Sejuc organiza presos por perfil e realiza transferências

Geral

 

Com o intuito de dar continuidade ao processo de mudança de perfil dos internos do Presídio Regional Senador Leite Neto (Preslen), em Nossa Senhora da Glória, as unidades que compõem a Secretaria de Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc) e do Departamento do Sistema Prisional (Desipe) realizaram a transferência de internos entre pavilhões e para outras unidades.
A unidade tem o perfil de custodiar internos relacionados a crimes sexuais, de violência doméstica e também contra idosos. Por isso, está sendo realizado o processo de transferência de internos. "Graças a ações como essas e com a integração das equipes da Sejuc e Desipe, que conseguimos manter o sistema equilibrado e sem maiores problemas", frisou o diretor da unidade prisional, João Marcos.
O procedimento ocorreu dentro da normalidade e sob controle, e contou com o apoio da Sejuc, do Desipe, do GOPE, GTOP, Setor de Transporte e agentes do Preslen; inclusive com profissionais que foram acionados especialmente para atuar no processo.
O secretário da Justiça e da Cidadania, Cristiano Barreto, diz que a estabilização do sistema prisional tem resultado no equilíbrio da criminalidade nas ruas do estado. Segundo ele, as consequentes reduções nas taxas de homicídios dolosos em Sergipe passa muito pela organização dos internos e definição de normas dentro dos presídios.
Segundo Cristiano, no Presídio de Nossa Senhora da Glória há presos com o perfil relacionado com os crimes sexuais e violência doméstica, quanto que no Santa Maria estão internos com outro tipo de perfil "Começamos a tomar as providências necessárias. Conseguimos identificar os presos mais perigosos e fizemos o remanejamento em uma única unidade que julgamos ter uma segurança maior, que é a do Santa Maria. Foi instituído um pavilhão exclusivo para presos em regime fechado, o que não existia. Dos três pavilhões, um ficou concentrado com presos condenados. Fizemos a triagem dos líderes de facção criminosa, dos membros que tinham qualquer vínculo com as organizações criminosas na rua e colocamos dentro desse pavilhão", pontua Cristiano. 
Vale ressaltar que essa unidade para onde esses presos de alta periculosidade foram transferidos é considerada de segurança máxima. Por lá existe um sistema eficiente de bloqueio de celular, onde o preso não se comunica com o exterior. Além disso, a unidade possui scanner corporal, circuito de TV de alta ponta e guaritas estratégicas ativadas.

Com o intuito de dar continuidade ao processo de mudança de perfil dos internos do Presídio Regional Senador Leite Neto (Preslen), em Nossa Senhora da Glória, as unidades que compõem a Secretaria de Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc) e do Departamento do Sistema Prisional (Desipe) realizaram a transferência de internos entre pavilhões e para outras unidades.
A unidade tem o perfil de custodiar internos relacionados a crimes sexuais, de violência doméstica e também contra idosos. Por isso, está sendo realizado o processo de transferência de internos. "Graças a ações como essas e com a integração das equipes da Sejuc e Desipe, que conseguimos manter o sistema equilibrado e sem maiores problemas", frisou o diretor da unidade prisional, João Marcos.
O procedimento ocorreu dentro da normalidade e sob controle, e contou com o apoio da Sejuc, do Desipe, do GOPE, GTOP, Setor de Transporte e agentes do Preslen; inclusive com profissionais que foram acionados especialmente para atuar no processo.
O secretário da Justiça e da Cidadania, Cristiano Barreto, diz que a estabilização do sistema prisional tem resultado no equilíbrio da criminalidade nas ruas do estado. Segundo ele, as consequentes reduções nas taxas de homicídios dolosos em Sergipe passa muito pela organização dos internos e definição de normas dentro dos presídios.
Segundo Cristiano, no Presídio de Nossa Senhora da Glória há presos com o perfil relacionado com os crimes sexuais e violência doméstica, quanto que no Santa Maria estão internos com outro tipo de perfil "Começamos a tomar as providências necessárias. Conseguimos identificar os presos mais perigosos e fizemos o remanejamento em uma única unidade que julgamos ter uma segurança maior, que é a do Santa Maria. Foi instituído um pavilhão exclusivo para presos em regime fechado, o que não existia. Dos três pavilhões, um ficou concentrado com presos condenados. Fizemos a triagem dos líderes de facção criminosa, dos membros que tinham qualquer vínculo com as organizações criminosas na rua e colocamos dentro desse pavilhão", pontua Cristiano. 
Vale ressaltar que essa unidade para onde esses presos de alta periculosidade foram transferidos é considerada de segurança máxima. Por lá existe um sistema eficiente de bloqueio de celular, onde o preso não se comunica com o exterior. Além disso, a unidade possui scanner corporal, circuito de TV de alta ponta e guaritas estratégicas ativadas.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS