Precisamos cuidar melhor dos Idosos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/08/2019 às 00:11:00

Sabemos e verificamos que a po-pulação mundial está envelhe-cendo rapidamente, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) até o ano de 2050, a proporção da população mundial com mais de 60 anos irá se multiplicar por quase dois, de 12% para 22%.
Não podemos esquecer que as pessoas com 60 anos de idade ou mais fazem contribuições valiosas para a sociedade como membros ativos da família, voluntários e participantes ativos na força de trabalho. Embora a maioria das pessoas idosas tenha uma boa saúde mental, muitas correm o risco de apresentar distúrbios mentais, doenças neurológicas ou problemas de uso de substâncias, bem como outras condições, como diabetes, perda auditiva ou osteoartrite, isto porque à medida que envelhecemos, as chances dos problemas de saúde surgirem são maiores.
Um dos principais cuidados que precisamos para os idosos é com a sua  saúde mental e o bem-estar emocional, devido a sua importância na idade avançada, isto é fundamental em todas as fases de nossas vidas, porém nesta fase, entendo ser o mais importante.

Os dados da Organização Mundial de Saúde apontam que os transtornos neuropsiquiátricos representam 6,6% do total de incapacidade nessa faixa etária e que aproximadamente 15% dos adultos com 60 anos de idade ou mais sofrem de um distúrbio mental, esta situação precisa ser encarada com mais atenção por todos. É preciso cuidar, respeitar e acolher da melhor forma possível, os adultos mais velhos, pois a medida que a idade avança, as possibilidades de sofrimento com problemas físicos e mentais são ampliadas.

Os dados da Organização Mundial de Saúde apresentam a demência e a depressão como os distúrbios neuropsiquiátricos mais comuns nessa faixa etária. Alem disso, os transtornos de ansiedade afetam 3,8% da população idosa e os problemas decorrentes do abuso de substâncias psicotrópicas, quase 1%. Da mesma forma, aproximadamente um quarto das mortes por danos auto-infligidos corresponde a pessoas com 60 anos de idade ou mais. Freqüentemente, problemas relacionados ao abuso de substâncias em idosos são negligenciados ou mal diagnosticados.

Então este é um desafio maior para os trabalhadores da área de saúde e os próprios idosos não reconhecem os problemas de saúde mental em sua verdadeira dimensão, e o estigma das doenças mentais torna as pessoas ainda mais relutantes em procurar ajuda. Assim é dever de todos ajudar os idosos, inclusive os próprios idosos que estão em melhores condições de saúde.
Sabe-se que muitos idosos são privados da capacidade de viver independente devido às dificuldades de mobilidade, dor crônica, fragilidade ou outros problemas mentais ou físicos, por isso precisam de assistência de longo prazo e muitas vezes, filhos e/ou parentes abandonam os idosos.

Existem fatores que afetam a saúde mental dos idosos, a exemplo de experiências com a dor devido à morte de um ente querido, a diminuição do nível socioeconômico como resultado da aposentadoria ou a incapacidade física para algumas atividades. Todos esses fatores podem causar isolamento, perda de independência, solidão e angústia.
É fato constatado pela Organização Mundial de Saúde que os adultos mais velhos também são vulneráveis ao abuso, seja físico, sexual, psicológico, emocional, econômico ou material; ao abandono; à falta de atenção e graves perdas de dignidade e respeito. Dados atuais indicam que um em cada 10 idosos sofre abuso. O abuso de idosos não se limita a causar danos físicos, mas também a sérios problemas psicológicos crônicos, como depressão e ansiedade.

Os problemas sociais e econômicos que surgem para os idosos em termos dos custos dos cuidados médicos, impõem por outro lado, pressões físicas, emocionais e financeiras que podem sobrecarregar as famílias, mas que precisam ser enfrentados e cuidados. Um fator importante neste quesito é o de que as que assistem aos idosos também precisam de apoio em sua saúde mental, e em seus demais aspectos sociais e econômicos.
Registre-se que conforme a OMS, os sintomas dos distúrbios em adultos mais velhos são frequentemente ignorados e não tratados porque coincidem com outros problemas experimentados por idosos, a exemplo de depressão, doenças pulmonares, pressão alta ou diabetes sacarina. Estes distúrbios aumentam a percepção de problemas de saúde, o uso de serviços médicos e os custos dos cuidados de saúde.
É importante que os prestadores de cuidados de saúde e a sociedade em geral prestem atenção às necessidades especiais dos grupos da população idosa, precisamos cuidar mais dos idosos.