Índice de infestaçaão do Aedes aegypti cai 46% na capital

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O prefeito Edvaldo Nogueira apresenta novo levantamento do LIRAa
O prefeito Edvaldo Nogueira apresenta novo levantamento do LIRAa

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/09/2019 às 23:11:00

 

Um novo Levanta-
mento de Índice 
Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), apresentado na manhã de ontem pela Prefeitura de Aracaju, mostra que os casos da Dengue apresentaram uma queda significativa de 46% se comparado com a mesma análise realizada no início deste semestre em todos os bairros da capital sergipana. Os dados oficializados por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), mostram que o município passou de 2,6 (em julho) para 1,4, em setembro. Ao todo, entre o dia 1º de janeiro e a última quinta-feira, 12, foram registrados 2.416 casos notificados, 1.012 confirmados e quatro óbitos. Chama a atenção o alto indice de crianças vítimas do mosquito.
Dos casos notificados, 54,8% deles foram em crianças menores de 14 anos. Apesar de os números apresentarem avanços positivos no combate à Dengue, os resultados da 5ª avaliação epidemiológica a direção da SMS garantiu que o Plano de Intensificação de Combate ao Aedes aegypti deve permanecer por tempo indeterminado. De acordo com o prefeito Edvaldo Nogueira, diante da intensificação operacional realizada ao longo dos últimos dois meses, já era esperado que o novo LIRAa apresentasse novo cenário em Aracaju. A fim de seguir diminuindo o ranking negativo, as ações - do tipo mutirão, por exemplo - devem continuar nos 43 bairros aracajuanos.
"Em julho, quando foi feito o levantamento, identificamos que Aracaju tinha subido de 1,8 para 2,6 no LIRAa. Naquele momento, convoquei a todos para intensificar as ações contra o mosquito em uma verdadeira força-tarefa. E hoje, Aracaju voltou a registrar índices mais baixos, com 1,4 e se classificando como médio risco, o que é um grande avanço", avaliou Edvaldo. O novo levantamento indica ainda que nenhum bairro de Aracaju está com alto risco de infestação. Dos 43 bairros, 18 estão com baixo risco (42%) e 25 com médio. Outro ponto ressaltado pela Prefeitura de Aracaju refere-se à redução unificada da doença em regiões anteriorimente apontadas como as mais atingidas pelo mosquito.
Em contraponto ao levantamento anterior, todas as regiões cujo o Índice Predial era superior a 4, apresentam redução. Isso inclui, em especial, os bairros Olaria (era 7,2; agora é 0,2), José Conrado de Araújo (era 7,2; agora está em 1,4), Industrial (caiu de 7 para 3,2), Santo Antônio (de 7 para 3,3) e Dom Luciano (de 4,1 para 2). "Houve avanço, mas ainda não vencemos essa batalha. Por esse motivo continuaremos juntos na luta contra o mosquito, e pedindo sempre a participação de todos para evitar que tantas outras pessoas fiquem doente. Essa luta é de todos nós. Se continuarmos unidos contra o Aedes aegypti o próximo LIRAa apresentará resultados ainda mais positivos", completou Nogueira.
Brigada - A brigada de combate ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya nesse mês de setembro vai redobrar as ações em bairros que apresentam índice em 3,5. Essas atividades seguem ocorrendo durante os sábados. Para hoje a persectiva é que ao menos 1.613 imóveis localizados no bairro Palestina, zona Norte, sejam visitados. Já no dia 21, próximo final de semana, o bairro Pereira Lobo, que possui cerca de 2.081 imóveis, receberá o mutirão. A última visita deste mês ocorre na Cidade Nova, dia 28, qunado 5.130 imóveis estarão no alvo dos agentes de combate às endemias. Participam dessa ação: funcionários da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), que atua com agentes de limpeza; a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema); a Secretaria Municipal da Defesa Social (Semdec), com a Defesa Civil e Guarda Municipal; além de outras secretarias e órgãos municipais que cedem funcionários e servidores para auxiliar na tarefa de conscientização, por meio de panfletagem. "São cerca de 180 agentes, profissionais dedicados a fiscalizar o bairro, conversar com as pessoas, analisar cada canto propício para a proliferação do mosquito e contribuir para a imunização de todos. Esses 180 agentes de combate às endemias, recebendo a força dos mais de 600 mil aracajuanos, a tendência é que ganhemos essa luta", completou Edvaldo Nogueira.

Um novo Levanta- mento de Índice  Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), apresentado na manhã de ontem pela Prefeitura de Aracaju, mostra que os casos da Dengue apresentaram uma queda significativa de 46% se comparado com a mesma análise realizada no início deste semestre em todos os bairros da capital sergipana. Os dados oficializados por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), mostram que o município passou de 2,6 (em julho) para 1,4, em setembro. Ao todo, entre o dia 1º de janeiro e a última quinta-feira, 12, foram registrados 2.416 casos notificados, 1.012 confirmados e quatro óbitos. Chama a atenção o alto indice de crianças vítimas do mosquito.
Dos casos notificados, 54,8% deles foram em crianças menores de 14 anos. Apesar de os números apresentarem avanços positivos no combate à Dengue, os resultados da 5ª avaliação epidemiológica a direção da SMS garantiu que o Plano de Intensificação de Combate ao Aedes aegypti deve permanecer por tempo indeterminado. De acordo com o prefeito Edvaldo Nogueira, diante da intensificação operacional realizada ao longo dos últimos dois meses, já era esperado que o novo LIRAa apresentasse novo cenário em Aracaju. A fim de seguir diminuindo o ranking negativo, as ações - do tipo mutirão, por exemplo - devem continuar nos 43 bairros aracajuanos.
"Em julho, quando foi feito o levantamento, identificamos que Aracaju tinha subido de 1,8 para 2,6 no LIRAa. Naquele momento, convoquei a todos para intensificar as ações contra o mosquito em uma verdadeira força-tarefa. E hoje, Aracaju voltou a registrar índices mais baixos, com 1,4 e se classificando como médio risco, o que é um grande avanço", avaliou Edvaldo. O novo levantamento indica ainda que nenhum bairro de Aracaju está com alto risco de infestação. Dos 43 bairros, 18 estão com baixo risco (42%) e 25 com médio. Outro ponto ressaltado pela Prefeitura de Aracaju refere-se à redução unificada da doença em regiões anteriorimente apontadas como as mais atingidas pelo mosquito.
Em contraponto ao levantamento anterior, todas as regiões cujo o Índice Predial era superior a 4, apresentam redução. Isso inclui, em especial, os bairros Olaria (era 7,2; agora é 0,2), José Conrado de Araújo (era 7,2; agora está em 1,4), Industrial (caiu de 7 para 3,2), Santo Antônio (de 7 para 3,3) e Dom Luciano (de 4,1 para 2). "Houve avanço, mas ainda não vencemos essa batalha. Por esse motivo continuaremos juntos na luta contra o mosquito, e pedindo sempre a participação de todos para evitar que tantas outras pessoas fiquem doente. Essa luta é de todos nós. Se continuarmos unidos contra o Aedes aegypti o próximo LIRAa apresentará resultados ainda mais positivos", completou Nogueira.

Brigada - A brigada de combate ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya nesse mês de setembro vai redobrar as ações em bairros que apresentam índice em 3,5. Essas atividades seguem ocorrendo durante os sábados. Para hoje a persectiva é que ao menos 1.613 imóveis localizados no bairro Palestina, zona Norte, sejam visitados. Já no dia 21, próximo final de semana, o bairro Pereira Lobo, que possui cerca de 2.081 imóveis, receberá o mutirão. A última visita deste mês ocorre na Cidade Nova, dia 28, qunado 5.130 imóveis estarão no alvo dos agentes de combate às endemias. Participam dessa ação: funcionários da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), que atua com agentes de limpeza; a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema); a Secretaria Municipal da Defesa Social (Semdec), com a Defesa Civil e Guarda Municipal; além de outras secretarias e órgãos municipais que cedem funcionários e servidores para auxiliar na tarefa de conscientização, por meio de panfletagem. "São cerca de 180 agentes, profissionais dedicados a fiscalizar o bairro, conversar com as pessoas, analisar cada canto propício para a proliferação do mosquito e contribuir para a imunização de todos. Esses 180 agentes de combate às endemias, recebendo a força dos mais de 600 mil aracajuanos, a tendência é que ganhemos essa luta", completou Edvaldo Nogueira.