Joao Daniel critica ação do governo conta incêndios na Amazônia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/08/2019 às 22:59:00

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) voltou a criticar a negligência do governo Bolsonaro com a política ambiental e o estímulo dado a madeireiros, mineradoras e fazendeiros, que resultaram no desastre que a Amazônia tem vivido com as queimadas. O parlamentar afirmou que o governo federal tinha conhecimento sobre os atos orquestrados para o "dia do fogo", inclusive publicado em jornais, no entanto, disse ele, o que fez foi retirar toda estrutura, recursos e técnicos dos órgãos de fiscalização, como o Instituto Chico Mendes e Ibama.
 "Além disso, dizia publicamente que não respeitava e não deveria dar respeito aos órgãos de fiscalização. Os fazendeiros anunciaram o 'dia do fogo' pois estavam empoderados pelo presidente da República", acrescentou João Daniel. Para o deputado, a estratégia de Bolsonaro com toda essa articulação tem como objetivo desativar o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e contratar empresas americanas. "Porque ele vendeu, entregou o Brasil para os americanos. Ele próprio disse que é apaixonado pelo Trump e quer mandar o seu filho para ser o embaixador do Brasil nos Estados Unidos", completou.
Toda essa situação de desmonte da política ambiental brasileira, afrouxamento nas fiscalizações e, agora, as queimadas e crescente devastação na Amazônia só envergonham o Brasil internacionalmente. João Daniel lembrou que durante os governos do Partido dos Trabalhadores o país era respeitado no exterior, participando dos mais importantes fóruns, reconhecido pela sua política voltada ao meio ambiente. "Bolsonaro mexeu com fogo e vai se queimar. E nós, o povo brasileiro, precisamos estar em todos os atos deste país e este parlamento tem que ter iniciativa em favor da soberania e em favor da Amazônia e do meio ambiente", disse o deputado.

O deputado federal João Daniel (PT/SE) voltou a criticar a negligência do governo Bolsonaro com a política ambiental e o estímulo dado a madeireiros, mineradoras e fazendeiros, que resultaram no desastre que a Amazônia tem vivido com as queimadas. O parlamentar afirmou que o governo federal tinha conhecimento sobre os atos orquestrados para o "dia do fogo", inclusive publicado em jornais, no entanto, disse ele, o que fez foi retirar toda estrutura, recursos e técnicos dos órgãos de fiscalização, como o Instituto Chico Mendes e Ibama.
 "Além disso, dizia publicamente que não respeitava e não deveria dar respeito aos órgãos de fiscalização. Os fazendeiros anunciaram o 'dia do fogo' pois estavam empoderados pelo presidente da República", acrescentou João Daniel. Para o deputado, a estratégia de Bolsonaro com toda essa articulação tem como objetivo desativar o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e contratar empresas americanas. "Porque ele vendeu, entregou o Brasil para os americanos. Ele próprio disse que é apaixonado pelo Trump e quer mandar o seu filho para ser o embaixador do Brasil nos Estados Unidos", completou.
Toda essa situação de desmonte da política ambiental brasileira, afrouxamento nas fiscalizações e, agora, as queimadas e crescente devastação na Amazônia só envergonham o Brasil internacionalmente. João Daniel lembrou que durante os governos do Partido dos Trabalhadores o país era respeitado no exterior, participando dos mais importantes fóruns, reconhecido pela sua política voltada ao meio ambiente. "Bolsonaro mexeu com fogo e vai se queimar. E nós, o povo brasileiro, precisamos estar em todos os atos deste país e este parlamento tem que ter iniciativa em favor da soberania e em favor da Amazônia e do meio ambiente", disse o deputado.