Não fumar é cuidar da saúde

Opinião

 

Abordarei adiante um tema que tem 
sido foco da Organização Mundial 
da Saúde (OMS), a luta contra o tabaco.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece que muitos governos estão fazendo progressos na luta contra o tabaco, e atualmente cerca de 5 bilhões de pessoas vivem em países que introduziram proibições ao fumo, advertências gráficas em embalagens e outras medidas eficazes de controle do tabaco - quatro vezes mais pessoas do que há uma década. Porém um novo relatório da OMS mostra que muitos países ainda não estão implementando adequadamente as políticas que poderiam ajudar as pessoas a deixar o tabaco e salvar suas vidas.
O gratificante do relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) é ver o Brasil como um país referencial e exemplar na implementação de medidas para  ajudar os usuários de tabaco a deixarem o hábito. Neste aspecto, o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS, entende que os governos devem implementar os serviços de cessação do tabaco como parte dos esforços para garantir a cobertura universal de saúde para seus cidadãos.
De acordo com a OMS, os serviços de cessação do tabagismo incluem linhas nacionais de saque gratuito, serviços de atendimento para alcançar populações maiores por meio de telefones celulares, aconselhamento por profissionais de saúde primários e terapia de reposição de nicotina com cobertura de custos.
Este relatório da OMS destaca os esforços globais para ajudar as pessoas a deixar de usar o tabaco e detalha alguns dos nossos ganhos mais importantes. Cabe registrar que o relatório foi financiado pela Bloomberg Philanthropies, o qual demonstrou que enquanto apenas 23 países implementaram políticas de apoio à cessação no nível mais alto, com destaque para o Brasil, outros 116 países oferecem serviços total ou parcialmente cobertos em algumas ou na maioria das unidades de saúde e outros 32 países oferecem serviços, mas não tão completos, porém estão evoluindo na busca da cessação do uso do tabaco.
O relatório da OMS também aponta que o consumo de tabaco diminuiu proporcionalmente na maioria dos países, mas o crescimento populacional significa que o número total de pessoas que usam tabaco continua teimosamente alto. Atualmente, estima-se que haja 1,1 bilhão de fumantes, dos quais cerca de 80% vivem em países de baixa e média renda.
Abordar este tema é relevante para uma maior conscientização da população sobre este problema global, pois segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os danos que o tabaco causa à saúde dos pulmões são terriveis: mais de 40% de todas as mortes relacionadas ao tabaco provêm de doenças pulmonares como câncer, doenças respiratórias crônicas e tuberculose.
Um dado preocupante fornecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é o de que anualmente o tabaco mata pelo menos 8 milhões de pessoas. Além disso, milhões de pessoas vivem com câncer de pulmão, tuberculose, asma ou doença pulmonar crônica causada pelo tabaco.
Vale registrar que a doença pulmonar obstrutiva é uma condição em que a acumulação de muco cheio de pus nos pulmões resulta em tosse dolorosa e dificuldades respiratórias agonizantes. O risco de desenvolver esta doença é particularmente alto entre os indivíduos que começam a fumar cedo, e aqueles expostos ao fumo passivo, como o fumo do tabaco diminui significativamente o desenvolvimento do pulmão. O tabaco também agrava a asma, o que restringe a atividade e contribui para a incapacidade. A cessação precoce do tabagismo é o tratamento mais eficaz para retardar a progressão destas doenças.
Proteja seus pulmões e os de seus amigos e familiares dizendo não ao tabaco, eu sempre fiz isso e nunca fumei.

Saumíneo Nascimento

Abordarei adiante um tema que tem  sido foco da Organização Mundial  da Saúde (OMS), a luta contra o tabaco.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece que muitos governos estão fazendo progressos na luta contra o tabaco, e atualmente cerca de 5 bilhões de pessoas vivem em países que introduziram proibições ao fumo, advertências gráficas em embalagens e outras medidas eficazes de controle do tabaco - quatro vezes mais pessoas do que há uma década. Porém um novo relatório da OMS mostra que muitos países ainda não estão implementando adequadamente as políticas que poderiam ajudar as pessoas a deixar o tabaco e salvar suas vidas.
O gratificante do relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) é ver o Brasil como um país referencial e exemplar na implementação de medidas para  ajudar os usuários de tabaco a deixarem o hábito. Neste aspecto, o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS, entende que os governos devem implementar os serviços de cessação do tabaco como parte dos esforços para garantir a cobertura universal de saúde para seus cidadãos.
De acordo com a OMS, os serviços de cessação do tabagismo incluem linhas nacionais de saque gratuito, serviços de atendimento para alcançar populações maiores por meio de telefones celulares, aconselhamento por profissionais de saúde primários e terapia de reposição de nicotina com cobertura de custos.
Este relatório da OMS destaca os esforços globais para ajudar as pessoas a deixar de usar o tabaco e detalha alguns dos nossos ganhos mais importantes. Cabe registrar que o relatório foi financiado pela Bloomberg Philanthropies, o qual demonstrou que enquanto apenas 23 países implementaram políticas de apoio à cessação no nível mais alto, com destaque para o Brasil, outros 116 países oferecem serviços total ou parcialmente cobertos em algumas ou na maioria das unidades de saúde e outros 32 países oferecem serviços, mas não tão completos, porém estão evoluindo na busca da cessação do uso do tabaco.
O relatório da OMS também aponta que o consumo de tabaco diminuiu proporcionalmente na maioria dos países, mas o crescimento populacional significa que o número total de pessoas que usam tabaco continua teimosamente alto. Atualmente, estima-se que haja 1,1 bilhão de fumantes, dos quais cerca de 80% vivem em países de baixa e média renda.
Abordar este tema é relevante para uma maior conscientização da população sobre este problema global, pois segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os danos que o tabaco causa à saúde dos pulmões são terriveis: mais de 40% de todas as mortes relacionadas ao tabaco provêm de doenças pulmonares como câncer, doenças respiratórias crônicas e tuberculose.
Um dado preocupante fornecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é o de que anualmente o tabaco mata pelo menos 8 milhões de pessoas. Além disso, milhões de pessoas vivem com câncer de pulmão, tuberculose, asma ou doença pulmonar crônica causada pelo tabaco.
Vale registrar que a doença pulmonar obstrutiva é uma condição em que a acumulação de muco cheio de pus nos pulmões resulta em tosse dolorosa e dificuldades respiratórias agonizantes. O risco de desenvolver esta doença é particularmente alto entre os indivíduos que começam a fumar cedo, e aqueles expostos ao fumo passivo, como o fumo do tabaco diminui significativamente o desenvolvimento do pulmão. O tabaco também agrava a asma, o que restringe a atividade e contribui para a incapacidade. A cessação precoce do tabagismo é o tratamento mais eficaz para retardar a progressão destas doenças.
Proteja seus pulmões e os de seus amigos e familiares dizendo não ao tabaco, eu sempre fiz isso e nunca fumei.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS