Advogado preso por estuprar garoto está no Presmil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/08/2019 às 23:16:00

 

Gabriel Damásio
Um caso de abuso sexual 
registrado neste final de 
semana causou escândalo e revolta na população sergipana. O advogado André de Jesus Santana, que prestava serviços à Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), está preso desde a tarde deste sábado no Presídio Militar (Presmil), no Getúlio Vargas (zona central de Aracaju). Ele foi flagrado dentro de uma cabine do banheiro do supermercado Mercantil Rodrigues, no bairro Jabotiana (zona oeste), enquanto abusava sexualmente de um menino de 12 anos. A Polícia Civil confirmou que André foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável e teve a prisão preventiva decretada durante a audiência de custódia, ocorrida domingo de manhã no Fórum Gumercindo Bessa, no Capucho. 
O caso aconteceu por volta das 15h, quando o garoto acompanhava a mãe e a avó, que faziam compras. Em certo momento, ele pediu para ir ao banheiro sozinho e a avó permitiu. Testemunhas relataram que, assim que chegou ao sanitário, situado no lado de fora do supermercado, o advogado teria abordado o menino e forçado ele a passar por debaixo da cabine. Em seguida, ele tapou a boca da vítima e tentou consumar o ato sexual. A movimentação dos dois na cabine chamou a atenção de um zelador do supermercado, que chamou o chefe da segurança da empresa. 
Os dois entraram no banheiro e, após arrombarem a porta, flagraram André com o garoto na cabine. O advogado não esboçou qualquer reação, enquanto o menino chorava bastante. "Tudo foi muito rápido e não chegou a haver algum ato libidinoso que deixasse vestígios, nem penetração. Foi uma coisa muito rápida graças à intervenção dos funcionários do estabelecimento", disse a delegada Mariana Diniz, do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV). A segurança do supermercado foi chamada imediatamente e em seguida, eles acionaram a Polícia Militar e chamaram a mãe e a avó do menino pelo sistema de som. 
Elas encontraram o garoto no estacionamento, muito nervoso, sem conseguir falar direito e amparado pelos seguranças, enquanto André estava dominado. "Cheguei e vi o desgraçado e ele disse que estão armando para ele. Eu nem conheço esse cara. Nem sei que espécie de bicho que ele é", desabafou a mãe, em entrevista à Rádio Jornal. A dona-de-casa, que é de Canindé do São Francisco, contou ainda que está com a família há poucos meses na capital e que o menino, além de fazer tratamento contra uma doença cardíaca, ainda tenda superar a morte do pai, ocorrida há dois meses. "Ele [o filho] esteve na fila aguardando para fazer a cirurgia, inclusive esses dias ele passou mal na escola. Ele [André] quase matou meu filho dentro do banheiro. Ele me contou que no momento, ele pedia para o pai proteger ele", contou ela, revoltada.
Os soldados da PM levaram os envolvidos até o plantão do DAGV, onde a vítima, os familiares e as testemunhas prestaram depoimento à delegada plantonista Renata Aboim. "O fato chegou ao conhecimento do plantão do DAGV na tarde do sábado, onde a delegada colheu e analisou todas as informações e os depoimentos. Ela teve a plena convicção de que realmente o fato criminoso foi consumado. O autor se reservou ao direito constitucional de permanecer em silêncio", relatou Mariana, ao confirmar que o advogado se apresentou acompanhado de um colega e de um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 
Ainda de acordo com a delegada, um inquérito policial foi instaurado pela delegada Annecley Figueiredo, da Delegacia de Atendimento à Criança e ao Adolescente Vítima (Deacav), a partir dos autos da prisão em flagrante de André. "Nós faremos os encaminhamentos necessários para toda rede de proteção, e temos o prazo de dez dias para finalizar o inquérito e fazer o encaminhamento ao judiciário", acrescenta ela. A prisão preventiva do advogado foi decretada pelo juiz plantonista Bruno Laskowski Staczuk, que se baseou nos fatos apresentados e no princípio da "garantia da ordem pública". Ele ainda determinou que o preso fosse mandado para o Presmil, pelo fato de advogados terem direito à cela especial.
A seccional Sergipe da OAB informou que acompanha o caso e acionou tanto a Comissão de Prerrogativas para o Advogado, para acompanhar a prisão de André, quanto a de Infância e Adolescência, para assistir à família do garoto. "A Ordem acompanhará a apuração dos fatos, reservando-se, porém, nesse primeiro momento, de emitir qualquer juízo de valor sobre o ocorrido, ao tempo em que aguardará o desenrolar das investigações", diz a assessoria da entidade. 
O assunto repercutiu até na Assembleia Legislativa, onde o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) chamou André de "advogado bandido" e exigiu que a Deso o demita de sua Procuradoria Jurídica, onde ele está contratado desde 2018. A estatal informou que não irá comentar o assunto, por se tratar de algo que "aconteceu fora do horário e do ambiente de serviço" do acusado. 

