rangel Alves da Costa, Advogado e escritorMembro da Academia de Letras de Aracajublograngel-sertao.blogspot.com