PF adia conclusão de inquérito sobre acidente pela terceira vez

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/09/2019 às 23:32:00

 

À espera do resultado de laudos ainda não apresentados oficialmente, a Superintendência da Polícia Federal no Estado de Sergipe pediu, pela terceira vez, que a apresentação das causas do acidente aéreo que morte do cantor Gabriel Diniz e dos pilotos Abraão Farias e Linaldo Xavier, fosse adiada. A tragédia foi registrada no dia 27 de maio deste ano quando a aeronave caiu no povoado Porto do Mato, no município de Estância, em Sergipe. Por meio da assessoria de imprensa a PF informou que o inquérito apenas poderá ser concluído quando receber o resultado das perícias as quais seguem em fase de análise.
O primeiro pedido de adiamento foi protocolado em julho e o segundo no mês de agosto. Por meio de nota a corporação federal enalteceu que: "a conclusão só poderá ser feita quando essa documentação legal estiver juntada ao inquérito. Por se tratar de um embasamento científico seria prematuro a autoridade policial emitir qualquer juízo de valor." Também por intermédio de comunicado oficial o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) informou que segue acompanhando os trâmites da investigação. A proposta é minimizar que erros semelhantes resultem em novas tragédias.
Vale recordar que a aeronave Piper Cherokee PT-KLO foi fabricada em 1974 e só poderia fazer  voos de treinamento ou de instrução. Isso significa que o avião - de propriedade do Aeroclube do Estado de Alagoas - não poderia fazer, por exemplo, voos privados ou táxi aéreo. O transporte do cantor ocorria de forma clandestina. (Milton Alves Júnior)

À espera do resultado de laudos ainda não apresentados oficialmente, a Superintendência da Polícia Federal no Estado de Sergipe pediu, pela terceira vez, que a apresentação das causas do acidente aéreo que morte do cantor Gabriel Diniz e dos pilotos Abraão Farias e Linaldo Xavier, fosse adiada. A tragédia foi registrada no dia 27 de maio deste ano quando a aeronave caiu no povoado Porto do Mato, no município de Estância, em Sergipe. Por meio da assessoria de imprensa a PF informou que o inquérito apenas poderá ser concluído quando receber o resultado das perícias as quais seguem em fase de análise.
O primeiro pedido de adiamento foi protocolado em julho e o segundo no mês de agosto. Por meio de nota a corporação federal enalteceu que: "a conclusão só poderá ser feita quando essa documentação legal estiver juntada ao inquérito. Por se tratar de um embasamento científico seria prematuro a autoridade policial emitir qualquer juízo de valor." Também por intermédio de comunicado oficial o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) informou que segue acompanhando os trâmites da investigação. A proposta é minimizar que erros semelhantes resultem em novas tragédias.
Vale recordar que a aeronave Piper Cherokee PT-KLO foi fabricada em 1974 e só poderia fazer  voos de treinamento ou de instrução. Isso significa que o avião - de propriedade do Aeroclube do Estado de Alagoas - não poderia fazer, por exemplo, voos privados ou táxi aéreo. O transporte do cantor ocorria de forma clandestina. (Milton Alves Júnior)