Pássaro abatido

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Comovente
Comovente

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/10/2019 às 21:47:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
As sensações trans
bordam, numa en
xurrada. 'Ao comandante', composição de delicadeza inédita no trabalho do guitarrista Igor Gnomo, soa como uma manifestação de gratidão genuína. Inspirada por alguém especial, em caráter particular, a peça é movida por uma energia serena, quase ingênua. Em tom mais brando, parece virar o conselho de Nelson Rodrigues pelo avesso, a fim de advertir os meninos: jamais envelheçam!
Nas redes sociais, o próprio músico escreveu o resumo da ópera. Para Gnomo, este single é uma música especial, feita e dedicada para um tal Eryan Monteiro - pássaro abatido em pleno voo, morto recentemente na flor da idade. No entanto, por incrível que pareça, alheia a circunstâncias biográficas tão tristes, a peça afirma uma fé inabalável no amor, na beleza e na vida. É comovente. 
Para transformar a intenção em gesto, Gnomo contou com a colaboração de uma ruma de gente boa. A direção e as baquetas fixaram sob a responsabilidade de Thiago Reuel. Gildo Madeira e André Oliveira atacam de percussão e baixo, respectivamente. A cantora Suzi Mariana empresta a doçura de sua voz para um vocal pungente. Ao fim e ao cabo, no entanto, a mágica se dá mesmo em acerto de contas íntimo entre Gnomo e o violão. 
Nos momentos mais difíceis,  o coração esquece a porta aberta. Já não se trata, como nos diversos picos de intensidade distribuídos ao longo de uma discografia das mais classudas, de extravasar e afrontar. Sem exagero, movido por um impulso muito parecido, Gnomo logrou agora o mesmo êxito do poeta Walt Whitman nos versos dedicados a Abraham Lincoln: O Capitain! My Capitain!

As sensações trans bordam, numa en xurrada. 'Ao comandante', composição de delicadeza inédita no trabalho do guitarrista Igor Gnomo, soa como uma manifestação de gratidão genuína. Inspirada por alguém especial, em caráter particular, a peça é movida por uma energia serena, quase ingênua. Em tom mais brando, parece virar o conselho de Nelson Rodrigues pelo avesso, a fim de advertir os meninos: jamais envelheçam!
Nas redes sociais, o próprio músico escreveu o resumo da ópera. Para Gnomo, este single é uma música especial, feita e dedicada para um tal Eryan Monteiro - pássaro abatido em pleno voo, morto recentemente na flor da idade. No entanto, por incrível que pareça, alheia a circunstâncias biográficas tão tristes, a peça afirma uma fé inabalável no amor, na beleza e na vida. É comovente. 
Para transformar a intenção em gesto, Gnomo contou com a colaboração de uma ruma de gente boa. A direção e as baquetas fixaram sob a responsabilidade de Thiago Reuel. Gildo Madeira e André Oliveira atacam de percussão e baixo, respectivamente. A cantora Suzi Mariana empresta a doçura de sua voz para um vocal pungente. Ao fim e ao cabo, no entanto, a mágica se dá mesmo em acerto de contas íntimo entre Gnomo e o violão. 
Nos momentos mais difíceis,  o coração esquece a porta aberta. Já não se trata, como nos diversos picos de intensidade distribuídos ao longo de uma discografia das mais classudas, de extravasar e afrontar. Sem exagero, movido por um impulso muito parecido, Gnomo logrou agora o mesmo êxito do poeta Walt Whitman nos versos dedicados a Abraham Lincoln: O Capitain! My Capitain!