74 dos 75 municípios já registraram casos de dengue no Estado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
BRIGADAS CONTRA A DENGUE CONTINUAM ATUANDO NOS MUNICÍPIOS ONDE A SITUAÇÃO É MAIS GRAVE; 74 DOS 75 MUNICÍPIOS SERGIPANOS JÁ REGISTRARAM CASOS DA DOENÇA
BRIGADAS CONTRA A DENGUE CONTINUAM ATUANDO NOS MUNICÍPIOS ONDE A SITUAÇÃO É MAIS GRAVE; 74 DOS 75 MUNICÍPIOS SERGIPANOS JÁ REGISTRARAM CASOS DA DOENÇA

A diretora de Vigilância em Saúde, Mércia Feitosa
A diretora de Vigilância em Saúde, Mércia Feitosa

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/09/2019 às 00:15:00

 

Milton Alves Júnior 
Com exceção do muni-
cípio de Santa Rosa de 
Lima, todas os demais municípios sergipanos já apresentaram casos de Dengue esse ano. A constatação foi apresentada na manhã de ontem pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES). De acordo com os dados, até o último sábado, 31 de agosto, foram registrados 7.647 casos, sendo 3.153 confirmados. 11 pessoas morreram em virtude do mosquito Aedes aegypti. A nova atualização da pesquisa mensal identifica ainda que ao municípios de Japoatã e Amparo de São Francisco também foram incluídos na lista depois de passar sete meses sem contabilizar casos da doença na cidade.
No ranking negativo da doença em Sergipe as principais cidades atingidas são: a capital sergipana, Aracaju, com 921 notificações; seguida de Nossa Senhora do Socorro, com 574; Lagarto, 145; e São Cristóvão com 138 registros confirmados. Na perspectiva de reduzir estes índices evolutivos, a Prefeitura de Aracaju informou que agentes de combate às endemias, ligados à Secretaria Municipal da Saúde (SMS), estão intensificando as ações ao longo dos últimos dois meses. Desde a manhã grupos têm se dividido em ações realizadas nos bairros Cidade Nova e Santos Dumont, região Norte da cidade. Hoje também haverá fortalecimento das vistorias nos bairros América e Industrial.
Segundo a secretaria, a mobilização faz parte do Plano de Intensificação de Combate ao Aedes e busca evitar epidemias e óbitos em decorrência das doenças transmitidas pelo mosquito: dengue, zika e chikungunya. No cronograma de combate ao mosquito, a SES informou que hoje e amanhã uma brigada estará presente na cidade de Japoatã, onde o índice de infestação chega a 4,9%. Já nos dias 9 e 10, segunda e terça-feira da semana que vem, a equipe segue para o município de Pedrinhas (8,8% de índice); na quarta-feira, 11, para Pinhão (4,1%). Nos dias 12 e 13 quinta e sexta-feira, os agentes de endemias focam o trabalho em Cristinápolis, que no LIRAa obteve o índice de 5,0%.
A escolha desses municípios vai de acordo com o índice de infestação que caracteriza alto risco, cuja infestação está igual ou acima de 3,9% dos imóveis existentes e inspecionados no município; cidade com classificação de média incidência em número de casos; bem como aqueles municípios que se encontram sem informação dos dados entomológicos no Sistema de Informação oficial o SISFAD. A fim de qualificar técnicos e agentes de endemias do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), o Estado realizou na semana passada um curso de capacitação. Essa especialização se fez necessária diante do alto índice de casos ainda a serem analisados. Cerca de dois mil continuam em investigação.
"Foram capacitados agentes de Salgado, Capela, Siriri, Graccho Cardoso e Amparo do São Francisco. É um trabalho paralelo que serve para agilizar o monitoramento da Dengue em nosso Estado. Ninguém deseja ficar doente, então, além dos nossos esforços técnicos, precisamos muito da parceria de todos os cidadãos sergipanos nessa luta contra o Aedes Aegypti", destacou a gerente do Núcleo de Endemias da SES, Mércia Feitosa. Na tentativa de combater o mosquito, o poder público, além das visitas em terrenos baldios, escolas e casas, ampliado a participação dos agentes de combate às endemias em atividades de mobilização, promove ainda campanha publicitária com liberação das peças para utilização nas redes sociais e mídia e de material gráfico.
Um novo levantamento deve ser apresentado pela Prefeitura de Aracaju e Governo do Estado até o final da primeira quinzena de outubro.

Milton Alves Júnior 

Com exceção do muni- cípio de Santa Rosa de  Lima, todas os demais municípios sergipanos já apresentaram casos de Dengue esse ano. A constatação foi apresentada na manhã de ontem pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES). De acordo com os dados, até o último sábado, 31 de agosto, foram registrados 7.647 casos, sendo 3.153 confirmados. 11 pessoas morreram em virtude do mosquito Aedes aegypti. A nova atualização da pesquisa mensal identifica ainda que ao municípios de Japoatã e Amparo de São Francisco também foram incluídos na lista depois de passar sete meses sem contabilizar casos da doença na cidade.
No ranking negativo da doença em Sergipe as principais cidades atingidas são: a capital sergipana, Aracaju, com 921 notificações; seguida de Nossa Senhora do Socorro, com 574; Lagarto, 145; e São Cristóvão com 138 registros confirmados. Na perspectiva de reduzir estes índices evolutivos, a Prefeitura de Aracaju informou que agentes de combate às endemias, ligados à Secretaria Municipal da Saúde (SMS), estão intensificando as ações ao longo dos últimos dois meses. Desde a manhã grupos têm se dividido em ações realizadas nos bairros Cidade Nova e Santos Dumont, região Norte da cidade. Hoje também haverá fortalecimento das vistorias nos bairros América e Industrial.
Segundo a secretaria, a mobilização faz parte do Plano de Intensificação de Combate ao Aedes e busca evitar epidemias e óbitos em decorrência das doenças transmitidas pelo mosquito: dengue, zika e chikungunya. No cronograma de combate ao mosquito, a SES informou que hoje e amanhã uma brigada estará presente na cidade de Japoatã, onde o índice de infestação chega a 4,9%. Já nos dias 9 e 10, segunda e terça-feira da semana que vem, a equipe segue para o município de Pedrinhas (8,8% de índice); na quarta-feira, 11, para Pinhão (4,1%). Nos dias 12 e 13 quinta e sexta-feira, os agentes de endemias focam o trabalho em Cristinápolis, que no LIRAa obteve o índice de 5,0%.
A escolha desses municípios vai de acordo com o índice de infestação que caracteriza alto risco, cuja infestação está igual ou acima de 3,9% dos imóveis existentes e inspecionados no município; cidade com classificação de média incidência em número de casos; bem como aqueles municípios que se encontram sem informação dos dados entomológicos no Sistema de Informação oficial o SISFAD. A fim de qualificar técnicos e agentes de endemias do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), o Estado realizou na semana passada um curso de capacitação. Essa especialização se fez necessária diante do alto índice de casos ainda a serem analisados. Cerca de dois mil continuam em investigação.
"Foram capacitados agentes de Salgado, Capela, Siriri, Graccho Cardoso e Amparo do São Francisco. É um trabalho paralelo que serve para agilizar o monitoramento da Dengue em nosso Estado. Ninguém deseja ficar doente, então, além dos nossos esforços técnicos, precisamos muito da parceria de todos os cidadãos sergipanos nessa luta contra o Aedes Aegypti", destacou a gerente do Núcleo de Endemias da SES, Mércia Feitosa. Na tentativa de combater o mosquito, o poder público, além das visitas em terrenos baldios, escolas e casas, ampliado a participação dos agentes de combate às endemias em atividades de mobilização, promove ainda campanha publicitária com liberação das peças para utilização nas redes sociais e mídia e de material gráfico.
Um novo levantamento deve ser apresentado pela Prefeitura de Aracaju e Governo do Estado até o final da primeira quinzena de outubro.