Como o Titanic

Rita Oliveira


Durante a sessão plenária de ontem do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SE), a desembargadora Iolanda Guimarães foi empossada como membro da Corte Eleitoral na classe de desembargadora. Ela também assumiu como corregedora regional eleitoral, em substituição ao então corregedor desembargador Diógenes Barreto e como vice-presidente do TRE-SE.

 

Como o Titanic

 

Ontem, em uma roda política, o co
mentário era o fim melancólico da 
política do ex-deputado federal e ex-senador Eduardo Amorim (PSDB).
Foi lembrado que há mais de uma década os Amorim surgiram como uma grande força política no Estado, tendo à frente o empresário Edivan Amorim. A Casa Amarela, onde funcionava a Ilha FM em Aracaju, na Rua Estância, era a sede do QG.
Lá eram discutidas todas as articulações políticas do agrupamento que conseguiu eleger Eduardo Amorim deputado federal em 2006 e senador da República em 2010. Nas duas eleições conseguiu ser o mais votado.
O agrupamento chegou a comandar cerca de 10 partidos pequenos em Sergipe, que, coligados, conseguiram eleger um número significativo de deputados estaduais e federais. Assim como de prefeitos.
Com maioria na Assembleia Legislativa no governo Marcelo Déda (PT), o agrupamento dificultou sua gestão. O petista sofreu o pão que o diabo amassou para conseguir aprovar o polêmico Proinveste, que era um pedido de empréstimo do Governo do Estado em mais de R$ 560 milhões para construção de obras estruturantes.
Já doente, Déda só conseguiu aprovar o projeto na Assembleia Legislativa após se humilhar publicamente para os Amorim em um evento no Instituto Luciano Barreto, quando pediu encarecidamente a Eduardo, na plateia, que permitisse a sua aprovação para não prejudicar o desenvolvimento de Sergipe e o povo. 
Com a maior bancada na Assembleia, o agrupamento dos Amorim também deu a maior rasteira no então governador Déda na eleição da nova Mesa Diretora da Assembleia. Fizeram escola ao antecipar as eleições em um ano, sem qualquer diálogo com o governo, reelegendo Angélica Guimarães presidente.  Depois que fizeram isso, várias Câmaras de Vereadores passaram a adotar essa prática.
O grupo político dos Amorim também passou a rasteira no governo na indicação do novo conselheiro do Tribunal de Contas. Déda queria indicar Belivaldo Chagas. A então deputada estadual Susana Azevedo foi a escolhida. O agrupamento conseguiu colocar duas conselheiras no TCE: Suzana e Angélica Guimarães.
O agrupamento, que se fortaleceu politicamente a partir de 2006, começou a perder força nas eleições de 2014, quando não conseguiu eleger Eduardo Amorim governador de Sergipe.  A derrota foi uma surpresa, pois os aliados davam Eduardo como eleito bem antes das eleições e diziam que já podia encomendar o terno da posse.
Em 2018, Eduardo, que estava concluindo mandato de senador, voltou a disputar o governo e foi derrotado mais uma vez. Ficou sem mandato, após 14 anos, mesmo tendo concorrido a eleição por um partido grande, o PSDB de Aécio Neves.
Hoje ele apela para disputar a Prefeitura de Itabaiana, sua terra natal, com o apoio do prefeito Valmir de Francisquinho (PR). Isso não deve ocorrer em razão do prefeito já ter feito a opção de apoiar seu secretário municipal de Administração, Adailton Sousa (PR), filho do ex-vice-prefeito João de Deus.   
O fato de querer disputar a prefeitura da sua terra natal e, para isso, depender do apoio do aliado (?) Valmir de Francisquinho, levou a discussão ontem em uma roda política.
Isso foi visto como um fim decadente dos Amorim na política e que o ex-senador não deveria passar por isso. Tem apenas de seguir com a sua carreira de médico e deixar a política partidária de lado.

Ontem, em uma roda política, o co mentário era o fim melancólico da  política do ex-deputado federal e ex-senador Eduardo Amorim (PSDB).
Foi lembrado que há mais de uma década os Amorim surgiram como uma grande força política no Estado, tendo à frente o empresário Edivan Amorim. A Casa Amarela, onde funcionava a Ilha FM em Aracaju, na Rua Estância, era a sede do QG.
Lá eram discutidas todas as articulações políticas do agrupamento que conseguiu eleger Eduardo Amorim deputado federal em 2006 e senador da República em 2010. Nas duas eleições conseguiu ser o mais votado.
O agrupamento chegou a comandar cerca de 10 partidos pequenos em Sergipe, que, coligados, conseguiram eleger um número significativo de deputados estaduais e federais. Assim como de prefeitos.
Com maioria na Assembleia Legislativa no governo Marcelo Déda (PT), o agrupamento dificultou sua gestão. O petista sofreu o pão que o diabo amassou para conseguir aprovar o polêmico Proinveste, que era um pedido de empréstimo do Governo do Estado em mais de R$ 560 milhões para construção de obras estruturantes.
Já doente, Déda só conseguiu aprovar o projeto na Assembleia Legislativa após se humilhar publicamente para os Amorim em um evento no Instituto Luciano Barreto, quando pediu encarecidamente a Eduardo, na plateia, que permitisse a sua aprovação para não prejudicar o desenvolvimento de Sergipe e o povo. 
Com a maior bancada na Assembleia, o agrupamento dos Amorim também deu a maior rasteira no então governador Déda na eleição da nova Mesa Diretora da Assembleia. Fizeram escola ao antecipar as eleições em um ano, sem qualquer diálogo com o governo, reelegendo Angélica Guimarães presidente.  Depois que fizeram isso, várias Câmaras de Vereadores passaram a adotar essa prática.
O grupo político dos Amorim também passou a rasteira no governo na indicação do novo conselheiro do Tribunal de Contas. Déda queria indicar Belivaldo Chagas. A então deputada estadual Susana Azevedo foi a escolhida. O agrupamento conseguiu colocar duas conselheiras no TCE: Suzana e Angélica Guimarães.
O agrupamento, que se fortaleceu politicamente a partir de 2006, começou a perder força nas eleições de 2014, quando não conseguiu eleger Eduardo Amorim governador de Sergipe.  A derrota foi uma surpresa, pois os aliados davam Eduardo como eleito bem antes das eleições e diziam que já podia encomendar o terno da posse.
Em 2018, Eduardo, que estava concluindo mandato de senador, voltou a disputar o governo e foi derrotado mais uma vez. Ficou sem mandato, após 14 anos, mesmo tendo concorrido a eleição por um partido grande, o PSDB de Aécio Neves.
Hoje ele apela para disputar a Prefeitura de Itabaiana, sua terra natal, com o apoio do prefeito Valmir de Francisquinho (PR). Isso não deve ocorrer em razão do prefeito já ter feito a opção de apoiar seu secretário municipal de Administração, Adailton Sousa (PR), filho do ex-vice-prefeito João de Deus.   
O fato de querer disputar a prefeitura da sua terra natal e, para isso, depender do apoio do aliado (?) Valmir de Francisquinho, levou a discussão ontem em uma roda política.
Isso foi visto como um fim decadente dos Amorim na política e que o ex-senador não deveria passar por isso. Tem apenas de seguir com a sua carreira de médico e deixar a política partidária de lado.

Submissão 1

Em entrevista que tem concedido à imprensa o ex-senador Eduardo Amorim (PSDB) diz que seu nome está à disposição do bloco do prefeito Valmir de Francisquinho (PR) para uma pré-candidatura à prefeitura de Itabaiana.  Ressalta que colocou seu nome à disposição do bloco porque quer "dar continuidade à gestão que vem proporcionando desenvolvimento à Itabaiana". 

Submissão 2

Ele descarta uma pré-candidatura por outro grupo.  Enfatiza que fez uma escolha, é do grupo de Valmir e pretendo continuar.  Tem dito ainda Eduardo que se for o escolhido, está pronto. Mas, caso decidam por outro nome, seguirá  sua vida, exercendo sua profissão, que é a medicina. 

Submissão 3

O ex-senador tem declarado ainda, como fez na entrevista que concedeu esta semana ao Jornal da Rio, que se o bloco do prefeito Walmir julgar que tem alguém mais preparado que ele, respeitará "sem brigas ou imposições". 

Não abre 1

Do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) ao ser questionado pela coluna  se existe a possibilidade do seu partido abrir mão de indicar o vice do prefeito Edvaldo Nogueira nas eleições deste ano: "Quem escolhe vice é o prefeito, mas o PSD vai pleitear sim".

Não abre 2

Ainda Fábio Mitidieri ao ser questionado se o ex-presidente da OAB, Henri Clay, teria o aval do PSD para ser o vice de Edvaldo se filiando ao PCdoB, já que foi convidado para se filiar ao partido comunista: "Bom nome, gente boa. Mas o PSD entende que estamos nessa luta há mais tempo e vamos pleitear".  

No suspense

Um aliado muito próximo do ex-governador Jackson Barreto (MDB) disse ontem à coluna que JB ainda não revelou com quem seguirá nas eleições deste ano após o racha na base aliada: se com o prefeito Edvaldo Nogueira, que vai para o PDT, ou o PT, que deverá ter o presidente nacional da legenda, Márcio Macedo, como pré-candidato a prefeito nas eleições deste ano.

