Bolsa Família não é esmola

Opinião

 

O presidente Jair Bolsonaro assi-
nou ontem Medida Provisória 
que prevê o pagamento de um 13º salário para beneficiários do Bolsa Família. O pagamento será no mesmo valor do benefício e acontecerá no calendário regular, já estabelecido pelo programa social. Finalmente, entre tantos despautérios, o populismo descarado redunda em um gesto aceitável do presidente.
Os programas de transferência de renda começaram a ser adotados no Brasil durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Ampliado desde o primeiro mandato de Lula, sempre mereceu a alcunha de "bolsa esmola" pelos adversários do Partido dos Trabalhadores. Além do seu evidente apelo eleitoral, contudo, há razão de sobra para o governo federal insistir na distribuição do auxílio. Antes de todos, a economia agradece.
Em primeiro lugar, ao contrário do que afirmam os desinformados, o investimento jamais manteve milionários. O Bolsa Família é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 179 mensais. 
Infelizmente, os brasileiros em situação miserável ainda são muitos. Em setembro, 13,5 milhões de famílias foram atendidas a um custo de R$ 2,5 bilhões. O benefício médio registrado pelo governo foi de R$ 189,21.
Em um País incapaz de oferecer uma oportunidade a 13 milhões de desempregados, a fome é um dado da realidade. O pagamento do Bolsa Família tem sim, portanto, uma face assistencialista. No entanto, as consequências virtuosas na economia, derivadas do consumo entre os mais pobres, não são menos importantes.

O presidente Jair Bolsonaro assinou ontem Medida Provisória  que prevê o pagamento de um 13º salário para beneficiários do Bolsa Família. O pagamento será no mesmo valor do benefício e acontecerá no calendário regular, já estabelecido pelo programa social. Finalmente, entre tantos despautérios, o populismo descarado redunda em um gesto aceitável do presidente.
Os programas de transferência de renda começaram a ser adotados no Brasil durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Ampliado desde o primeiro mandato de Lula, sempre mereceu a alcunha de "bolsa esmola" pelos adversários do Partido dos Trabalhadores. Além do seu evidente apelo eleitoral, contudo, há razão de sobra para o governo federal insistir na distribuição do auxílio. Antes de todos, a economia agradece.
Em primeiro lugar, ao contrário do que afirmam os desinformados, o investimento jamais manteve milionários. O Bolsa Família é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 179 mensais. 
Infelizmente, os brasileiros em situação miserável ainda são muitos. Em setembro, 13,5 milhões de famílias foram atendidas a um custo de R$ 2,5 bilhões. O benefício médio registrado pelo governo foi de R$ 189,21.
Em um País incapaz de oferecer uma oportunidade a 13 milhões de desempregados, a fome é um dado da realidade. O pagamento do Bolsa Família tem sim, portanto, uma face assistencialista. No entanto, as consequências virtuosas na economia, derivadas do consumo entre os mais pobres, não são menos importantes.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS