Casa de vigilante morto é invadida em Capela

Geral

 

Gabriel Damásio
Um segundo crime 
teve como alvo o 
vigilante Mário Sérgio Barbosa Santos, 42 anos, assassinado na madrugada de anteontem na Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho, em Capela (Vale do Cotinguiba). Familiares da vítima denunciaram ontem à polícia que a casa dele foi invadida durante a madrugada, no momento em que o corpo era velado, na casa dos pais. A residência estava fechada, mas, de acordo com os parentes, teve a porta dos fundos arrombadas e os móveis vasculhados. As roupas do vigilante foram jogadas no chão. Também foram levados alguns aparelhos, como um notebook, um ventilador e uma televisão de 42 polegadas.
Mário foi morto por desconhecidos que invadiram o colégio e o atacaram com golpes de facão. Ele chegou a ter uma das mãos decepada. Pelo chão da sala e dos corredores, além das paredes e do muro da escola, foram achadas muitas marcas de sangue, suficientes inclusive para imprimir pegadas deixadas pelos assassinos. Os policiais informaram ter encontrado um cenário de luta no local e constataram que nada foi roubado da escola, nem do carro do vigilante, apesar de ele ter sido mexido. Apenas a carteira e o celular da vítima foram levados. 
Um segundo inquérito foi instaurado pela Delegacia de Capela, para investigar o arrombamento da casa do vigilante. De acordo com o delegado Wanderson Bastos, ele corre independentemente da investigação sobre o assassinato, embora não se descarte a possibilidade de uma relação entre os crimes. Várias testemunhas estão sendo ouvidas. No caso do assassinato, são apuradas pelo menos três linhas de investigação. Uma delas aponta para a ocorrência de um latrocínio (roubo seguido de morte), mas não se descarta outras possibilidades, como a de um homicídio premeditado. 
O corpo do vigilante foi enterrado ontem de manhã no cemitério do povoado Pirunga, em Capela. Todas as aulas na escola foram suspensas, em sinal de luto. 

Gabriel Damásio

Um segundo crime  teve como alvo o  vigilante Mário Sérgio Barbosa Santos, 42 anos, assassinado na madrugada de anteontem na Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho, em Capela (Vale do Cotinguiba). Familiares da vítima denunciaram ontem à polícia que a casa dele foi invadida durante a madrugada, no momento em que o corpo era velado, na casa dos pais. A residência estava fechada, mas, de acordo com os parentes, teve a porta dos fundos arrombadas e os móveis vasculhados. As roupas do vigilante foram jogadas no chão. Também foram levados alguns aparelhos, como um notebook, um ventilador e uma televisão de 42 polegadas.
Mário foi morto por desconhecidos que invadiram o colégio e o atacaram com golpes de facão. Ele chegou a ter uma das mãos decepada. Pelo chão da sala e dos corredores, além das paredes e do muro da escola, foram achadas muitas marcas de sangue, suficientes inclusive para imprimir pegadas deixadas pelos assassinos. Os policiais informaram ter encontrado um cenário de luta no local e constataram que nada foi roubado da escola, nem do carro do vigilante, apesar de ele ter sido mexido. Apenas a carteira e o celular da vítima foram levados. 
Um segundo inquérito foi instaurado pela Delegacia de Capela, para investigar o arrombamento da casa do vigilante. De acordo com o delegado Wanderson Bastos, ele corre independentemente da investigação sobre o assassinato, embora não se descarte a possibilidade de uma relação entre os crimes. Várias testemunhas estão sendo ouvidas. No caso do assassinato, são apuradas pelo menos três linhas de investigação. Uma delas aponta para a ocorrência de um latrocínio (roubo seguido de morte), mas não se descarta outras possibilidades, como a de um homicídio premeditado. 
O corpo do vigilante foi enterrado ontem de manhã no cemitério do povoado Pirunga, em Capela. Todas as aulas na escola foram suspensas, em sinal de luto. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS