Custo e benefício

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/09/2019 às 22:46:00

 

A recuperação da Avenida Beira 
Mar começa a dar o que falar. Na 
opinião dos condutores de veículos, o andamento da obra é muito lento. Justa ou injusta, toda crítica tem a sua razão de ser. Estes pecam, no entanto, por adotar uma perspectiva francamente mesquinha. O transtorno é um fato. Mas a importância vital daquela via no cotidiano da cidade depõe em favor da iniciativa corajosa tomada pela Prefeitura de Aracaju.
Para ter uma ideia mais justa da relação entre o custo e o benefício derivados da empreitada, é preciso considerar não apenas o seu andamento vagaroso, já admitidos pelos gestores municipais, mas também o fluxo constante veículos na Beira Mar. Antes de tudo, é preciso se antecipar aos eventos e preparar a cidade para o futuro. Tudo indica, aquela avenida será sempre a principal ligação entre o centro da cidade e a zona sul de Aracaju.
De todo modo, após ajustes necessários, relacionados à capacidade operacional da empresa à frente da obra, esta já adotou um novo ritmo. De acordo com a Empresa Municipal de Obras e Urbanização, o cronograma inicial será mantido. Até o início do próximo ano, a Beira Mar será um tapete.
Para conquistar a tão falada mobilidade, Aracaju precisará sacrificar a ilusão de já estar pronta para o futuro. Em verdade, as obras necessárias para tanto deverão operar verdadeiras cirurgias no tecido urbano da cidade. O sacrifício salta à vista. Mas a recompensa tende a ser duradoura. Os motoristas inconformados com os engarrafamentos serão os primeiros beneficiados.

A recuperação da Avenida Beira  Mar começa a dar o que falar. Na  opinião dos condutores de veículos, o andamento da obra é muito lento. Justa ou injusta, toda crítica tem a sua razão de ser. Estes pecam, no entanto, por adotar uma perspectiva francamente mesquinha. O transtorno é um fato. Mas a importância vital daquela via no cotidiano da cidade depõe em favor da iniciativa corajosa tomada pela Prefeitura de Aracaju.
Para ter uma ideia mais justa da relação entre o custo e o benefício derivados da empreitada, é preciso considerar não apenas o seu andamento vagaroso, já admitidos pelos gestores municipais, mas também o fluxo constante veículos na Beira Mar. Antes de tudo, é preciso se antecipar aos eventos e preparar a cidade para o futuro. Tudo indica, aquela avenida será sempre a principal ligação entre o centro da cidade e a zona sul de Aracaju.
De todo modo, após ajustes necessários, relacionados à capacidade operacional da empresa à frente da obra, esta já adotou um novo ritmo. De acordo com a Empresa Municipal de Obras e Urbanização, o cronograma inicial será mantido. Até o início do próximo ano, a Beira Mar será um tapete.
Para conquistar a tão falada mobilidade, Aracaju precisará sacrificar a ilusão de já estar pronta para o futuro. Em verdade, as obras necessárias para tanto deverão operar verdadeiras cirurgias no tecido urbano da cidade. O sacrifício salta à vista. Mas a recompensa tende a ser duradoura. Os motoristas inconformados com os engarrafamentos serão os primeiros beneficiados.