Pabllo Vittar foi longe demais

Geral


  • Sem blá, blá, blá

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
A cantora Pabllo Vit
tar foi eleita uma 
das líderes da próxima geração pela revista Time. A lista divulgada pela publicação gringa reúne dez jovens que colaboram para mudanças mundiais relacionadas à política, moda, esportes, cultura comportamento. E por aí vai.
"Nos últimos quatro anos, a drag queen e pop star brasileira de 24 anos se consolidou como alguém a ser notada em vários aspectos, integrando perfeitamente sua vida pessoal ao cultural e político e usando seu alcance de estrela musical para exigir igualdade para as comunidades LGBT do Brasil e de outros países", diz a revista.
Cá para nós, modéstia à parte, para o leitor habitual do Jornal do Dia, a Time não comunica novidade nenhuma. Faz tempo que esta página avisa, reproduzindo a ironia fina das redes sociais: Agora a Pabllo Vittar foi longe demais.
Pabllo Vittar não é melhor nem pior, em comparação com a média do pop globalizado made in Brasil. Pretende uma carreira de sucessos descartáveis, ancorados na produção de clipes bombados no Youtube, destinados ao consumo ligeiro e a satisfação imediata. Lógica fast food. Sem ímpeto de originalidade. E, no entanto, é forçoso admitir, a face da cantora vem sobressaindo, cada vez mais distinta, no mar de feições em tudo parecidas que povoam a sub cultura da celebridade.
A atitude lacradora de Vittar não difere em nada da persona ostentada por tantas cantoras do gênero. Figurino, maquiagem, coreografias, gestos e declarações públicas seguem à risca o manual das poderosas. Se a música e a trajetória da artista é a mais conformada, e não justifica o volume do "oba, oba" celebrando a aparição, a explicação para o assombro computado em shares e views nas plataformas de streaming deve ser procurada nela própria - Pablo Vittar em carne e osso.
Vittar é talvez a encarnação mais pronta e acabada dos valores emergentes aqui e agora. Tentativas anteriores, mais ou menos frustradas, falharam onde a drag acerta em cheio, sem fazer esforço: Ao invés de formulações elaboradas e, muitas vezes, francamente desastradas (vide o lamentável episódio Hooker X Matogrosso), no lugar de discursos em favor da diversidade e muito blá, blá, blá, Pabllo Vittar diz tudo com o próprio corpo, empenhada em rebolar.
Goste-se ou não da música de Vittar, refrões pegajosos, dos quais ninguém lembrará em poucos meses, o seu rebolado é mais que um poema. E é sambando na cara da sociedade que ela se afirma artisticamente.
Isso tudo eu já disse e repeti, em mais de uma oportunidade. Mas a moça segue causando, em momento sensível para as liberdades individuais, as mais caras à militância LGBTQ+. Sim, ela assina um trabalho artístico de gosto duvidoso. Mas se servir para aborrecer os simpatizantes do projeto de poder neopetencostal, de inspiração fascista, pra mim está muito bem.

A cantora Pabllo Vit tar foi eleita uma  das líderes da próxima geração pela revista Time. A lista divulgada pela publicação gringa reúne dez jovens que colaboram para mudanças mundiais relacionadas à política, moda, esportes, cultura comportamento. E por aí vai.
"Nos últimos quatro anos, a drag queen e pop star brasileira de 24 anos se consolidou como alguém a ser notada em vários aspectos, integrando perfeitamente sua vida pessoal ao cultural e político e usando seu alcance de estrela musical para exigir igualdade para as comunidades LGBT do Brasil e de outros países", diz a revista.
Cá para nós, modéstia à parte, para o leitor habitual do Jornal do Dia, a Time não comunica novidade nenhuma. Faz tempo que esta página avisa, reproduzindo a ironia fina das redes sociais: Agora a Pabllo Vittar foi longe demais.
Pabllo Vittar não é melhor nem pior, em comparação com a média do pop globalizado made in Brasil. Pretende uma carreira de sucessos descartáveis, ancorados na produção de clipes bombados no Youtube, destinados ao consumo ligeiro e a satisfação imediata. Lógica fast food. Sem ímpeto de originalidade. E, no entanto, é forçoso admitir, a face da cantora vem sobressaindo, cada vez mais distinta, no mar de feições em tudo parecidas que povoam a sub cultura da celebridade.
A atitude lacradora de Vittar não difere em nada da persona ostentada por tantas cantoras do gênero. Figurino, maquiagem, coreografias, gestos e declarações públicas seguem à risca o manual das poderosas. Se a música e a trajetória da artista é a mais conformada, e não justifica o volume do "oba, oba" celebrando a aparição, a explicação para o assombro computado em shares e views nas plataformas de streaming deve ser procurada nela própria - Pablo Vittar em carne e osso.
Vittar é talvez a encarnação mais pronta e acabada dos valores emergentes aqui e agora. Tentativas anteriores, mais ou menos frustradas, falharam onde a drag acerta em cheio, sem fazer esforço: Ao invés de formulações elaboradas e, muitas vezes, francamente desastradas (vide o lamentável episódio Hooker X Matogrosso), no lugar de discursos em favor da diversidade e muito blá, blá, blá, Pabllo Vittar diz tudo com o próprio corpo, empenhada em rebolar.
Goste-se ou não da música de Vittar, refrões pegajosos, dos quais ninguém lembrará em poucos meses, o seu rebolado é mais que um poema. E é sambando na cara da sociedade que ela se afirma artisticamente.
Isso tudo eu já disse e repeti, em mais de uma oportunidade. Mas a moça segue causando, em momento sensível para as liberdades individuais, as mais caras à militância LGBTQ+. Sim, ela assina um trabalho artístico de gosto duvidoso. Mas se servir para aborrecer os simpatizantes do projeto de poder neopetencostal, de inspiração fascista, pra mim está muito bem.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS