Iran Barbosa analisa índices de analfabetismo no país e destaca Greve Nacional da Educação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/08/2019 às 23:28:00

 

Em discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado e professor Iran Barbosa, do PT, destacou dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (PNAD) da Educação de 2018, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativos aos índices de analfabetismo no país. Ele também deu ciência aos presentes sobre Greve Nacional pela Educação, contra a Reforma da Previdência e contra o desemprego, manifestação convocada pelas centrais sindicais, entidades estudantis e de trabalhadores da educação de todo o país para o próximo dia 13 de agosto.
Sobre o PNAD da Educação, de acordo com os números do IBGE trazidos por Iran, o Brasil reduziu o número de analfabetos em relação a 2017, mas numa taxa ínfima. O percentual, que era de 6,9%, passou para 6,8%. A taxa corresponde a 11,3 milhões de analfabetos.
"O Brasil é um país que, lastimavelmente, ainda não conseguiu, ao longo da sua história, índices educacionais que países vizinhos ao nosso, em condições econômicas inferiores, conseguiram superar no século XIX, como é o caso do analfabetismo. Nós já estamos próximos de fechar as duas décadas iniciais do século XXI e não conseguimos superar esse problema. Os números do PNAD mostram que temos o equivalente a um estado como o Rio Grande do Sul de analfabetos em todo o Brasil. São mais de 11 milhões de pessoas, com 15 anos ou mais, que não sabem ler nem escrever. Se levarmos em consideração que a escrita é uma conquista humana de mais de 6 mil anos, esses são números que devem nos preocupar", lamentou o parlamentar.

Em discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado e professor Iran Barbosa, do PT, destacou dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (PNAD) da Educação de 2018, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativos aos índices de analfabetismo no país. Ele também deu ciência aos presentes sobre Greve Nacional pela Educação, contra a Reforma da Previdência e contra o desemprego, manifestação convocada pelas centrais sindicais, entidades estudantis e de trabalhadores da educação de todo o país para o próximo dia 13 de agosto.
Sobre o PNAD da Educação, de acordo com os números do IBGE trazidos por Iran, o Brasil reduziu o número de analfabetos em relação a 2017, mas numa taxa ínfima. O percentual, que era de 6,9%, passou para 6,8%. A taxa corresponde a 11,3 milhões de analfabetos.
"O Brasil é um país que, lastimavelmente, ainda não conseguiu, ao longo da sua história, índices educacionais que países vizinhos ao nosso, em condições econômicas inferiores, conseguiram superar no século XIX, como é o caso do analfabetismo. Nós já estamos próximos de fechar as duas décadas iniciais do século XXI e não conseguimos superar esse problema. Os números do PNAD mostram que temos o equivalente a um estado como o Rio Grande do Sul de analfabetos em todo o Brasil. São mais de 11 milhões de pessoas, com 15 anos ou mais, que não sabem ler nem escrever. Se levarmos em consideração que a escrita é uma conquista humana de mais de 6 mil anos, esses são números que devem nos preocupar", lamentou o parlamentar.