Mutirões de combate ao Aedes contemplam os bairros de maior risco de proliferação

Geral


  • Os mutirões também contam com campanhas educativas

 

Santo Antônio, Pereira Lobo, Industrial, Japãozinho, Santa Maria, Olaria, José Conrado de Araújo e Dom Luciano foram os bairros que já receberam o mutirão de combate ao Aedes aegypti do Plano de Intensificação das Ações de combate ao mosquito desenvolvido pela Prefeitura de Aracaju há dois meses. Neste sábado (31) foi a vez do bairro Cidade Nova.
Essa ação é realizada todos os sábados, com a atuação de diversas secretarias e órgãos municipais, de modo a amplificar o trabalho preventivo desenvolvido pela gestão municipal ao longo de todo o ano contra o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.
Os mutirões promovidos pela Prefeitura contempla visitas dos agentes de endemias da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) às residências dos bairros contemplados, para eliminação dos focos do mosquito e conscientização da população sobre a importância dos cuidados para prevenir a proliferação do Aedes aegypiti, e, inicialmente, eram realizados a cada 15 dias,. Porém, aapós o lançamento do Plano de Intensificação, feito pelo prefeito Edvaldo Nogueira no dia 28 de junho, os mutirões de combate ao Aedes aegypti começaram a ser realizados semanalmente. 
"Após a criação do Plano de Intensificação de Combate ao Aedes, temos nos esforçado muito para diminuir o índice de infestação no próximo LIRAa. Uma das principais ações nesse último bimestre foi justamente a realização de mutirões semanais nos bairros de maior risco", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Durante o mês de julho, primeiro mês do mutirão semanal, foram visitados 4.698 imóveis, sendo abertos e inspecionados 3.007, e tratados 446 criadouros do mosquito. Essa ação contou com a participação de 24 agentes. No mês de agosto, 5.078 imóveis foram visitados, dos quais 3.247 foram abertos e inspecionados, 442 criadouros foram eliminados e 68 foram tratados. Também em agosto, a equipe de agentes recebeu um reforço de mais 50 profissionais em relação ao mês anterior.
Integração de equipes - A colaboração de profissionais da Diretoria de Operações (Dirop) da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) foi somada ao trabalho dos agentes de endemias. Garis e margaridas foram orientados a identificar locais que servem como depósito para as larvas do Aedes aegypti e fazem o recolhimento de pneus, embalagens plásticas e outros objetos que possam acumular água, a partir das ações de limpeza no bairro.
Além disso, recursos tecnológicos foram empregados para aumentar a eficácia da localização dos criadouros do mosquito durante os mutirões. Um drone da Secretaria Municipal do Meio Ambiente auxilia as equipes de campo no trabalho de localização de pontos menos acessíveis que podem ser focos de proliferação do Aedes. Com uma câmera, o drone faz sobrevoos para localizar, em residências ou terrenos, possíveis focos e criadouros do mosquito. Após a identificação, as equipes são informadas sobre o ponto exato da área suspeita. Os agentes comunitários se encaminham, então, para o local indicado, otimizando o trabalho, que se torna mais eficaz com a utilização desse recurso.
Para maior eficácia desta ação, estão integradas ao mutirão as secretarias municipais da Saúde, do Meio Ambiente e da Assistência Social, além das empresa municipais de Serviços Urbanos (Emsurb) e de Obras e Urbanização (Emurb), da Defesa Civil e Guarda Municipal. 
Nos bairros visitados, as equipes atuam para identificar e eliminar criadouros, localizar de terrenos e imóveis abandonados e fechados, promover ações de educação em saúde, limpar e retirar volumosos e entulhos de terrenos e ruas, e desobstruir as redes pluviais e de esgoto. 
No mês de julho, no bairro Japãozinho, foram inspecionados 356 imóveis e identificados 40 criadouros; no Santa Maria, foram 640 imóveis vistoriados e 266 criadouros localizados; no Olaria foram 1.250 imóveis visitados para 133 criadouros; e no bairro São José Conrado foram 761 imóveis e apenas 7 criadouros registrados.
No mês de agosto as equipes de combate ao Aedes aegypti visitaram mais quatro comunidades. No bairro Santo Antônio, 1.076 imóveis foram inspecionados e encontrados 159 criadouros; no território do bairro Industrial foram 751 imóveis para 89 criadouros; no Dom Luciano, 789 residências foram vistoriadas e 128 focos identificados; e, por fim, no Pereira Lobo foram 621 imóveis inspecionados e 134 criadouros localizados.
"As primeiras localidades foram escolhidas também levando-se em consideração o número de notificações. Porém, até a primeira semana de setembro um novo levantamento [LIRAa] deve ser finalizado e, a partir daí, reajustaremos as ações com base nas informações colhidas pelos nossos agentes", antecipa a secretária Waneska Barboza.  

