Uma dupla coroada pelo aplauso

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Fé no amor e na vida
Fé no amor e na vida

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/08/2019 às 22:28:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Hoje, amanhã e de
pois, o Duo Vieira se 
apresenta na galeria de arte Mário Brito. Trata-se de um ambiente de bom gosto, pensado para receber visitantes de fino trato. A notícia, no entanto, chega tarde. A breve temporada em terras sergipanas está com os ingressos esgotados.
Também pudera. Aqui mesmo, os feitos de Ricardo e Rebeca Vieira já foram cantados em verso e prosa, mais de uma vez. O projeto Pérolas para Jobim serviu de pretexto para todo tipo de apresentação. Foi defendido na unha, no formato original de voz e violão, e também ganhou arranjos para orquestra, sempre coroado pelo aplauso.
O casal já começou a preparar um repertório novo, ancorado na obra de um compositor maldito da MPB (o leitor sossegue, será informado a respeito no momento certo). Até lá, como se nota agora, não vai faltar público disposto a honrar o legado de valor inestimável do maestro Tom Jobim.
As pérolas - A campanha de financiamento coletivo do disco 'Pérolas para Jobim' foi, desde o início, um sucesso, a ponto de ultrapassar a meta de arrecadação. A expectativa mais razoável era a de um registro impecável, pontuado por rompantes de grande erudição. E foi exatamente o que eles entregaram.
Segundo o sete cordas Ricardo Vieira, tudo se resume a uma investigação de natureza lírica. "Nesse projeto, temos o objetivo de expressar, através da nossa fusão, as intenções do compositor, as suas inspirações, desejos e características típicas da música daquele período, bem como o seu apreço pelas belezas naturais da cidade maravilhosa".
Ninguém perdeu por esperar e apostar as fichas no projeto. Por obra e graça do Duo Vieira, a paisagem da carioca ganhou contornos de sentidos puros, misturando memória afetiva com a potência de uma música de altura impossível, um depoimento de fé absoluta no amor e na vida, como a dizer: "Minha alma canta!", repetindo os versos imortais do maestro Tom Jobim.

Hoje, amanhã e de pois, o Duo Vieira se  apresenta na galeria de arte Mário Brito. Trata-se de um ambiente de bom gosto, pensado para receber visitantes de fino trato. A notícia, no entanto, chega tarde. A breve temporada em terras sergipanas está com os ingressos esgotados.
Também pudera. Aqui mesmo, os feitos de Ricardo e Rebeca Vieira já foram cantados em verso e prosa, mais de uma vez. O projeto Pérolas para Jobim serviu de pretexto para todo tipo de apresentação. Foi defendido na unha, no formato original de voz e violão, e também ganhou arranjos para orquestra, sempre coroado pelo aplauso.
O casal já começou a preparar um repertório novo, ancorado na obra de um compositor maldito da MPB (o leitor sossegue, será informado a respeito no momento certo). Até lá, como se nota agora, não vai faltar público disposto a honrar o legado de valor inestimável do maestro Tom Jobim.

As pérolas - A campanha de financiamento coletivo do disco 'Pérolas para Jobim' foi, desde o início, um sucesso, a ponto de ultrapassar a meta de arrecadação. A expectativa mais razoável era a de um registro impecável, pontuado por rompantes de grande erudição. E foi exatamente o que eles entregaram.
Segundo o sete cordas Ricardo Vieira, tudo se resume a uma investigação de natureza lírica. "Nesse projeto, temos o objetivo de expressar, através da nossa fusão, as intenções do compositor, as suas inspirações, desejos e características típicas da música daquele período, bem como o seu apreço pelas belezas naturais da cidade maravilhosa".
Ninguém perdeu por esperar e apostar as fichas no projeto. Por obra e graça do Duo Vieira, a paisagem da carioca ganhou contornos de sentidos puros, misturando memória afetiva com a potência de uma música de altura impossível, um depoimento de fé absoluta no amor e na vida, como a dizer: "Minha alma canta!", repetindo os versos imortais do maestro Tom Jobim.