Gabriel Damásio

Um caso de abuso sexual  registrado neste final de  semana causou escândalo e revolta na população sergipana. O advogado André de Jesus Santana, que prestava serviços à Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), está preso desde a tarde deste sábado no Presídio Militar (Presmil), no Getúlio Vargas (zona central de Aracaju). Ele foi flagrado dentro de uma cabine do banheiro do supermercado Mercantil Rodrigues, no bairro Jabotiana (zona oeste), enquanto abusava sexualmente de um menino de 12 anos. A Polícia Civil confirmou que André foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável e teve a prisão preventiva decretada durante a audiência de custódia, ocorrida domingo de manhã no Fórum Gumercindo Bessa, no Capucho. 
O caso aconteceu por volta das 15h, quando o garoto acompanhava a mãe e a avó, que faziam compras. Em certo momento, ele pediu para ir ao banheiro sozinho e a avó permitiu. Testemunhas relataram que, assim que chegou ao sanitário, situado no lado de fora do supermercado, o advogado teria abordado o menino e forçado ele a passar por debaixo da cabine. Em seguida, ele tapou a boca da vítima e tentou consumar o ato sexual. A movimentação dos dois na cabine chamou a atenção de um zelador do supermercado, que chamou o chefe da segurança da empresa. 
Os dois entraram no banheiro e, após arrombarem a porta, flagraram André com o garoto na cabine. O advogado não esboçou qualquer reação, enquanto o menino chorava bastante. "Tudo foi muito rápido e não chegou a haver algum ato libidinoso que deixasse vestígios, nem penetração. Foi uma coisa muito rápida graças à intervenção dos funcionários do estabelecimento", disse a delegada Mariana Diniz, do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV). A segurança do supermercado foi chamada imediatamente e em seguida, eles acionaram a Polícia Militar e chamaram a mãe e a avó do menino pelo sistema de som. 
Elas encontraram o garoto no estacionamento, muito nervoso, sem conseguir falar direito e amparado pelos seguranças, enquanto André estava dominado. "Cheguei e vi o desgraçado e ele disse que estão armando para ele. Eu nem conheço esse cara. Nem sei que espécie de bicho que ele é", desabafou a mãe, em entrevista à Rádio Jornal. A dona-de-casa, que é de Canindé do São Francisco, contou ainda que está com a família há poucos meses na capital e que o menino, além de fazer tratamento contra uma doença cardíaca, ainda tenda superar a morte do pai, ocorrida há dois meses. "Ele [o filho] esteve na fila aguardando para fazer a cirurgia, inclusive esses dias ele passou mal na escola. Ele [André] quase matou meu filho dentro do banheiro. Ele me contou que no momento, ele pedia para o pai proteger ele", contou ela, revoltada.
Os soldados da PM levaram os envolvidos até o plantão do DAGV, onde a vítima, os familiares e as testemunhas prestaram depoimento à delegada plantonista Renata Aboim. "O fato chegou ao conhecimento do plantão do DAGV na tarde do sábado, onde a delegada colheu e analisou todas as informações e os depoimentos. Ela teve a plena convicção de que realmente o fato criminoso foi consumado. O autor se reservou ao direito constitucional de permanecer em silêncio", relatou Mariana, ao confirmar que o advogado se apresentou acompanhado de um colega e de um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 
Ainda de acordo com a delegada, um inquérito policial foi instaurado pela delegada Annecley Figueiredo, da Delegacia de Atendimento à Criança e ao Adolescente Vítima (Deacav), a partir dos autos da prisão em flagrante de André. "Nós faremos os encaminhamentos necessários para toda rede de proteção, e temos o prazo de dez dias para finalizar o inquérito e fazer o encaminhamento ao judiciário", acrescenta ela. A prisão preventiva do advogado foi decretada pelo juiz plantonista Bruno Laskowski Staczuk, que se baseou nos fatos apresentados e no princípio da "garantia da ordem pública". Ele ainda determinou que o preso fosse mandado para o Presmil, pelo fato de advogados terem direito à cela especial.
A seccional Sergipe da OAB informou que acompanha o caso e acionou tanto a Comissão de Prerrogativas para o Advogado, para acompanhar a prisão de André, quanto a de Infância e Adolescência, para assistir à família do garoto. "A Ordem acompanhará a apuração dos fatos, reservando-se, porém, nesse primeiro momento, de emitir qualquer juízo de valor sobre o ocorrido, ao tempo em que aguardará o desenrolar das investigações", diz a assessoria da entidade. 
O assunto repercutiu até na Assembleia Legislativa, onde o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) chamou André de "advogado bandido" e exigiu que a Deso o demita de sua Procuradoria Jurídica, onde ele está contratado desde 2018. A estatal informou que não irá comentar o assunto, por se tratar de algo que "aconteceu fora do horário e do ambiente de serviço" do acusado.