SES articula com municípios estratégias para a Campanha de Vacinação contra o Sarampo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O objetivo é intensificar a campanha em todos os municípios sergipanos
O objetivo é intensificar a campanha em todos os municípios sergipanos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/10/2019 às 23:37:00

 

A Gerência de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES) reuniu na manhã desta terça-feira, no auditório da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), coordenadores dos 75 municípios sergipanos responsáveis pela vacinação. O tema do encontro foi a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, doença viral altamente contagiosa que pode deixar sequelas e, em casos graves, ser fatal. O estado de Sergipe tem, atualmente, 48 casos notificados, três confirmados - dois em Estância e um em Areia Branca -, 30 casos descartados, 15 em investigação e nenhum óbito.
A Campanha, que é nacional, terá duas fases: a primeira acontecerá de 7 a 25 de outubro, com foco nas crianças de 6 meses a menores de 5 anos, com o dia 'D' no sábado, 19; a segunda etapa começará em 18 de novembro e se estenderá até o dia 30 do mesmo mês que será, também, o dia 'D'. O público alvo, nesta fase, será a população de 20 a 29 anos.
Segundo a gerente de Imunização da SES, Sândala Teles, a vacina contra o sarampo não é nova, ela está disponível para a população na rotina do Serviço de Saúde, na faixa etária de 1 a 49 anos e a Campanha vem como um reforço. O estado de Sergipe, hoje, está com a cobertura vacinal para a doença abaixo do ideal. De acordo com os registros, a primeira dose em crianças está com 93% de cobertura e a segunda dose com 72%, apenas.
"Nós precisamos fazer a busca dessas crianças não vacinadas. A campanha é voltada para a criança e para o adulto jovem porque são as faixas etárias mais acometidas pela doença. Estamos aqui reunidos com os coordenadores dos 75 municípios, as pessoas responsáveis pela vacina em cada localidade, para fazer uma preparação para a essa Campanha. Além da vacina contra o sarampo nós também vamos atualizar todas as outras vacinas de rotina, por isso é importante levar a carteira de vacinação. Não podemos perder tempo. O país está em alerta, estamos vendo os casos aparecerem e isso está acontecendo porque as pessoas não estão vacinadas", reforçou Sândala.

A Gerência de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES) reuniu na manhã desta terça-feira, no auditório da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), coordenadores dos 75 municípios sergipanos responsáveis pela vacinação. O tema do encontro foi a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, doença viral altamente contagiosa que pode deixar sequelas e, em casos graves, ser fatal. O estado de Sergipe tem, atualmente, 48 casos notificados, três confirmados - dois em Estância e um em Areia Branca -, 30 casos descartados, 15 em investigação e nenhum óbito.
A Campanha, que é nacional, terá duas fases: a primeira acontecerá de 7 a 25 de outubro, com foco nas crianças de 6 meses a menores de 5 anos, com o dia 'D' no sábado, 19; a segunda etapa começará em 18 de novembro e se estenderá até o dia 30 do mesmo mês que será, também, o dia 'D'. O público alvo, nesta fase, será a população de 20 a 29 anos.
Segundo a gerente de Imunização da SES, Sândala Teles, a vacina contra o sarampo não é nova, ela está disponível para a população na rotina do Serviço de Saúde, na faixa etária de 1 a 49 anos e a Campanha vem como um reforço. O estado de Sergipe, hoje, está com a cobertura vacinal para a doença abaixo do ideal. De acordo com os registros, a primeira dose em crianças está com 93% de cobertura e a segunda dose com 72%, apenas.
"Nós precisamos fazer a busca dessas crianças não vacinadas. A campanha é voltada para a criança e para o adulto jovem porque são as faixas etárias mais acometidas pela doença. Estamos aqui reunidos com os coordenadores dos 75 municípios, as pessoas responsáveis pela vacina em cada localidade, para fazer uma preparação para a essa Campanha. Além da vacina contra o sarampo nós também vamos atualizar todas as outras vacinas de rotina, por isso é importante levar a carteira de vacinação. Não podemos perder tempo. O país está em alerta, estamos vendo os casos aparecerem e isso está acontecendo porque as pessoas não estão vacinadas", reforçou Sândala.