Gualberto acredita que aprovação da PEC Paralela ajudaria ao estado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/09/2019 às 22:30:00

 

Após ouvir a apresentação do secretário de estado da Fazenda sobre as contas públicas de Sergipe, o deputado estadual Francisco Gualberto (PT), enfatizou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que vem sendo chamada de PEC Paralela precisa ser aprovada e, se for, irá comemorar mesmo sabendo que não resolverá, de imediato, os problemas do estado.
"Se aprovada a PEC Paralela, deve ajudar em alguma coisa Sergipe. Não passado pela Câmara dos Deputados, o estado terá que ter seu cardápio próprio para enfrentar com mais firmeza uma série de questões. Temos vários itens que se a gente for analisar com tranquilidade são inúmeros problemas que depende o estado, mas a grande maioria deles não depende apenas do estado de Sergipe", alertou.
Gualberto afirmou também que está sendo constituído um Consórcio dos Governadores do Nordeste para tratar de uma série de questões. "É preciso eliminar algumas coisas e o Governo do estado fez. Uma grande polêmica foi a existência de 6 mil cargos comissionados, quando na verdade, tinha um pouco mais de 3 mil para suprir todas as secretarias que não tem quadro próprio. Quando o governador fez a redução de secretarias diminuiu os cargos comissionados para um pouco mais de 2 mil, mas a crise continua", frisou.
Por fim, o parlamentar ressaltou que os 24 deputados têm atuar na Casa Legislativa diante da crise. "Sou defensor que não precisa empurrar com a barriga, mas é preciso que se defina algumas questões nacionais de alguma forma para a gente possa saber como podemos e devemos agir dentro dos parâmetros nacionais", afirmou.

Após ouvir a apresentação do secretário de estado da Fazenda sobre as contas públicas de Sergipe, o deputado estadual Francisco Gualberto (PT), enfatizou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que vem sendo chamada de PEC Paralela precisa ser aprovada e, se for, irá comemorar mesmo sabendo que não resolverá, de imediato, os problemas do estado.
"Se aprovada a PEC Paralela, deve ajudar em alguma coisa Sergipe. Não passado pela Câmara dos Deputados, o estado terá que ter seu cardápio próprio para enfrentar com mais firmeza uma série de questões. Temos vários itens que se a gente for analisar com tranquilidade são inúmeros problemas que depende o estado, mas a grande maioria deles não depende apenas do estado de Sergipe", alertou.
Gualberto afirmou também que está sendo constituído um Consórcio dos Governadores do Nordeste para tratar de uma série de questões. "É preciso eliminar algumas coisas e o Governo do estado fez. Uma grande polêmica foi a existência de 6 mil cargos comissionados, quando na verdade, tinha um pouco mais de 3 mil para suprir todas as secretarias que não tem quadro próprio. Quando o governador fez a redução de secretarias diminuiu os cargos comissionados para um pouco mais de 2 mil, mas a crise continua", frisou.
Por fim, o parlamentar ressaltou que os 24 deputados têm atuar na Casa Legislativa diante da crise. "Sou defensor que não precisa empurrar com a barriga, mas é preciso que se defina algumas questões nacionais de alguma forma para a gente possa saber como podemos e devemos agir dentro dos parâmetros nacionais", afirmou.