Saúde mental no local de trabalho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/08/2019 às 21:48:00

 

Saumíneo Nascimento
A Organização Mundial da Saúde 
(OMS) aponta que o trabalho é 
benéfico para a saúde mental. No entanto, um ambiente de trabalho negativo pode causar problemas físicos e psicológicos.
Dois deles seriam a depressão e a ansiedade e que causam repercussões econômicas: estima-se que elas custem anualmente à economia mundial US$ 1 bilhão em produtividade perdida. Segundo a OMS, assédio e intimidação no trabalho são problemas frequentes que podem ter efeitos negativos consideráveis na saúde mental. As organizações podem aplicar muitas medidas eficazes para promover a saúde mental no local de trabalho e, assim, aumentar a produtividade. Estima-se que para cada US$ 1 investido na extensão do tratamento de transtornos mentais freqüentes, obtém-se um rendimento de US$ 4 para melhorar a saúde e a produtividade.
Segundo estimativas da OMS, existem 264 milhões de pessoas no mundo que sofrem de depressão, uma das principais causas de incapacidade. Além disso, muitos deles também sofrem de sintomas de ansiedade no ambiente de trabalho. Por outro lado, sabe-se que o desemprego é um fator de risco para problemas mentais, enquanto a obtenção de um emprego ou o retorno ao trabalho tem efeitos protetores.
No entanto, um ambiente de trabalho adverso pode causar problemas físicos e psicológicos, uso nocivo de substâncias e álcool, absenteísmo e perda de produtividade. A promoção da saúde mental no local de trabalho e o apoio a pessoas que sofrem de transtornos psiquiátricos aumenta a probabilidade de reduzir o absenteísmo, aumentar a produtividade e obter benefícios econômicos associados a esses efeitos.
Existem muitos fatores no ambiente de trabalho que podem afetar a saúde mental. Na maioria dos casos, os riscos envolvidos são devidos a uma interação inadequada entre o tipo de trabalho, o ambiente organizacional e gerencial, as habilidades e competências do pessoal e as facilidades oferecidas a este último para realizar seu trabalho.  Por exemplo, pode acontecer que uma pessoa tenha as habilidades necessárias para executar suas tarefas, mas não tenha recursos suficientes ou não receba o suporte necessário devido às práticas de gerenciamento e administração da empresa.
São exemplos de riscos para a saúde mental: políticas inadequadas de proteção à saúde e segurança; gestão ineficiente e práticas de comunicação; baixo poder de decisão do trabalhador ou falta de controle de sua área de trabalho; baixo nível de suporte aos funcionários; horários de trabalho rígidos; e falta de clareza nas áreas organizacionais ou objetivos.
Os riscos também podem estar relacionados ao conteúdo do trabalho. Por exemplo, as tarefas atribuídas a uma pessoa podem não se adequar às suas habilidades ou a carga de trabalho pode ser permanentemente alta. Alguns trabalhos, como aqueles realizados por pessoal humanitário e de primeira intervenção, têm um risco maior, podem afetar a saúde mental e causar sintomas de transtornos psiquiátricos ou uso prejudicial de álcool, drogas ou drogas psicoativas. Além disso, os riscos podem ser maiores em situações em que a equipe não é coesa ou o suporte social não está disponível.
O assédio psicológico e a intimidação no trabalho (assédio moral) são causas frequentes de stress no trabalho e outros riscos para a saúde dos trabalhadores e podem causar problemas físicos e psicológicos. Esses efeitos à saúde têm consequências para as empresas, que resultam em perda de produtividade e alta rotatividade. Além disso, eles podem afetar negativamente as interações familiares e sociais.
Para a OMS, um aspecto importante para garantir que o local de trabalho seja saudável é a formulação de leis, estratégias e políticas governamentais. Em um ambiente de trabalho saudável, os trabalhadores e gerentes contribuem ativamente para melhorar o ambiente de trabalho, promovendo e protegendo a saúde, a segurança e o bem-estar de todos os funcionários.
As recomendações de intervenções da OMS têm o seguinte foco: proteger a saúde mental reduzindo os fatores de risco relacionados ao trabalho; e  promover a saúde mental, desenvolvendo os aspectos positivos do trabalho e as qualidades e habilidades do pessoal.
Buscar conhecer as necessidades de cada trabalhador e as oportunidades de que dispõe, a fim de desenvolver melhores políticas em saúde mental no local de trabalho é um diferencial de política de capital humano.
As empresas precisam ousar e promover a participação dos funcionários nas decisões, transmitir um senso de controle e participação e implementar práticas na organização que promovam um equilíbrio saudável entre trabalho e vida pessoal.
As intervenções de saúde mental devem fazer parte de uma estratégia integrada de saúde e bem-estar que inclua prevenção, detecção precoce, apoio e reintegração ou reabilitação. Serviços de saúde ocupacional e profissionais podem ajudar as organizações a aplicar essas intervenções onde elas estão disponíveis, mas mesmo quando elas não estão disponíveis, várias mudanças podem ser introduzidas para proteger e promover a saúde mental. A chave para o sucesso é envolver as partes interessadas e os funcionários em todos os níveis, quando as intervenções de proteção, promoção e apoio são realizadas e quando sua eficácia é avaliada.
Vamos cuidar da saúde mental das pessoas!

Saumíneo Nascimento

A Organização Mundial da Saúde  (OMS) aponta que o trabalho é  benéfico para a saúde mental. No entanto, um ambiente de trabalho negativo pode causar problemas físicos e psicológicos.
Dois deles seriam a depressão e a ansiedade e que causam repercussões econômicas: estima-se que elas custem anualmente à economia mundial US$ 1 bilhão em produtividade perdida. Segundo a OMS, assédio e intimidação no trabalho são problemas frequentes que podem ter efeitos negativos consideráveis na saúde mental. As organizações podem aplicar muitas medidas eficazes para promover a saúde mental no local de trabalho e, assim, aumentar a produtividade. Estima-se que para cada US$ 1 investido na extensão do tratamento de transtornos mentais freqüentes, obtém-se um rendimento de US$ 4 para melhorar a saúde e a produtividade.
Segundo estimativas da OMS, existem 264 milhões de pessoas no mundo que sofrem de depressão, uma das principais causas de incapacidade. Além disso, muitos deles também sofrem de sintomas de ansiedade no ambiente de trabalho. Por outro lado, sabe-se que o desemprego é um fator de risco para problemas mentais, enquanto a obtenção de um emprego ou o retorno ao trabalho tem efeitos protetores.
No entanto, um ambiente de trabalho adverso pode causar problemas físicos e psicológicos, uso nocivo de substâncias e álcool, absenteísmo e perda de produtividade. A promoção da saúde mental no local de trabalho e o apoio a pessoas que sofrem de transtornos psiquiátricos aumenta a probabilidade de reduzir o absenteísmo, aumentar a produtividade e obter benefícios econômicos associados a esses efeitos.
Existem muitos fatores no ambiente de trabalho que podem afetar a saúde mental. Na maioria dos casos, os riscos envolvidos são devidos a uma interação inadequada entre o tipo de trabalho, o ambiente organizacional e gerencial, as habilidades e competências do pessoal e as facilidades oferecidas a este último para realizar seu trabalho.  Por exemplo, pode acontecer que uma pessoa tenha as habilidades necessárias para executar suas tarefas, mas não tenha recursos suficientes ou não receba o suporte necessário devido às práticas de gerenciamento e administração da empresa.
São exemplos de riscos para a saúde mental: políticas inadequadas de proteção à saúde e segurança; gestão ineficiente e práticas de comunicação; baixo poder de decisão do trabalhador ou falta de controle de sua área de trabalho; baixo nível de suporte aos funcionários; horários de trabalho rígidos; e falta de clareza nas áreas organizacionais ou objetivos.
Os riscos também podem estar relacionados ao conteúdo do trabalho. Por exemplo, as tarefas atribuídas a uma pessoa podem não se adequar às suas habilidades ou a carga de trabalho pode ser permanentemente alta. Alguns trabalhos, como aqueles realizados por pessoal humanitário e de primeira intervenção, têm um risco maior, podem afetar a saúde mental e causar sintomas de transtornos psiquiátricos ou uso prejudicial de álcool, drogas ou drogas psicoativas. Além disso, os riscos podem ser maiores em situações em que a equipe não é coesa ou o suporte social não está disponível.
O assédio psicológico e a intimidação no trabalho (assédio moral) são causas frequentes de stress no trabalho e outros riscos para a saúde dos trabalhadores e podem causar problemas físicos e psicológicos. Esses efeitos à saúde têm consequências para as empresas, que resultam em perda de produtividade e alta rotatividade. Além disso, eles podem afetar negativamente as interações familiares e sociais.
Para a OMS, um aspecto importante para garantir que o local de trabalho seja saudável é a formulação de leis, estratégias e políticas governamentais. Em um ambiente de trabalho saudável, os trabalhadores e gerentes contribuem ativamente para melhorar o ambiente de trabalho, promovendo e protegendo a saúde, a segurança e o bem-estar de todos os funcionários.
As recomendações de intervenções da OMS têm o seguinte foco: proteger a saúde mental reduzindo os fatores de risco relacionados ao trabalho; e  promover a saúde mental, desenvolvendo os aspectos positivos do trabalho e as qualidades e habilidades do pessoal.
Buscar conhecer as necessidades de cada trabalhador e as oportunidades de que dispõe, a fim de desenvolver melhores políticas em saúde mental no local de trabalho é um diferencial de política de capital humano.
As empresas precisam ousar e promover a participação dos funcionários nas decisões, transmitir um senso de controle e participação e implementar práticas na organização que promovam um equilíbrio saudável entre trabalho e vida pessoal.
As intervenções de saúde mental devem fazer parte de uma estratégia integrada de saúde e bem-estar que inclua prevenção, detecção precoce, apoio e reintegração ou reabilitação. Serviços de saúde ocupacional e profissionais podem ajudar as organizações a aplicar essas intervenções onde elas estão disponíveis, mas mesmo quando elas não estão disponíveis, várias mudanças podem ser introduzidas para proteger e promover a saúde mental. A chave para o sucesso é envolver as partes interessadas e os funcionários em todos os níveis, quando as intervenções de proteção, promoção e apoio são realizadas e quando sua eficácia é avaliada.
Vamos cuidar da saúde mental das pessoas!