Soldados do exército participam da limpeza das praias em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
SOLDADOS DO EXÉRCITO PASSARAM A COLABORAR COM A LIMPEZA DAS PRAIAS EM SERGIPE; ONTEM ELES ATUARAM NA PRAIA DE ATALAIA, NA ALTURA DA ANTIGA CINELÂNDIA
SOLDADOS DO EXÉRCITO PASSARAM A COLABORAR COM A LIMPEZA DAS PRAIAS EM SERGIPE; ONTEM ELES ATUARAM NA PRAIA DE ATALAIA, NA ALTURA DA ANTIGA CINELÂNDIA

Soldados do Exército durante limpeza da praia de Atalaia
Soldados do Exército durante limpeza da praia de Atalaia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/10/2019 às 10:34:00

 

Por tempo indeterminado, cerca de 50 agentes do 28º Batalhão de Caçadores (28º BC) estarão trabalhando diariamente nas praias aracajuanas com a missão de recolher da faixa de areia as camadas de petróleo cru que desde o dia 24 de setembro segue atingindo a costa sergipana. Por determinação do Comando da 6ª Região Militar, nesse primeiro momento as equipes estarão mobilizadas com exclusividade nas praias da Atalaia, Cinelândia e Aruana, na Zona Sul da capital. Como outras 14 praias sergipanas também permanecem apresentando manchas de óleo, é possível que posteriormente essas equipes militares também sejam encaminhadas para outras regiões.
Sobre o trabalho intensificado desde o final de semana, o Coronel José Fernandes Carneiro, comandante geral do 28º BC, informou que as equipes atuam nas áreas onde a própria maré ainda não recolheu as manchas. "Na região da Praia Formosa trabalhamos por cerca de duas horas enquanto a maré estava mais baixa. Parte do óleo que acabou parando na areia, voltou assim que a própria maré encheu. Estamos monitorando todas essas regiões e batalhando para limpar as praias desse impacto causado ao Meio Ambiente", declarou. A ação conta com o apoio estratégico da Marinha do Brasil. Também no último sábado uma aeronave da Marinha sobrevoou as regiões mais afetadas.
Além dos profissionais do Exército Brasileiro, agentes da Prefeitura de Aracaju, da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e voluntários, seguem ajudando a remover o produto tóxico. Em todo o Nordeste brasileiro passa de 1.800 toneladas de óleo removidos. "Temos consciência do trabalho intenso, mas estamos mobilizados na perspectiva de contribuir no que for possível para restabelecer essa situação com o máximo de brevidade. Em pontos diferentes da capital estaremos todos os dias com um efetivo que vai variar entre 30 e 50 homens", concluiu José Fernandes. Unindo aos demais agentes públicos, o efetivo Diário chega a 170 pessoas. (MAJ)

Por tempo indeterminado, cerca de 50 agentes do 28º Batalhão de Caçadores (28º BC) estarão trabalhando diariamente nas praias aracajuanas com a missão de recolher da faixa de areia as camadas de petróleo cru que desde o dia 24 de setembro segue atingindo a costa sergipana. Por determinação do Comando da 6ª Região Militar, nesse primeiro momento as equipes estarão mobilizadas com exclusividade nas praias da Atalaia, Cinelândia e Aruana, na Zona Sul da capital. Como outras 14 praias sergipanas também permanecem apresentando manchas de óleo, é possível que posteriormente essas equipes militares também sejam encaminhadas para outras regiões.
Sobre o trabalho intensificado desde o final de semana, o Coronel José Fernandes Carneiro, comandante geral do 28º BC, informou que as equipes atuam nas áreas onde a própria maré ainda não recolheu as manchas. "Na região da Praia Formosa trabalhamos por cerca de duas horas enquanto a maré estava mais baixa. Parte do óleo que acabou parando na areia, voltou assim que a própria maré encheu. Estamos monitorando todas essas regiões e batalhando para limpar as praias desse impacto causado ao Meio Ambiente", declarou. A ação conta com o apoio estratégico da Marinha do Brasil. Também no último sábado uma aeronave da Marinha sobrevoou as regiões mais afetadas.
Além dos profissionais do Exército Brasileiro, agentes da Prefeitura de Aracaju, da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e voluntários, seguem ajudando a remover o produto tóxico. Em todo o Nordeste brasileiro passa de 1.800 toneladas de óleo removidos. "Temos consciência do trabalho intenso, mas estamos mobilizados na perspectiva de contribuir no que for possível para restabelecer essa situação com o máximo de brevidade. Em pontos diferentes da capital estaremos todos os dias com um efetivo que vai variar entre 30 e 50 homens", concluiu José Fernandes. Unindo aos demais agentes públicos, o efetivo Diário chega a 170 pessoas. (MAJ)