Pai e filho procurados por pistolagem morrem em confronto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Matheus e Givaldo, pai e filho foram mortos em operação
Matheus e Givaldo, pai e filho foram mortos em operação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/08/2019 às 23:04:00

 

Gabriel Damásio
As polícias Civil e Mili-
tar em Itabaiana 
(Agreste) realizaram ontem operação de busca para cumprir mandados de prisão relacionado a homicídios cometidos na cidade serrana. Durante as buscas, houve um tiroteio que terminou com a morte de dois suspeitos: Matheus Nunes de Jesus, o "Carrapato", e o pai dele, Givaldo Cunha de Jesus, o "Cabeludo". Os dois foram localizados no conjunto Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju) e reagiram ao cerco das equipes policiais, resultando em um confronto. 
"Carrapato" e "Cabeludo" morreram a caminho do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), para onde foram levados. Com eles, os policiais encontraram duas armas de fogo. De acordo com o delegado regional de Itabaiana, Tarcísio Tenório, pai e filho já vinham sendo investigados por integrarem um grupo de pistoleiros que agia na região, executando crimes de mando, e são acusados de envolvimento com um duplo homicídio ocorrido em julho de 2017, dentro do Hospital Regional Pedro Garcia Moreno, onde um paciente e seu acompanhante foram executados a tiros. Outro crime atribuído aos dois foi a morte de Jean Junio Santos de Jesus, 23 anos, morto a tiros no dia 21 de julho, em Itabaiana.
Ainda de acordo com a polícia, as equipes já tinham chegado a Jonathas dos Santos, 19, conhecido como "Gago" ou "Déda", e a Jorge Fernando Silva Costa, o "Nandinho". O primeiro, ao ser encontrado, tentou fugir e disparou contra os policiais, sendo atingido. O segundo também entrou em confronto com as equipes e morreu logo em seguida. Ambos também eram investigados pela prática de homicídios.
A Delegacia Regional de Itabaiana continua investigado as mortes atribuídas ao grupo e o possível envolvimento de outros suspeitos. A ação policial contou com a participação de equipes da Divisão de Inteligência Policial (Dipol), do Complexo de Operações Especiais (Cope), do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM) e do Serviço Reservado da Polícia Militar (PM-2).
Tiros de 12 - A polícia confirmou ontem outros detalhes sobre a operação conjunta do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) e do Batalhão de Radiopatrulha (BPRp), que desarticulou uma quadrilha suspeita por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas na Grande Aracaju. As buscas aconteceram na tarde desta segunda-feira e terminou com dois suspeitos mortos em um tiroteio no povoado Alto de Itabaiana, em São Cristóvão: Daniel dos Santos e Jamisson de Jesus Nascimento, o "Baga". Antes do confronto, outros dois homens foram presos no Centro de Aracaju: Alisson Claytison, o "Playboy", e Rodrigo Santos, o "Palhaço", foragido do presídio de São Cristóvão. 
O tenente-coronel George Melo, comandante da Radiopatrulha, confirma que o grupo já era investigado por vários crimes e que explica que as buscas pelos acusados começaram a partir de uma denúncia anônima sobre a venda de um carro suspeito. Após as prisões de Alysson e Rodrigo, eles deram informações sobre a localização de mais dois integrantes da quadrilha, "Baga", e Daniel, que estavam em um sítio. Na aproximação do local, as equipes policiais foram recebidas a tiros de escopeta calibre 12 e revólver calibre 38. Os suspeitos foram alvejados e socorridos até o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiram. 
Entre os crimes atribuídos ao grupo, está a morte do professor de capoeira José Walter Santos Filho, assassinado em julho de 2017, dentro do Mercado Antônio Franco. Alisson Claytison é apontado como um dos que participaram do crime. "Fizemos várias incursões na região do Tijuquinha a fim de prendê-lo, mas não tivemos êxito. Todos os outros suspeitos responsáveis pelo crime de 2017, já haviam sido presos e só restava o Alisson. Na excelente operação de ontem, a BPRp e o Cope conseguiram prendê-lo", explicou a delegada do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Thereza Simony. 
Assim, com a prisão do suspeito Alysson, o inquérito do homicídio do capoeirista, que ocorreu em 2017, foi concluído. Porém, as investigações continuam para verificação de mais suspeitos envolvidos com as ações do atual grupo criminoso. Outros homicídios já tiveram a autoria confirmada e estão relacionados ao tráfico de drogas. Os integrantes da quadrilha eram reincidentes criminais e são apontados por diversos crimes. "Esse grupo dominava e disputava o tráfico de drogas na região do Tijuquinha. Nós recebemos várias denúncias, principalmente do "Baga", pois ele liderava toda a ação criminosa", explicou o tenente-coronel George Melo. A polícia também não descarta o envolvimento de outros suspeitos envolvidos com as ações do grupo criminoso.

Gabriel Damásio

As polícias Civil e Mili- tar em Itabaiana  (Agreste) realizaram ontem operação de busca para cumprir mandados de prisão relacionado a homicídios cometidos na cidade serrana. Durante as buscas, houve um tiroteio que terminou com a morte de dois suspeitos: Matheus Nunes de Jesus, o "Carrapato", e o pai dele, Givaldo Cunha de Jesus, o "Cabeludo". Os dois foram localizados no conjunto Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju) e reagiram ao cerco das equipes policiais, resultando em um confronto. 
"Carrapato" e "Cabeludo" morreram a caminho do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), para onde foram levados. Com eles, os policiais encontraram duas armas de fogo. De acordo com o delegado regional de Itabaiana, Tarcísio Tenório, pai e filho já vinham sendo investigados por integrarem um grupo de pistoleiros que agia na região, executando crimes de mando, e são acusados de envolvimento com um duplo homicídio ocorrido em julho de 2017, dentro do Hospital Regional Pedro Garcia Moreno, onde um paciente e seu acompanhante foram executados a tiros. Outro crime atribuído aos dois foi a morte de Jean Junio Santos de Jesus, 23 anos, morto a tiros no dia 21 de julho, em Itabaiana.
Ainda de acordo com a polícia, as equipes já tinham chegado a Jonathas dos Santos, 19, conhecido como "Gago" ou "Déda", e a Jorge Fernando Silva Costa, o "Nandinho". O primeiro, ao ser encontrado, tentou fugir e disparou contra os policiais, sendo atingido. O segundo também entrou em confronto com as equipes e morreu logo em seguida. Ambos também eram investigados pela prática de homicídios.
A Delegacia Regional de Itabaiana continua investigado as mortes atribuídas ao grupo e o possível envolvimento de outros suspeitos. A ação policial contou com a participação de equipes da Divisão de Inteligência Policial (Dipol), do Complexo de Operações Especiais (Cope), do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM) e do Serviço Reservado da Polícia Militar (PM-2).

Tiros de 12 - A polícia confirmou ontem outros detalhes sobre a operação conjunta do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) e do Batalhão de Radiopatrulha (BPRp), que desarticulou uma quadrilha suspeita por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas na Grande Aracaju. As buscas aconteceram na tarde desta segunda-feira e terminou com dois suspeitos mortos em um tiroteio no povoado Alto de Itabaiana, em São Cristóvão: Daniel dos Santos e Jamisson de Jesus Nascimento, o "Baga". Antes do confronto, outros dois homens foram presos no Centro de Aracaju: Alisson Claytison, o "Playboy", e Rodrigo Santos, o "Palhaço", foragido do presídio de São Cristóvão. 
O tenente-coronel George Melo, comandante da Radiopatrulha, confirma que o grupo já era investigado por vários crimes e que explica que as buscas pelos acusados começaram a partir de uma denúncia anônima sobre a venda de um carro suspeito. Após as prisões de Alysson e Rodrigo, eles deram informações sobre a localização de mais dois integrantes da quadrilha, "Baga", e Daniel, que estavam em um sítio. Na aproximação do local, as equipes policiais foram recebidas a tiros de escopeta calibre 12 e revólver calibre 38. Os suspeitos foram alvejados e socorridos até o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiram. 
Entre os crimes atribuídos ao grupo, está a morte do professor de capoeira José Walter Santos Filho, assassinado em julho de 2017, dentro do Mercado Antônio Franco. Alisson Claytison é apontado como um dos que participaram do crime. "Fizemos várias incursões na região do Tijuquinha a fim de prendê-lo, mas não tivemos êxito. Todos os outros suspeitos responsáveis pelo crime de 2017, já haviam sido presos e só restava o Alisson. Na excelente operação de ontem, a BPRp e o Cope conseguiram prendê-lo", explicou a delegada do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Thereza Simony. 
Assim, com a prisão do suspeito Alysson, o inquérito do homicídio do capoeirista, que ocorreu em 2017, foi concluído. Porém, as investigações continuam para verificação de mais suspeitos envolvidos com as ações do atual grupo criminoso. Outros homicídios já tiveram a autoria confirmada e estão relacionados ao tráfico de drogas. Os integrantes da quadrilha eram reincidentes criminais e são apontados por diversos crimes. "Esse grupo dominava e disputava o tráfico de drogas na região do Tijuquinha. Nós recebemos várias denúncias, principalmente do "Baga", pois ele liderava toda a ação criminosa", explicou o tenente-coronel George Melo. A polícia também não descarta o envolvimento de outros suspeitos envolvidos com as ações do grupo criminoso.