O tal do rock

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Mais viajandão impossível
Mais viajandão impossível

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/08/2019 às 22:28:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Os macacos velhos 
da Plástico Lunar 
são os últimos roqueiros de Aracaju. Os Baggios são músicos profissionais. Sílvio Campos, um sobrevivente. Somente os irmãos Daniel e Luno Torres ainda arriscam o pescoço e teimam em escrever canções com a ponta da faca. O retrato é um tanto caricato. O diabo, há quem jure de pés juntos, não é feio como o pintam. No entanto, basta encontrar os cabeludos nas piores casas do ramo para acreditar de novo no sonho falido do rock'n roll.
'Valerie', single do primeiro disco solo de Luno, tem a inflexão própria dos filmes rodados em Super 8. Composta aqui e agora, a partir da experiência dolorosa de um amigo, a melodia sob os synths remete imediatamente aos anos áureos da contracultura. No fim das contas, embora já tenha confessado disposição para se reinventar, Luno tem uma história, muitos anos de estrada. O fruto nunca cai longe do galho. 
Luno já conta mais de 20 anos de rock nas costas, firme e forte, à revelia do apetite faminto do tempo. Ainda na ativa, apesar de todos os modismos e pesares, protestos de maturidade à parte, ele volta a dar a cara a tapa em cima do palco, anunciando um novo trabalho. Contra todas as previsões, o maluco está aí, palavras ferinas, linhas de baixo no alto, mandando brasa. 
No release reproduzido a torto e direito, ele mesmo faz o resumo da ópera. "Convido o público para uma imersão no jardim do psíquico, numa atmosfera de transe sonoro proposta pelo rock psicodélico. No palco, teremos uma conexão musical em torno do 'Homo Pacificus', conceito do meu primeiro disco solo. A música 'Valerie' é o primeiro single desse disco, que reflete um novo ciclo que se inicia. É o primeiro disco em que assumo todas as composições e vocais, então há uma nova energia direcionada para este show". Mais viajandão impossível.
Luno pode até mudar de nome artístico, como já fez algumas vezes, ampliar o leque de sonoridades abarcadas no seu trabalho autoral. Isso é problema dele. Por mais que faça, a sua verdadeira identidade, entretanto, será sempre o tal do rock. Ainda bem.
Luno lança 'Valerie' no CHE:
Data: 30 de agosto (sexta-feira)
Local: CHE Music Bar - Av. Cap. Joaquim Martins Fontes, 180, Farolândia
Horário: 23h

Os macacos velhos  da Plástico Lunar  são os últimos roqueiros de Aracaju. Os Baggios são músicos profissionais. Sílvio Campos, um sobrevivente. Somente os irmãos Daniel e Luno Torres ainda arriscam o pescoço e teimam em escrever canções com a ponta da faca. O retrato é um tanto caricato. O diabo, há quem jure de pés juntos, não é feio como o pintam. No entanto, basta encontrar os cabeludos nas piores casas do ramo para acreditar de novo no sonho falido do rock'n roll.
'Valerie', single do primeiro disco solo de Luno, tem a inflexão própria dos filmes rodados em Super 8. Composta aqui e agora, a partir da experiência dolorosa de um amigo, a melodia sob os synths remete imediatamente aos anos áureos da contracultura. No fim das contas, embora já tenha confessado disposição para se reinventar, Luno tem uma história, muitos anos de estrada. O fruto nunca cai longe do galho. 
Luno já conta mais de 20 anos de rock nas costas, firme e forte, à revelia do apetite faminto do tempo. Ainda na ativa, apesar de todos os modismos e pesares, protestos de maturidade à parte, ele volta a dar a cara a tapa em cima do palco, anunciando um novo trabalho. Contra todas as previsões, o maluco está aí, palavras ferinas, linhas de baixo no alto, mandando brasa. 
No release reproduzido a torto e direito, ele mesmo faz o resumo da ópera. "Convido o público para uma imersão no jardim do psíquico, numa atmosfera de transe sonoro proposta pelo rock psicodélico. No palco, teremos uma conexão musical em torno do 'Homo Pacificus', conceito do meu primeiro disco solo. A música 'Valerie' é o primeiro single desse disco, que reflete um novo ciclo que se inicia. É o primeiro disco em que assumo todas as composições e vocais, então há uma nova energia direcionada para este show". Mais viajandão impossível.
Luno pode até mudar de nome artístico, como já fez algumas vezes, ampliar o leque de sonoridades abarcadas no seu trabalho autoral. Isso é problema dele. Por mais que faça, a sua verdadeira identidade, entretanto, será sempre o tal do rock. Ainda bem.

Luno lança 'Valerie' no CHE:
Data: 30 de agosto (sexta-feira)
Local: CHE Music Bar - Av. Cap. Joaquim Martins Fontes, 180, Farolândia
Horário: 23h