Laranjas: Belivaldo nega envolvimento e quer que Marleide se explique

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/10/2019 às 09:25:00

 

O governador Belivaldo Chagas (PSD) negou ontem que sua campanha teve qualquer irregularidade relacionada ao uso do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), conhecido como 'Fundo Partidário'. A chapa com a qual ele concorreu à reeleição, durante as eleições de 2018, foi citada nas investigações feitas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre os gastos de campanha da ex-candidata Marleide Cristina dos Santos (MDB), alvo dos mandados de busca e apreensão cumpridos nesta quarta-feira pela Polícia Federal. 
De acordo com informações extra-oficiais, o registro de pessoa jurídica da campanha de Marleide aparece em cartazes de campanha de Belivaldo, do então candidato a senador Jackson Barreto (MDB), e do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Fotos destes cartazes foram tiradas pela Polícia Federal e divulgadas em uma reportagem da TV Atalaia. De acordo com a PF, a candidata tinha pouca visibilidade política e recebeu poucos votos, mas quase R$ 500 mil do Fundo Partidário, "valor muito superior ao recebido por outros integrantes do partido que tiveram votação bem mais expressiva".
Belivaldo foi questionado na saída de uma reunião com empresários na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e disse que as explicações precisam ser dadas por Marleide. "Em nenhum momento, qualquer centavo da campanha da candidata Marleide caiu nas contas da candidatura de Belivaldo e Eliane. Nunca tive contato com esta cidadã e não conheço a forma como ela fez a prestação de contas. Posso garantir que não há nenhum tipo de contaminação. É ela quem vai ter que se explicar à Polícia Federal, e não nós", rebateu o governador.

O governador Belivaldo Chagas (PSD) negou ontem que sua campanha teve qualquer irregularidade relacionada ao uso do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), conhecido como 'Fundo Partidário'. A chapa com a qual ele concorreu à reeleição, durante as eleições de 2018, foi citada nas investigações feitas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre os gastos de campanha da ex-candidata Marleide Cristina dos Santos (MDB), alvo dos mandados de busca e apreensão cumpridos nesta quarta-feira pela Polícia Federal. 
De acordo com informações extra-oficiais, o registro de pessoa jurídica da campanha de Marleide aparece em cartazes de campanha de Belivaldo, do então candidato a senador Jackson Barreto (MDB), e do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Fotos destes cartazes foram tiradas pela Polícia Federal e divulgadas em uma reportagem da TV Atalaia. De acordo com a PF, a candidata tinha pouca visibilidade política e recebeu poucos votos, mas quase R$ 500 mil do Fundo Partidário, "valor muito superior ao recebido por outros integrantes do partido que tiveram votação bem mais expressiva".
Belivaldo foi questionado na saída de uma reunião com empresários na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e disse que as explicações precisam ser dadas por Marleide. "Em nenhum momento, qualquer centavo da campanha da candidata Marleide caiu nas contas da candidatura de Belivaldo e Eliane. Nunca tive contato com esta cidadã e não conheço a forma como ela fez a prestação de contas. Posso garantir que não há nenhum tipo de contaminação. É ela quem vai ter que se explicar à Polícia Federal, e não nós", rebateu o governador.