Vazamento de óleo pode ter partido de navio irregular, diz Marinha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/10/2019 às 22:40:00

 

O comandante da Marinha, Ilques Barbosa, disse hontem (22) que o governo está concentrando as investigações sobre as causas da mancha de óleo nas praias do Nordeste em 30 navios de dez países diferentes. Mas, para ele, a maior probabilidade é que o vazamento partiu de um navio irregular, chamado de dark ship. "Nós saímos de mil navios, para 30 navios", disse, após reunião com o presidente em exercício, Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto.
O almirante explicou, entretanto, que as pesquisas se regeneram com novos dados a todo momento e que nenhuma possibilidade foi descartada, mas que os esforços estão concentrados nessa linha de investigação. "O mais provável é de um dark ship ou um navio que teve um incidente e, infelizmente, não progrediu a informação como deveria", disse, explicando que, por convenção internacional, todo incidente de navegação deve ser informado pelo comandante responsável.
De acordo com Barbosa, empresas e instituições estrangeiras e 11 autoridades marítimas estão apoiando o Brasil nas investigações. "É um tema que envolve agressão à nossa pátria e como é da nossa tradição, nós vamos encontrar", disse. "Não posso assegurar se é breve ou longa [o tempo de investigação, mas vamos continuar até onde necessário", ressaltou.

O comandante da Marinha, Ilques Barbosa, disse hontem (22) que o governo está concentrando as investigações sobre as causas da mancha de óleo nas praias do Nordeste em 30 navios de dez países diferentes. Mas, para ele, a maior probabilidade é que o vazamento partiu de um navio irregular, chamado de dark ship. "Nós saímos de mil navios, para 30 navios", disse, após reunião com o presidente em exercício, Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto.
O almirante explicou, entretanto, que as pesquisas se regeneram com novos dados a todo momento e que nenhuma possibilidade foi descartada, mas que os esforços estão concentrados nessa linha de investigação. "O mais provável é de um dark ship ou um navio que teve um incidente e, infelizmente, não progrediu a informação como deveria", disse, explicando que, por convenção internacional, todo incidente de navegação deve ser informado pelo comandante responsável.
De acordo com Barbosa, empresas e instituições estrangeiras e 11 autoridades marítimas estão apoiando o Brasil nas investigações. "É um tema que envolve agressão à nossa pátria e como é da nossa tradição, nós vamos encontrar", disse. "Não posso assegurar se é breve ou longa [o tempo de investigação, mas vamos continuar até onde necessário", ressaltou.