Praias do Nordeste ainda continuam com óleo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/10/2019 às 08:25:00

 

Milton Alves Júnior 
Um novo balanço re-
alizado pelo Institu-
to Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mostra que o índice de praias atingidas por óleo possivelmente oriundo da produção petrolífera subiu para 113. Dos nove estados nordestinos, oito - incluindo Sergipe - foram atingidos pelas camadas de óleo. Uma investigação do Ibama aponta que o produto que está poluindo as praias têm a mesma origem, mas ainda não é possível afirmar de onde ele viria. Na defensiva a direção nacional da Petrobras informou que trata-se de óleo cru, que não é produzido no Brasil. A princípio, a suspeita é que o petróleo tenha vindo de navios que passam pela região.
Essa é uma das linhas de investigação que, em estágio inicial, está sendo coordenada também pela Agência Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco (CPRH). Por meio de nota oficial a direção da Petrobras informou que : "analisamos amostras de óleo encontradas ao longo das últimas duas semanas em praias nos estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte e verificamos que o material encontrado não é produzido e nem comercializado pela companhia". Apesar do resultado negativo, a estatal informou que segue contribuindo no que for preciso para tentar identificar a origem e a causa do vazamento de óleo.
Sobre as ações de fiscalização iniciada na semana passada, a empresa informou que monitoramento é realizado pelas equipes do Centro de Defesa Ambiental da Petrobrás, sob coordenação do Ibama. Até o início da noite de ontem 13 tartarugas marinhas foram encontradas mortas no Nordeste brasileiro com manchas de óleo. Esse registro refere-se aos últimos cinco dias, justamente quando os indícios de poluição começaram a surgir. Apesar dos danos causados à natureza, a direção da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), informou que as praias - em especial as do Norte sergipano - estão aptas para banho. A preocupação fica por conta da região Sul.
Em comunicado oficial o Ibama informou que: "as equipes de emergência do Ibama em Sergipe estiveram em campo no sábado e no domingo, percorreram mais de 30 km da costa do litoral. Conforme os registros, a localidade afetada está ampliando, ainda tem manchas chegando em praias mais para o Sul". Um novo levantamento deve ser apresentado pelos órgãos de fiscalização até a próxima sexta-feira, 04.

Milton Alves Júnior 

Um novo balanço re- alizado pelo Institu- to Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mostra que o índice de praias atingidas por óleo possivelmente oriundo da produção petrolífera subiu para 113. Dos nove estados nordestinos, oito - incluindo Sergipe - foram atingidos pelas camadas de óleo. Uma investigação do Ibama aponta que o produto que está poluindo as praias têm a mesma origem, mas ainda não é possível afirmar de onde ele viria. Na defensiva a direção nacional da Petrobras informou que trata-se de óleo cru, que não é produzido no Brasil. A princípio, a suspeita é que o petróleo tenha vindo de navios que passam pela região.
Essa é uma das linhas de investigação que, em estágio inicial, está sendo coordenada também pela Agência Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco (CPRH). Por meio de nota oficial a direção da Petrobras informou que : "analisamos amostras de óleo encontradas ao longo das últimas duas semanas em praias nos estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte e verificamos que o material encontrado não é produzido e nem comercializado pela companhia". Apesar do resultado negativo, a estatal informou que segue contribuindo no que for preciso para tentar identificar a origem e a causa do vazamento de óleo.
Sobre as ações de fiscalização iniciada na semana passada, a empresa informou que monitoramento é realizado pelas equipes do Centro de Defesa Ambiental da Petrobrás, sob coordenação do Ibama. Até o início da noite de ontem 13 tartarugas marinhas foram encontradas mortas no Nordeste brasileiro com manchas de óleo. Esse registro refere-se aos últimos cinco dias, justamente quando os indícios de poluição começaram a surgir. Apesar dos danos causados à natureza, a direção da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), informou que as praias - em especial as do Norte sergipano - estão aptas para banho. A preocupação fica por conta da região Sul.
Em comunicado oficial o Ibama informou que: "as equipes de emergência do Ibama em Sergipe estiveram em campo no sábado e no domingo, percorreram mais de 30 km da costa do litoral. Conforme os registros, a localidade afetada está ampliando, ainda tem manchas chegando em praias mais para o Sul". Um novo levantamento deve ser apresentado pelos órgãos de fiscalização até a próxima sexta-feira, 04.