Moda dos super-heróis entre o público LGBT pode ter tido início com vlogger gay de Pedro Marinho Neto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/10/2019 às 10:50:00

 

O público LGBT tem cada vez mais se interessado pelo universo dos super-heróis. Até mesmo os grandes estúdios como Marvel e DC estão lançando ou investindo em heróis assumidamente gays, como o casal adolescente Hulkling e Wiccano, um dos mais famosos romances LGBT da Marvel, o que vai de encontro aos anseios do segmento LGBT que busca ter maior representação, dada a sua proporcionalidade na sociedade.
No Brasil, antes dos super heróis se tornarem os queridinhos do público LGBT, alguns vloggers e influenciadores digitais já eram fãs de HQs e das personagens, propagando o gosto pelas obras de ficção entre o público gay. Pedro Marinho Neto foi um destes pioneiros:
"Sempre gostei de filmes e revistas em quadrinhos de heróis, desde criança o universo fantástico dos super heróis e suas incríveis habilidades e poderes me chamava atenção. No entanto, em 2016 comecei a trazer isto para o mundo digital de modo mais intenso, através dos meus posts no Instagram e vídeos. Acredito que posso ter influenciado algumas pessoas com esta atitude".
Pedro Marinho aponta que a temática dos heróis em sua concepção tem muito a ver com as demandas da causa e da comunidade LGBT: "Nas estórias de heróis alguns deles são rejeitados pela sociedade por serem diferentes, mutantes, exóticos aos olhos da sociedade.

O público LGBT tem cada vez mais se interessado pelo universo dos super-heróis. Até mesmo os grandes estúdios como Marvel e DC estão lançando ou investindo em heróis assumidamente gays, como o casal adolescente Hulkling e Wiccano, um dos mais famosos romances LGBT da Marvel, o que vai de encontro aos anseios do segmento LGBT que busca ter maior representação, dada a sua proporcionalidade na sociedade.
No Brasil, antes dos super heróis se tornarem os queridinhos do público LGBT, alguns vloggers e influenciadores digitais já eram fãs de HQs e das personagens, propagando o gosto pelas obras de ficção entre o público gay. Pedro Marinho Neto foi um destes pioneiros:
"Sempre gostei de filmes e revistas em quadrinhos de heróis, desde criança o universo fantástico dos super heróis e suas incríveis habilidades e poderes me chamava atenção. No entanto, em 2016 comecei a trazer isto para o mundo digital de modo mais intenso, através dos meus posts no Instagram e vídeos. Acredito que posso ter influenciado algumas pessoas com esta atitude".
Pedro Marinho aponta que a temática dos heróis em sua concepção tem muito a ver com as demandas da causa e da comunidade LGBT: "Nas estórias de heróis alguns deles são rejeitados pela sociedade por serem diferentes, mutantes, exóticos aos olhos da sociedade.