Governo de Sergipe e Agência Nacional de Águas avaliam a situação do Baixo São Francisco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
ANA AUTORIZA AUMENTO DA VAZÃO DA BARRAGEM DE XINGÓ, CASO IBAMA CONSIDERE MEDIDA NECESSÁRIA PARA LIMPAR ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO
ANA AUTORIZA AUMENTO DA VAZÃO DA BARRAGEM DE XINGÓ, CASO IBAMA CONSIDERE MEDIDA NECESSÁRIA PARA LIMPAR ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/10/2019 às 22:31:00

 

Em reunião realizada na sala de Acompanhamento da Operação do Sistema Hídrico do Rio São Francisco, com o objetivo avaliar a situação do Baixo São Francisco, após o surgimento das manchas de óleo próximo à região, a Agência Nacional de Águas (ANA) decidiu pelo aumento da vazão na hidrelétrica de Xingó (AL/SE), que atualmente é de aproximadamente 800m³/s, para uma vazão de 1.300m³/s. Mas a medida somente será adotada caso a análise ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) identifique risco de contaminação da água do rio pelo óleo na região próxima à foz. 
A reunião teve a presença do Superintendente Especial de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Ailton Rocha e contou com a participação de uma série de instituições, como: Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Ministério de Minas e Energia (MME), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Casa Civil, IBAMA, Marinha do Brasil, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade de Sergipe (SEDURBS/SE), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH/AL), Agência Pernambucana de Água e Clima (APAC), Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (INEMA/BA), dentre outros participantes.
Segundo o superintendente, caso a medida preventiva seja necessária, as águas que passam por Xingó, que é a fio d'água (não possui reservatório), levarão cerca de 50 horas para chegarem à foz do Velho Chico na divisa entre Alagoas e Sergipe, já que a hidrelétrica está a 179 km da foz do rio. "Caso seja necessário, o aumento da vazão em Xingó causará um incremento na geração hidrelétrica na bacia hidrográfica do rio São Francisco sem comprometer a segurança hídrica na região", explicou.
Isso porque foi limitada a duração da medida, caso o IBAMA peça a entrada em vigor da nova vazão. O volume útil do reservatório de Sobradinho somente poderá ser reduzido em 1 ponto percentual. A barragem acumula um volume útil de 34,47%. Há um ano o reservatório estava com 24,04% de seu volume útil. 

Em reunião realizada na sala de Acompanhamento da Operação do Sistema Hídrico do Rio São Francisco, com o objetivo avaliar a situação do Baixo São Francisco, após o surgimento das manchas de óleo próximo à região, a Agência Nacional de Águas (ANA) decidiu pelo aumento da vazão na hidrelétrica de Xingó (AL/SE), que atualmente é de aproximadamente 800m³/s, para uma vazão de 1.300m³/s. Mas a medida somente será adotada caso a análise ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) identifique risco de contaminação da água do rio pelo óleo na região próxima à foz. 
A reunião teve a presença do Superintendente Especial de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Ailton Rocha e contou com a participação de uma série de instituições, como: Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Ministério de Minas e Energia (MME), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Casa Civil, IBAMA, Marinha do Brasil, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade de Sergipe (SEDURBS/SE), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH/AL), Agência Pernambucana de Água e Clima (APAC), Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (INEMA/BA), dentre outros participantes.
Segundo o superintendente, caso a medida preventiva seja necessária, as águas que passam por Xingó, que é a fio d'água (não possui reservatório), levarão cerca de 50 horas para chegarem à foz do Velho Chico na divisa entre Alagoas e Sergipe, já que a hidrelétrica está a 179 km da foz do rio. "Caso seja necessário, o aumento da vazão em Xingó causará um incremento na geração hidrelétrica na bacia hidrográfica do rio São Francisco sem comprometer a segurança hídrica na região", explicou.
Isso porque foi limitada a duração da medida, caso o IBAMA peça a entrada em vigor da nova vazão. O volume útil do reservatório de Sobradinho somente poderá ser reduzido em 1 ponto percentual. A barragem acumula um volume útil de 34,47%. Há um ano o reservatório estava com 24,04% de seu volume útil.