E a história se repete!

Opinião

 

* José Wilson Brito Couto
Quando éramos  crianças, nossas velhas empregadas contavam estórias de "Alí Babá e os quarenta ladrões" Era um grupo de facínoras , ladrões,  cujos resultado de seus saques  escondiam em uma caverna  denominada Sésamo. Quando chegavam junto a tal gruta, carregando o fruto  de suas ações criminosas , gritavam "Abre-te Sésamo" e a grande porta de pedra, locomovia-se no sentido horizontal, permitindo que cavalos e cavaleiros penetrassem no singular esconderijo.
Hoje, 2019, centenas de anos passados, descobri que portas de mercadinhos, bancos e algumas lojas comerciais, mais modernas inclusive, pois não tem a necessidade de nenhuma ordem, abrem-se apenas com a aproximação do corpo humano.
Conclusão, esse processo de automatismo, pelo visto não é nenhuma novidade, Alí Babá já usava, como também não é novidade quarenta ladrões, hoje tem muito mais inclusive alguns já presos. É claro que isso não passa de um sonho, ou de uma comparação muito grotesca, mas a história se repete.
 Também, no passado , um grande escritor, na época, de temas  de ficção cientifica, chamado Julio Verne, escreveu : Vinte mil léguas submarinas, Viagem ao Centro da Terra, Viagem a Lua, e outros mais, assuntos que para o tempo jamais se cogitava conhecer. No entanto, hoje, todas aquelas concepções previstas por ele já são realidade. Temos submarinos, temos usinas nucleares, o homem já aportou na lua, e já voa a velocidade do som. Temos computador cada dia mais avançados, e já se cogita criar seres humanos. Portanto a estória se repete, se não igual, mas muito parecido! No entanto, ai vai a pergunta, de onde Julio Verne tirou esses conhecimentos tão avançados? Todos sabemos que o homem não cria nada, apenas descobre o que Deus criou. Principalmente, descobrimos pela observação da Natureza. E uma grande parte, nossos mestres são os animais. Por exemplo: a libélula ensinou ao homem conceber o helicóptero. O beija Flor sugere um avião que pode parar no ar. O morcego e o golfinho deram origem ao radar e ao sonar. Estamos na era dos drones, verdadeira maravilha do homem moderno, e o que será que as invenções de hoje irão projetar para o futuro e para as nossas gerações?
A história há de se repetir! Aguardemos.
* José Wilson Brito Couto é professor emérito da UFS (aposentado)

* José Wilson Brito Couto

Quando éramos  crianças, nossas velhas empregadas contavam estórias de "Alí Babá e os quarenta ladrões" Era um grupo de facínoras , ladrões,  cujos resultado de seus saques  escondiam em uma caverna  denominada Sésamo. Quando chegavam junto a tal gruta, carregando o fruto  de suas ações criminosas , gritavam "Abre-te Sésamo" e a grande porta de pedra, locomovia-se no sentido horizontal, permitindo que cavalos e cavaleiros penetrassem no singular esconderijo.
Hoje, 2019, centenas de anos passados, descobri que portas de mercadinhos, bancos e algumas lojas comerciais, mais modernas inclusive, pois não tem a necessidade de nenhuma ordem, abrem-se apenas com a aproximação do corpo humano.
Conclusão, esse processo de automatismo, pelo visto não é nenhuma novidade, Alí Babá já usava, como também não é novidade quarenta ladrões, hoje tem muito mais inclusive alguns já presos. É claro que isso não passa de um sonho, ou de uma comparação muito grotesca, mas a história se repete.
 Também, no passado , um grande escritor, na época, de temas  de ficção cientifica, chamado Julio Verne, escreveu : Vinte mil léguas submarinas, Viagem ao Centro da Terra, Viagem a Lua, e outros mais, assuntos que para o tempo jamais se cogitava conhecer. No entanto, hoje, todas aquelas concepções previstas por ele já são realidade. Temos submarinos, temos usinas nucleares, o homem já aportou na lua, e já voa a velocidade do som. Temos computador cada dia mais avançados, e já se cogita criar seres humanos. Portanto a estória se repete, se não igual, mas muito parecido! No entanto, ai vai a pergunta, de onde Julio Verne tirou esses conhecimentos tão avançados? Todos sabemos que o homem não cria nada, apenas descobre o que Deus criou. Principalmente, descobrimos pela observação da Natureza. E uma grande parte, nossos mestres são os animais. Por exemplo: a libélula ensinou ao homem conceber o helicóptero. O beija Flor sugere um avião que pode parar no ar. O morcego e o golfinho deram origem ao radar e ao sonar. Estamos na era dos drones, verdadeira maravilha do homem moderno, e o que será que as invenções de hoje irão projetar para o futuro e para as nossas gerações?
A história há de se repetir! Aguardemos.

* José Wilson Brito Couto é professor emérito da UFS (aposentado)

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS