Pesquisa elaborada pelo Procon compara preços de bebidas comercializadas em Aracaju

Geral


  • Os preços variam muito entre um estabelecimento e outro

 

A Prefeitura de Aracaju disponibilizou, desde ontem, uma pesquisa comparativa de preços de bebidas. A ação executada pela Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), por meio do Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), objetiva monitorar o mercado na capital sergipana e trazer referências de preços aos consumidores, nesse período festivo.
O levantamento, desenvolvido nos dia 18 e 19, contemplou oito estabelecimentos comerciais, nos quais foram obtidos os valores aplicados para 25 diferentes bebidas, entre alcoólicas e não-alcoólicas. Dentre os produtos pesquisados estão cerveja, vodka, whisky, cachaças diversas, além de energéticos, água e água de coco.
Segundo o coordenador geral do Procon, Igor Lopes, a variação de preços praticada entre os estabelecimentos é permitida pela Constituição Federal, de acordo com o princípio da livre concorrência, não cabendo aos órgão de proteção a regulação dos valores cobrados.
"Por isso, é importante que o consumidor desenvolva o hábito de, antes de fazer a aquisição do produto, pesquisar. Assim, é possível planejar suas compras de acordo com seu orçamento", orienta o coordenador.
As variações de preço encontradas durante o levantamento correspondem aos dias em que a ação foi desenvolvida. Dessa forma, ao realizar as compras, é possível que o consumidor se depare com alterações nesses preços, devido a possíveis descontos, ofertas ou promoções. Além disso, estabelecimentos de uma mesma rede podem praticar preços diferenciados entre si.

A Prefeitura de Aracaju disponibilizou, desde ontem, uma pesquisa comparativa de preços de bebidas. A ação executada pela Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), por meio do Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), objetiva monitorar o mercado na capital sergipana e trazer referências de preços aos consumidores, nesse período festivo.
O levantamento, desenvolvido nos dia 18 e 19, contemplou oito estabelecimentos comerciais, nos quais foram obtidos os valores aplicados para 25 diferentes bebidas, entre alcoólicas e não-alcoólicas. Dentre os produtos pesquisados estão cerveja, vodka, whisky, cachaças diversas, além de energéticos, água e água de coco.
Segundo o coordenador geral do Procon, Igor Lopes, a variação de preços praticada entre os estabelecimentos é permitida pela Constituição Federal, de acordo com o princípio da livre concorrência, não cabendo aos órgão de proteção a regulação dos valores cobrados.
"Por isso, é importante que o consumidor desenvolva o hábito de, antes de fazer a aquisição do produto, pesquisar. Assim, é possível planejar suas compras de acordo com seu orçamento", orienta o coordenador.
As variações de preço encontradas durante o levantamento correspondem aos dias em que a ação foi desenvolvida. Dessa forma, ao realizar as compras, é possível que o consumidor se depare com alterações nesses preços, devido a possíveis descontos, ofertas ou promoções. Além disso, estabelecimentos de uma mesma rede podem praticar preços diferenciados entre si.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS