Morte de garota por dengue é descartada, mas surge outro caso

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/10/2019 às 09:21:00

 

A Secretaria Municipal da Saúde de Aracaju informou ontem que Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen) descartou oficialmente as suspeitas de dengue, zika e Chikungunya para o caso da adolescente Ana Laura Santos Oliveira, 16 anos, que morreu nesta segunda-feira, depois de ficar três dias internada no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). A conclusão veio após os resultados da virologia e sorologia realizadas na jovem de 16 anos, que residia no bairro 18 do Forte. A causa do óbito ainda está sob investigação.
A vítima deu entrada na última sexta-feira, com quadro de febre alta, dores e sangramentos. O estado de saúde era grave e chegou a ser levada para a UTI, mas não resistiu. Na ocasião do enterro, os parentes criticaram a forma como a adolescente foi atendida, principalmente no Nestor Piva. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) negou as queixas de mau atendimento e disse que a família foi orientada a encaminhar a jovem ao Huse para fazer o exame de sorologia, que não é feito na unidade municipal. 
Também na tarde de ontem, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que apura as causas da morte de uma menina de oito anos, que morava em Riachuelo, mas estava internada em um hospital particular da capital sergipana e morreu com suspeita de dengue. Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica do Estado, Mércia Feitosa, amostras de sangue da criança foram solicitadas junto ao hospital em que ela estava internada, com o objetivo de realizar a sorologia para Dengue no Lacen.
Se a causa da morte da menina for mesmo confirmada como dengue hemorrágica, ela será a 13ª vítima fatal da doença em Sergipe neste ano. Desde janeiro, de acordo com dados da Secretaria Estadual da saúde, são 8.655 casos notificados em praticamente todos os municípios, com 3.644 confirmados. A maioria dos casos notificados foi registrada em Aracaju, mas as situações mais graves, incluindo a maioria das 12 mortes causadas pela doença, tem sido registradas na região do Sertão.

A Secretaria Municipal da Saúde de Aracaju informou ontem que Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen) descartou oficialmente as suspeitas de dengue, zika e Chikungunya para o caso da adolescente Ana Laura Santos Oliveira, 16 anos, que morreu nesta segunda-feira, depois de ficar três dias internada no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). A conclusão veio após os resultados da virologia e sorologia realizadas na jovem de 16 anos, que residia no bairro 18 do Forte. A causa do óbito ainda está sob investigação.
A vítima deu entrada na última sexta-feira, com quadro de febre alta, dores e sangramentos. O estado de saúde era grave e chegou a ser levada para a UTI, mas não resistiu. Na ocasião do enterro, os parentes criticaram a forma como a adolescente foi atendida, principalmente no Nestor Piva. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) negou as queixas de mau atendimento e disse que a família foi orientada a encaminhar a jovem ao Huse para fazer o exame de sorologia, que não é feito na unidade municipal. 
Também na tarde de ontem, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que apura as causas da morte de uma menina de oito anos, que morava em Riachuelo, mas estava internada em um hospital particular da capital sergipana e morreu com suspeita de dengue. Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica do Estado, Mércia Feitosa, amostras de sangue da criança foram solicitadas junto ao hospital em que ela estava internada, com o objetivo de realizar a sorologia para Dengue no Lacen.
Se a causa da morte da menina for mesmo confirmada como dengue hemorrágica, ela será a 13ª vítima fatal da doença em Sergipe neste ano. Desde janeiro, de acordo com dados da Secretaria Estadual da saúde, são 8.655 casos notificados em praticamente todos os municípios, com 3.644 confirmados. A maioria dos casos notificados foi registrada em Aracaju, mas as situações mais graves, incluindo a maioria das 12 mortes causadas pela doença, tem sido registradas na região do Sertão.