Santo Antônio, Pereira Lobo, Industrial, Japãozinho, Santa Maria, Olaria, José Conrado de Araújo e Dom Luciano foram os bairros que já receberam o mutirão de combate ao Aedes aegypti do Plano de Intensificação das Ações de combate ao mosquito desenvolvido pela Prefeitura de Aracaju há dois meses. Neste sábado (31) foi a vez do bairro Cidade Nova.
Essa ação é realizada todos os sábados, com a atuação de diversas secretarias e órgãos municipais, de modo a amplificar o trabalho preventivo desenvolvido pela gestão municipal ao longo de todo o ano contra o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.
Os mutirões promovidos pela Prefeitura contempla visitas dos agentes de endemias da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) às residências dos bairros contemplados, para eliminação dos focos do mosquito e conscientização da população sobre a importância dos cuidados para prevenir a proliferação do Aedes aegypiti, e, inicialmente, eram realizados a cada 15 dias,. Porém, aapós o lançamento do Plano de Intensificação, feito pelo prefeito Edvaldo Nogueira no dia 28 de junho, os mutirões de combate ao Aedes aegypti começaram a ser realizados semanalmente. "Após a criação do Plano de Intensificação de Combate ao Aedes, temos nos esforçado muito para diminuir o índice de infestação no próximo LIRAa. Uma das principais ações nesse último bimestre foi justamente a realização de mutirões semanais nos bairros de maior risco", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Durante o mês de julho, primeiro mês do mutirão semanal, foram visitados 4.698 imóveis, sendo abertos e inspecionados 3.007, e tratados 446 criadouros do mosquito. Essa ação contou com a participação de 24 agentes. No mês de agosto, 5.078 imóveis foram visitados, dos quais 3.247 foram abertos e inspecionados, 442 criadouros foram eliminados e 68 foram tratados. Também em agosto, a equipe de agentes recebeu um reforço de mais 50 profissionais em relação ao mês anterior.

Integração de equipes - A colaboração de profissionais da Diretoria de Operações (Dirop) da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) foi somada ao trabalho dos agentes de endemias. Garis e margaridas foram orientados a identificar locais que servem como depósito para as larvas do Aedes aegypti e fazem o recolhimento de pneus, embalagens plásticas e outros objetos que possam acumular água, a partir das ações de limpeza no bairro.
Além disso, recursos tecnológicos foram empregados para aumentar a eficácia da localização dos criadouros do mosquito durante os mutirões. Um drone da Secretaria Municipal do Meio Ambiente auxilia as equipes de campo no trabalho de localização de pontos menos acessíveis que podem ser focos de proliferação do Aedes. Com uma câmera, o drone faz sobrevoos para localizar, em residências ou terrenos, possíveis focos e criadouros do mosquito. Após a identificação, as equipes são informadas sobre o ponto exato da área suspeita. Os agentes comunitários se encaminham, então, para o local indicado, otimizando o trabalho, que se torna mais eficaz com a utilização desse recurso.
Para maior eficácia desta ação, estão integradas ao mutirão as secretarias municipais da Saúde, do Meio Ambiente e da Assistência Social, além das empresa municipais de Serviços Urbanos (Emsurb) e de Obras e Urbanização (Emurb), da Defesa Civil e Guarda Municipal. 
Nos bairros visitados, as equipes atuam para identificar e eliminar criadouros, localizar de terrenos e imóveis abandonados e fechados, promover ações de educação em saúde, limpar e retirar volumosos e entulhos de terrenos e ruas, e desobstruir as redes pluviais e de esgoto. 
No mês de julho, no bairro Japãozinho, foram inspecionados 356 imóveis e identificados 40 criadouros; no Santa Maria, foram 640 imóveis vistoriados e 266 criadouros localizados; no Olaria foram 1.250 imóveis visitados para 133 criadouros; e no bairro São José Conrado foram 761 imóveis e apenas 7 criadouros registrados.
No mês de agosto as equipes de combate ao Aedes aegypti visitaram mais quatro comunidades. No bairro Santo Antônio, 1.076 imóveis foram inspecionados e encontrados 159 criadouros; no território do bairro Industrial foram 751 imóveis para 89 criadouros; no Dom Luciano, 789 residências foram vistoriadas e 128 focos identificados; e, por fim, no Pereira Lobo foram 621 imóveis inspecionados e 134 criadouros localizados.
"As primeiras localidades foram escolhidas também levando-se em consideração o número de notificações. Porém, até a primeira semana de setembro um novo levantamento [LIRAa] deve ser finalizado e, a partir daí, reajustaremos as ações com base nas informações colhidas pelos nossos agentes", antecipa a secretária Waneska Barboza.  

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS