TJ manda prender bombeiro suspeito de estupro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/11/2019 às 23:00:00

 

Gabriel Damásio
O desembargador 
Diógenes Barreto, 
do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), decretou a prisão preventiva de um tenente do Corpo de Bombeiros, suspeito por um estupro cometido contra uma colega de corporação. O militar foi detido na manhã de ontem, ao se apresentar para trabalhar no Grupamento Tático Aéreo (GTA), onde estava lotado, e encaminhado para exames de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML). Em seguida, ele foi recolhido ao Presídio Militar (Presmil), onde ficará até decisão posterior. 
O processo, que tramita em segredo de justiça na 6ª Vara Criminal (Auditoria Militar), se refere ao possível abuso sexual que teria acontecido em 31 de maio último, durante uma festa de confraternização feita pelos componentes de um curso interno, em um condomínio na zona oeste de Aracaju. Segundo informações confirmadas por advogados que acompanham o caso, o representante do Ministério Público pediu a prisão do oficial e recorreu ao TJSE depois de ter seu pedido negado pelo juízo da 6ª Vara. Diógenes, que é o relator do caso, acatou o pedido de prisão e foi seguido pelos outros dois desembargadores da Câmara Criminal, Edson Ulisses de Melo e Ana Lúcia Freire dos Anjos.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, a própria corporação instaurou um Inquérito Policial Militar, na época em que o episódio foi denunciado pela vítima, e correu em paralelo com outro inquérito, aberto pelo Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), da Polícia Civil. O IPM dos Bombeiros apontou alguns indícios da materialidade do crime, enquanto a investigação da Civil, baseada em laudos periciais, não encontrou sinais de violência na vítima ou material genético do suspeito, mas acabou encaminhado à Justiça. Os advogados que defendem à vítima afirmam não ter dúvidas de que a militar foi abusada pelo oficial. Os outros detalhes da ordem de prisão não foram divulgados.

Gabriel Damásio

O desembargador  Diógenes Barreto,  do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), decretou a prisão preventiva de um tenente do Corpo de Bombeiros, suspeito por um estupro cometido contra uma colega de corporação. O militar foi detido na manhã de ontem, ao se apresentar para trabalhar no Grupamento Tático Aéreo (GTA), onde estava lotado, e encaminhado para exames de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML). Em seguida, ele foi recolhido ao Presídio Militar (Presmil), onde ficará até decisão posterior. 
O processo, que tramita em segredo de justiça na 6ª Vara Criminal (Auditoria Militar), se refere ao possível abuso sexual que teria acontecido em 31 de maio último, durante uma festa de confraternização feita pelos componentes de um curso interno, em um condomínio na zona oeste de Aracaju. Segundo informações confirmadas por advogados que acompanham o caso, o representante do Ministério Público pediu a prisão do oficial e recorreu ao TJSE depois de ter seu pedido negado pelo juízo da 6ª Vara. Diógenes, que é o relator do caso, acatou o pedido de prisão e foi seguido pelos outros dois desembargadores da Câmara Criminal, Edson Ulisses de Melo e Ana Lúcia Freire dos Anjos.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, a própria corporação instaurou um Inquérito Policial Militar, na época em que o episódio foi denunciado pela vítima, e correu em paralelo com outro inquérito, aberto pelo Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), da Polícia Civil. O IPM dos Bombeiros apontou alguns indícios da materialidade do crime, enquanto a investigação da Civil, baseada em laudos periciais, não encontrou sinais de violência na vítima ou material genético do suspeito, mas acabou encaminhado à Justiça. Os advogados que defendem à vítima afirmam não ter dúvidas de que a militar foi abusada pelo oficial. Os outros detalhes da ordem de prisão não foram divulgados.