Ponto de vista

Declarou ainda o aliado da cozinha de JB: "Jackson faz muitos comentários, muitas ponderações, mas ainda não definido. Opinião minha: Eu acredito que siga com Edvaldo, desde que sem André [Moura) no palanque".

Fest Verão

Desde o dia 14 de janeiro que o ex-governador e amigos estão em Jericoacorara, que fica no litoral do Ceará. JB já está retornando a Sergipe de carro, pelas praias do Nordeste, para que possa participar, neste sábado, do Fest Verão Sergipe no bloco Vumbora, comandado por Bel Marques.    

Pré-Caju

Jackson Barreto sempre foi um folião do Nana Banana, capitaneado pela banda Chiclete com Banana nos Pré-Caju.  

PT 1

Segundo o presidente do PT em Aracaju, Jefferson Lima, o partido está atuando com intensidade nas articulações visando às eleições municipais de outubro. Revela que após o anúncio de Márcio Macedo como pré-candidato à prefeito, a procura da população aumentou para filiação partidária no PT.

PT 2

"Após o lançamento de Márcio Macedo como pré-candidato despertou em diversas lideranças de movimentos sociais e comunitárias pessoas filiadas e não filiadas ao PT, que procurassem a direção do partido e para buscarem possibilidades de serem pré-candidatos pelo PT. Acredito que nós teremos uma crescente significativa na nossa chapa de candidatos e candidatas, e ainda reforço que o nome de Márcio contribuiu bastante para o fortalecimento do partido&rdqu o;, afir ma Jefferson.

PT 3

Diz ainda que acredita que o PT irá lançar uma chapa competitiva para que o partido possa eleger o máximo de petistas comprometidos com o projeto que será apresentado nas campanhas. "Será uma campanha militante, de porta em porta, olho no olho nos bairros de Aracaju e também com uma articulação forte através das redes sociais para apresentar um projeto que cuide das pessoas em Aracaju", vislumbrou Jefferson, que já colocou seu nome como pré-candidato a veread or de Ar acaju.

Em nota 1

A assessoria jurídica do ex-candidato a senador André Moura (PSC) saiu com nota sobre a decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE), na quarta-feira, de desaprovar contas de campanha em 2018 e condená-lo a restituir aos cofres públicos R$ 1,2 milhão sem que seguisse o voto da relatora pela aprovação das contas, juíza Sandra Regina.

Em nota 2

Diz a nota: "A assessoria jurídica de André Moura entende que o voto da relatora deve prevalecer. As contas apresentadas estão em consonância com a regularidade da prestação de serviços e os gastos de campanha, devidamente comprovados com a vasta documentação juntada ao processo".

Reunião na Sudene

A Sudene reuniu ontem representantes do Consórcio Intermunicipal de Segurança Pública e Defesa Social de Pernambuco (Conseg/PE) e agentes do Governo Federal para debater a iniciativa de integrar os municípios do estado nas ações de combate à violência, através de um modelo de consórcio que já reúne 11 municípios. Essa é uma pro posta pi oneira e a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste pretende assumir o papel de articulação entre os estados de sua área de atuação para replicá-la.

Veja essa ...

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, disse ontem que o Ministério da Defesa pode convocar os militares da reserva e cedê-los para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para reforçar o atendimento nas agências e reduzir o estoque de pedidos de benefícios em atraso. Essa seria uma alternativa à contratação direta desse pessoal pelo INSS, ao invés de fazer concurso para proporcionar emprego a nova juventude. Só Jesus na causa!

Curtas

O deputado estadual Samuel Carvalho (Cidadania), que a partir do próximo mês será o líder da oposição na Assembleia Legislativa, lançará sua pré-candidatura a prefeito de Nossa Senhora do Socorro no dia 1º de fevereiro.

Com Samuel, já serão quatro os pré-candidatos a prefeito de Socorro: o próprio prefeito Padre Inaldo (PP), que vai para a reeleição; o deputado federal Fábio Henrique (PDT), que deseja retornar ao comando do município; e o pré-candidato do PT, Kleverton Siqueira, que já foi secretário municipal da gestão de Fábio Henrique. 

Só para lembrar: Desde o dia 1° de janeiro deste ano as pesquisas de opinião pública relativas às eleições ou aos candidatos só podem ser divulgadas após registro na justiça eleitoral.

Os responsáveis pela divulgação de pesquisa sem o prévio registro na Justiça Eleitoral estão sujeitos à aplicação de multa no valor de R$ 53.205,00. A divulgação de pesquisa fraudulenta constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS