Corpo de Bombeiros alerta para fraude de taxa de incêndio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/10/2019 às 10:26:00

 

O Corpo de Bombeiros de Sergipe pode ter sido vítima de um golpe. Segundo denúncia divulgada ontem pela corporação, criminosos teriam forjado e enviado e-mails com emblemas e logotipos oficiais, exigindo o pagamento de uma taxa de cobrança contra incêndios. Pelo menos quatro pessoas procuraram o comando dos Bombeiros para questionar a suposta taxa e foram informados de que não existia nenhuma cobrança em nome da Corporação. Um oficial destacado pelo Comando esteve ontem na Coordenadoria de Polícia da Capital (Copcal), onde prestou um boletim de ocorrência e pediu que a Polícia Civil investigue o caso. 
Segundo o capitão CBM Luiz Eduardo, a desconfiança surgiu depois que o Setor de Atividades técnicas da Instituição foi procurado por alguns moradores, que estavam recebendo e-mails referentes à suposta taxa de incêndio cobrada. "A Corporação não faz esse tipo de cobrança sobre taxa de incêndio e não enviamos boletos por e-mail e logo percebemos que se tratava de uma fraude", explicou o capitão. 
Em alguns casos, o Corpo de Bombeiros cobra taxas, como em fiscalização, vistoria, análises de projetos ou processos simplificados de regularização de estabelecimentos comerciais. Há também cobranças referentes à regularização de residências e residencial multifamiliar, que são previamente agendados nos quartéis do Corpo de Bombeiros ou pelo site dat.cbm.se.gov.br.   
 "Solicitamos a uma das vítimas que entrou em contato com o Corpo de Bombeiros que nos enviasse o e-mail recebido e, quando recebemos, percebemos que se trata de uma fraude. Um boleto do Bradesco enviado pelo endereço do Outlook e não pelo email oficial da corporação. No texto, as informações eram falsas, contendo leis que são usadas apenas no estado de Minas Gerais." completou o capitão Luiz Eduardo, esclarecendo que o CBM só tem convênio com o Banco do Estado de Sergipe (Banese) e não envia faturas de cobranças por e-mail. Todos os boletos devem ser solicitados pelo site oficial, onde o próprio contribuinte gera o boleto de pagamento. 
Até o momento, quatro vítimas entraram em contato e prestaram queixa oficialmente à Corporação. Aqueles que foram lesados ou receberam algum e-mail devem fazer um boletim de ocorrência levando os prints dos e-mails recebido para comprovar a fraude. As vítimas que receberem qualquer e-mail com cobrança indevida podem entrar em contato com as unidades do Corpo de Bombeiros da capital e do interior ou através do telefone 193.

O Corpo de Bombeiros de Sergipe pode ter sido vítima de um golpe. Segundo denúncia divulgada ontem pela corporação, criminosos teriam forjado e enviado e-mails com emblemas e logotipos oficiais, exigindo o pagamento de uma taxa de cobrança contra incêndios. Pelo menos quatro pessoas procuraram o comando dos Bombeiros para questionar a suposta taxa e foram informados de que não existia nenhuma cobrança em nome da Corporação. Um oficial destacado pelo Comando esteve ontem na Coordenadoria de Polícia da Capital (Copcal), onde prestou um boletim de ocorrência e pediu que a Polícia Civil investigue o caso. 
Segundo o capitão CBM Luiz Eduardo, a desconfiança surgiu depois que o Setor de Atividades técnicas da Instituição foi procurado por alguns moradores, que estavam recebendo e-mails referentes à suposta taxa de incêndio cobrada. "A Corporação não faz esse tipo de cobrança sobre taxa de incêndio e não enviamos boletos por e-mail e logo percebemos que se tratava de uma fraude", explicou o capitão. 
Em alguns casos, o Corpo de Bombeiros cobra taxas, como em fiscalização, vistoria, análises de projetos ou processos simplificados de regularização de estabelecimentos comerciais. Há também cobranças referentes à regularização de residências e residencial multifamiliar, que são previamente agendados nos quartéis do Corpo de Bombeiros ou pelo site dat.cbm.se.gov.br.   
 "Solicitamos a uma das vítimas que entrou em contato com o Corpo de Bombeiros que nos enviasse o e-mail recebido e, quando recebemos, percebemos que se trata de uma fraude. Um boleto do Bradesco enviado pelo endereço do Outlook e não pelo email oficial da corporação. No texto, as informações eram falsas, contendo leis que são usadas apenas no estado de Minas Gerais." completou o capitão Luiz Eduardo, esclarecendo que o CBM só tem convênio com o Banco do Estado de Sergipe (Banese) e não envia faturas de cobranças por e-mail. Todos os boletos devem ser solicitados pelo site oficial, onde o próprio contribuinte gera o boleto de pagamento. 
Até o momento, quatro vítimas entraram em contato e prestaram queixa oficialmente à Corporação. Aqueles que foram lesados ou receberam algum e-mail devem fazer um boletim de ocorrência levando os prints dos e-mails recebido para comprovar a fraude. As vítimas que receberem qualquer e-mail com cobrança indevida podem entrar em contato com as unidades do Corpo de Bombeiros da capital e do interior ou através do telefone 193.