DEM em alta

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O vereador mais votado em Nossa Senhora do Socorro, Vagnerrogeris Lima (PSC), garante que não será candidato à reeleição em 2020, após o quarto mandato. Vai lançar a sua esposa Rose Lima para a Câmara Municipal.
O vereador mais votado em Nossa Senhora do Socorro, Vagnerrogeris Lima (PSC), garante que não será candidato à reeleição em 2020, após o quarto mandato. Vai lançar a sua esposa Rose Lima para a Câmara Municipal.

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/08/2019 às 22:57:00

 

Fadado a deixar de existir pela falta de reno
vação e pouco resultado nas eleições, o PFL 
(Partido da Frente Liberal), como forma de sobrevivência, decidiu mudar de nome. 
Em março de 2007, após fracasso nas eleições 2006, quando, inclusive, o então governador João Alves Filho chegou a perder a reeleição para o "menino" Marcelo Déda (PT), o PFL decidiu se chamar "Democratas", com a sigla DEM.
De lá para cá o DEM fez das tripas coração para permanecer existindo com boa representatividade nos estados e no Congresso Nacional. Em 2014, não elegeu um governador. Mas Sergipe elegeu Maria do Carmo Alves senadora.
Em 2016, o então prefeito João Alves Filho (DEM-Aracaju) perdeu a reeleição para Edvaldo Nogueira (PCdoB). O partido elegeu apenas um prefeito de capital, o ACM Neto (Salvador).   
Em 2018, o DEM deu uma guinada.  Conseguiu eleger dois governadores, Mauro Mendes (MT) e Ronaldo Caiado (GO), 29 deputados federais e tem hoje no Senado uma bancada de seis senadores.
O partido, com a nona maior bancada na Câmara dos Deputados, tem ainda o presidente da Casa, Rodrigo Maia (RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP), com a quarta bancada de senadores.
Por ter ressurgido das cinzas e dispor hoje de uma boa representatividade no Congresso Nacional, o que proporciona um bom tempo de TV e fundo partidário, o DEM está em alta no país e em Sergipe.
No estado mesmo tem, pelo menos, quatro deputados estaduais namorando o Democratas. São eles: Gilmar Carvalho e Capitão Samuel, ambos do PSC; e Zezinho Guimarães e Garibalde Alves, que são do MDB.
Gilmar, inclusive, é pré-candidato a prefeito de Aracaju em 2020. É um nome competitivo.
Com o ex-governador João Alves doente e a senadora Maria do Carmo distante da política em Sergipe, por viver mais em Brasília hoje, o ex-vice-prefeito José Carlos Machado é quem está no comando das articulações para filiações junto ao DEM e, consequentemente, o fortalecimento da legenda para as eleições do ano que vem.
O que está esbarrando a concretização do crescimento do DEM em Sergipe, já para as eleições 2020, é a questão da fidelidade partidária.  Mesmo que o MDB e PSC não venham a pedir os mandatos dos seus dois deputados, o Ministério Público Eleitoral pode fazer isso.
Eles vão ter que analisar muito se deixam seus partidos, pelo grande risco de perda do mandato por infidelidade partidária. A legislação eleitoral só permite troca de partido na abertura da janela partidária, o que para deputados e senadores só será aberta em 2022. Em 2020 apenas para vereadores.
Com isso, o DEM em Sergipe pode não ter o crescimento e fortalecimento que poderia ter já nas eleições 2020.
Agora é aguardar para ver...

Fadado a deixar de existir pela falta de reno vação e pouco resultado nas eleições, o PFL  (Partido da Frente Liberal), como forma de sobrevivência, decidiu mudar de nome. 
Em março de 2007, após fracasso nas eleições 2006, quando, inclusive, o então governador João Alves Filho chegou a perder a reeleição para o "menino" Marcelo Déda (PT), o PFL decidiu se chamar "Democratas", com a sigla DEM.
De lá para cá o DEM fez das tripas coração para permanecer existindo com boa representatividade nos estados e no Congresso Nacional. Em 2014, não elegeu um governador. Mas Sergipe elegeu Maria do Carmo Alves senadora.
Em 2016, o então prefeito João Alves Filho (DEM-Aracaju) perdeu a reeleição para Edvaldo Nogueira (PCdoB). O partido elegeu apenas um prefeito de capital, o ACM Neto (Salvador).   
Em 2018, o DEM deu uma guinada.  Conseguiu eleger dois governadores, Mauro Mendes (MT) e Ronaldo Caiado (GO), 29 deputados federais e tem hoje no Senado uma bancada de seis senadores.
O partido, com a nona maior bancada na Câmara dos Deputados, tem ainda o presidente da Casa, Rodrigo Maia (RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP), com a quarta bancada de senadores.
Por ter ressurgido das cinzas e dispor hoje de uma boa representatividade no Congresso Nacional, o que proporciona um bom tempo de TV e fundo partidário, o DEM está em alta no país e em Sergipe.
No estado mesmo tem, pelo menos, quatro deputados estaduais namorando o Democratas. São eles: Gilmar Carvalho e Capitão Samuel, ambos do PSC; e Zezinho Guimarães e Garibalde Alves, que são do MDB.
Gilmar, inclusive, é pré-candidato a prefeito de Aracaju em 2020. É um nome competitivo.
Com o ex-governador João Alves doente e a senadora Maria do Carmo distante da política em Sergipe, por viver mais em Brasília hoje, o ex-vice-prefeito José Carlos Machado é quem está no comando das articulações para filiações junto ao DEM e, consequentemente, o fortalecimento da legenda para as eleições do ano que vem.
O que está esbarrando a concretização do crescimento do DEM em Sergipe, já para as eleições 2020, é a questão da fidelidade partidária.  Mesmo que o MDB e PSC não venham a pedir os mandatos dos seus dois deputados, o Ministério Público Eleitoral pode fazer isso.
Eles vão ter que analisar muito se deixam seus partidos, pelo grande risco de perda do mandato por infidelidade partidária. A legislação eleitoral só permite troca de partido na abertura da janela partidária, o que para deputados e senadores só será aberta em 2022. Em 2020 apenas para vereadores.
Com isso, o DEM em Sergipe pode não ter o crescimento e fortalecimento que poderia ter já nas eleições 2020.
Agora é aguardar para ver...

Cassação 1

Na tarde de ontem, o pleno do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) decidiu, por  5 x 2, cassar o mandato do deputado estadual Talysson Costa (PR)) por abuso de poder político e econômico nas eleições 2018 e torná-lo inelegível por oito anos, assim como ao seu pai, o prefeito Valmir de Francisquinho (PR).

Cassação 2

Acatou o pedido da PRE (Procuradoria Regional Eleitoral) de que o pai  teria usado a máquina pública de Itabaiana em favor da campanha do filho para deputado estadual, que acabou sendo eleito com maior votação no estado. E que Talysson teria aparecido em inaugurações da prefeitura, usufruindo do momento para se promover eleitoralmente, e chegou a ter assistência jurídica custeada pelo município. 

Cassação 3

No fortalecimento da acusação ontem em plenário, a procuradora Eunice Dantas argumentou que foi o apoio do pai em todos os sentidos que fez Talysson, um desconhecido, ser eleito deputado mais votado em 2018. "Até hoje poucos sabem quem é ele", afirmou, enfatizando que foi muito bem votado em Itabaiana, quando em outros municípios teve votações inexpressivas, como Neópolis, onde conseguiu apenas 11 votos.

Registro

Talysson Costa obteve 42.046 votos, sendo 17.220 em Itabaiana. Os seus adversários no município com vários mandatos tiveram uma votação bem menor. Luciano Bispo (MDB), que foi prefeito e é hoje o presidente da Assembleia Legislativa, conquistou 14.560 votos em 2018. Já Maria Mendonça (PSDB), também ex-prefeita e deputada estadual por vários mandatos, conseguiu apenas 7.960 votos em Itabaiana.

Pela frente

A defesa de Talysson Costa e Valmir de Francisquinho disse ontem que vai recorrer da decisão do TRE no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Com isso, os dois seguem no exercício do mandato. Caso o deputado não consiga reverter a cassação, assumirá mais na frente o seu mandato o primeiro suplente da coligação Jairo de Glória (PRB). 

CPI do Judiciário 1

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) começou a recolher assinaturas para um novo requerimento de criação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o Poder Judiciário. Neste caso, o alvo é o inquérito aberto pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, contra supostas notícias falsas envolvendo a corte.

CPI do Judiciário 2

"Esse inquérito não tem base legal para existir. No seu bojo estão sendo praticados vários atos de abuso e arbitrariedade, [como] censura à imprensa, suspensão de funcionários públicos, congelamento de apurações que eram feitas pela Receita Federal", afirma o senador.

CPI do Judiciário 3

A iniciativa já tem o apoio de 21 colegas. Para protocolar uma CPI são necessárias 27 assinaturas, o que representa um terço da composição do Senado. Alessandro acredita que poderá entregar o requerimento na próxima terça-feira (20). Esta será a terceira tentativa do senador de abrir uma CPI para investigar o Judiciário. 

Reforma dos partidos

Alessandro Vieira ainda vai protocolar no Senado um manifesto do Movimento Acredita e um projeto de lei pela renovação partidária, que propõe uma espécie de reforma dos partidos políticos.  O objetivo é cobrar mais democracia e transparência das legendas sobre as votações, as decisões e os gastos internos. 

Reforma do Judiciário 1

O senador também está à frente do Movimento Muda Senado, Muda Brasil, que foi lançado na última terça-feira durante um ato de apoio ao pedido de impeachment do ministro Dias Toffoli e já conta com o apoio de 1/4 do Senado. Por isso, vai apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de Reforma do Judiciário nas próximas semanas.

Reforma do Judiciário 2

"É absolutamente indispensável ter clareza e transparência nas atitudes que vêm do Judiciário, da cúpula do Judiciário e do Supremo Tribunal Federal, pois estamos presenciando uma sequência de abusos que vão na contramão do que o Brasil quer", defendeu Alessandro Vieira, explicando que "o Brasil foi às urnas votar em mudança, combate à corrupção, mas está recebendo de volta o desmonte das estruturas de combate à corrupção e a permanência dos mesmos atores de sempre no poder".

 Auditoria 1

Plenário do Senado aprovou, anteontem, auditoria de repasses de recursos federais para estados do Nordeste. O autor do requerimento,  senador Rogério Carvalho (PT-SE), acusa o presidente Jair Bolsonaro de retaliação ao citar que a região obteve menos de 6% dos recursos disponíveis no primeiro semestre. "O presidente faz questão de discriminar, separar e perseguir o Nordeste", avalia o petista.

Auditoria 2

Revela Rogério que com base em um levantamento do jornal o Estado de São Paulo, de janeiro a julho deste ano, governadores e prefeitos nordestinos conseguiram a liberação de R$ 270 milhões ou o equivalente a 5,8% do total de R$ 4 bilhões disponibilizados para todo o país.

Auditoria 3

"É o que se espera de um presidente é que depois da eleição ele passe a ser presidente do país, de toda a população, mas o atual presidente faz questão de discriminar, separar e de perseguir aqueles que não concordam com ele ou que não deram voto a ele num primeiro momento. Mas agora, ele reside o Brasil", lamenta o senador petista.

Agenda povo 1

O vice-líder do MDB, deputado federal Fábio Reis (SE), defende um pacote de prioridades para o segundo semestre na Câmara dos Deputados, denominado "Agenda Povo". Para ele, embora a Casa deva dar atenção aos grandes temas como a reforma da Previdência, o pacote anticrime, a nova lei de recuperação judicial e outras 11 medidas provisórias, além da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o País precisa priorizar uma agenda mais básica que resolva os problemas imediatos da população.

Agenda povo 2

De acordo com Fábio, entre os problemas dos brasileiros está o desemprego. "Segundo o IBGE, 12,8 milhões de pessoas estão desempregadas e entre estes, 4,9 milhões se encontram em situação de desalento, ou seja, pessoas que desistiram de procurar emprego", lamenta o parlamentar.< /span>

Veja essa...

Com as mudanças na Previdência já encaminhadas no Congresso, a equipe econômica agora centra esforços na elaboração de uma reforma administrativa, que deve ser apresentada ainda este ano. O objetivo é atacar o gasto com o pessoal ativo, que cresce acima da inflação. Segundo o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, um dos pontos em estudo é o fim da estabilidade de parte dos servidores públicos.

Curtas

O Diário Oficial do Estado publicou ontem várias exonerações de cargos comissionados na Secretaria de Turismo, hoje comandada interinamente por Sales Neto.  Foram exonerados os que tinham cargos de coordenadores II, diretor I e assessor extraordinário 2.

 Reassumiu ontem a Câmara Municipal de Aracaju o vereador Palhaço Soneca (Cidadania), após 121 dias de licença médica e interesse pessoal, e ter conseguido o arquivamento de inquérito civil que apurava as circunstâncias da licença médica após ter sido flagrado nas redes sociais participando da festa do Mastro, em Capela. 

Foi o promotor de Justiça Bruno Melo Moura, da Promotoria especializada na defesa do Patrimônio Público, quem arquivou o inquérito movido pelo Ministério Público Estadual.