Mais de 100 milhões de brasileiros devem ir às compras pelo Dia dos Pais

Geral


  • As lojas já estão com promoções referentes ao Dia dos Pais

 

A lenta recuperação 
do atual cenário 
econômico no país não parece ter desanimado os filhos brasileiros. Muito pelo contrário: de acordo com levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) nas 27 capitais brasileiras, 67% dos consumidores pretendem ir às compras por conta do Dia dos Pais.
A taxa representa um aumento de seis pontos percentuais em relação a 2018. Na prática, isso significa que aproximadamente 105 milhões de pessoas devem comprar presentes para entregar a seus entes queridos no segundo domingo de agosto.
Os dados do SPC Brasil animam os lojistas sergipanos que apostam na ida dados clientes às compras até domingo, 11 de agosto, quando se comemora a data paterna. Para a FCDL/Sergipe, a movimentação no comércio sergipano pode aquecer essa primeira quinzena.
CDL/Aracaju - O fato de já terem perdido o pai foi o motivo apontado por metade (50%) dos 23% que não têm intenção de usar a data como justificativa para presentear. Já 16% não têm contato com o pai e outros 10% não pretendem comprar presentes por falta de dinheiro.
"A sensação de que os presentes estão mais caros tem relação com as dificuldades que o consumidor tem enfrentado para manter seu orçamento em dia. Com a economia em marcha lenta, o desemprego se mantém elevado e o poder de compra segue em baixa, o que exige das famílias um malabarismo para conseguir cumprir com todos os compromissos financeiros" - explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.
Para a CDL Aracaju e de acordo com as pesquisas, oito em cada dez consumidores (78%) pretendem pesquisar e comparar os preços antes de finalizar as compras. Desses, 71% costumam realizar as pesquisas na internet, sendo que a maioria (72%) utiliza sites de busca, 56% sites de comparação de preço, 45% sites de varejistas e 28% em sites ou aplicativos de ofertas. Lojas de shopping (55%) e lojas de rua (47%) também foram citados pelos consumidores como locais de pesquisa de preços.
"Acho que o brasileiro é inteligente e promove ações como a compra de presente coletivo, juntando os irmãos, dividi os 'mimos', e acabam consumindo, embora a figura paterna seja menos apelativa do que, por exemplo, a Mãe. De qualquer sorte, estamos confiantes", diz Brenno Barreto, presidente da CDL/Aracaju.
Itens mais procurados - Assim como no ano passado, as roupas correspondem à maior parte das intenções de compra para a data (52%), seguidas de perfumes e cosméticos (36%), calçados (30%) e acessórios (26%), como meias, cinto, óculos, carteira e relógio.
Os principais fatores que influenciam os consumidores na escolha do local de compra são o preço (52%), a qualidade dos produtos (40%), os descontos e promoções (40%) e a diversidade de produtos (29%). Quatro em cada dez (38%) consumidores pretendem realizar suas compras nos shoppings. Enquanto isso, 27% planejam adquirir os produtos na internet, 19% em shoppings populares e 17% em lojas de bairro.

A lenta recuperação  do atual cenário  econômico no país não parece ter desanimado os filhos brasileiros. Muito pelo contrário: de acordo com levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) nas 27 capitais brasileiras, 67% dos consumidores pretendem ir às compras por conta do Dia dos Pais.
A taxa representa um aumento de seis pontos percentuais em relação a 2018. Na prática, isso significa que aproximadamente 105 milhões de pessoas devem comprar presentes para entregar a seus entes queridos no segundo domingo de agosto.
Os dados do SPC Brasil animam os lojistas sergipanos que apostam na ida dados clientes às compras até domingo, 11 de agosto, quando se comemora a data paterna. Para a FCDL/Sergipe, a movimentação no comércio sergipano pode aquecer essa primeira quinzena.

CDL/Aracaju - O fato de já terem perdido o pai foi o motivo apontado por metade (50%) dos 23% que não têm intenção de usar a data como justificativa para presentear. Já 16% não têm contato com o pai e outros 10% não pretendem comprar presentes por falta de dinheiro.
"A sensação de que os presentes estão mais caros tem relação com as dificuldades que o consumidor tem enfrentado para manter seu orçamento em dia. Com a economia em marcha lenta, o desemprego se mantém elevado e o poder de compra segue em baixa, o que exige das famílias um malabarismo para conseguir cumprir com todos os compromissos financeiros" - explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.
Para a CDL Aracaju e de acordo com as pesquisas, oito em cada dez consumidores (78%) pretendem pesquisar e comparar os preços antes de finalizar as compras. Desses, 71% costumam realizar as pesquisas na internet, sendo que a maioria (72%) utiliza sites de busca, 56% sites de comparação de preço, 45% sites de varejistas e 28% em sites ou aplicativos de ofertas. Lojas de shopping (55%) e lojas de rua (47%) também foram citados pelos consumidores como locais de pesquisa de preços.
"Acho que o brasileiro é inteligente e promove ações como a compra de presente coletivo, juntando os irmãos, dividi os 'mimos', e acabam consumindo, embora a figura paterna seja menos apelativa do que, por exemplo, a Mãe. De qualquer sorte, estamos confiantes", diz Brenno Barreto, presidente da CDL/Aracaju.

Itens mais procurados - Assim como no ano passado, as roupas correspondem à maior parte das intenções de compra para a data (52%), seguidas de perfumes e cosméticos (36%), calçados (30%) e acessórios (26%), como meias, cinto, óculos, carteira e relógio.
Os principais fatores que influenciam os consumidores na escolha do local de compra são o preço (52%), a qualidade dos produtos (40%), os descontos e promoções (40%) e a diversidade de produtos (29%). Quatro em cada dez (38%) consumidores pretendem realizar suas compras nos shoppings. Enquanto isso, 27% planejam adquirir os produtos na internet, 19% em shoppings populares e 17% em lojas de bairro.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS