O ZELO DE EDVALDO PELO PT

Rômulo Rodrigues

 

* Rômulo Rodrigues
Li uma entrevista recente, dada pelo prefeito Edvaldo Nogueira, e vi que ele demonstra preocupação com o Partido dos Trabalhadores, quando diz que vê precipitação no pré-lançamento do nome de Marcio Macedo para ocupar o cargo que ele ocupa.
Como nordestino e sertanejo da gema, onde o prenúncio de bom inverno se vê nas análises do aparecimento de Formigas de Asas e falta de Ninhos de Carcará nos leitos dos riachos, dei uma espiada nas fontes do saber e vi que precipitação, em Meteorologia, é prenúncio de queda d'água do Céu, já que, por aqui, não cai nem Neve e nem Granizo.
Então, o Alcaide está tentando responsabilizar o PT ou Marcio Macedo pelas enxurradas que trouxeram caos em algumas regiões da Capital?
Creio que, comedido e zeloso como é, jamais cometeria tal disparate. Então, a precipitação referida não tem nada de meteorologia.
A referência então, se desloca para o eixo da antecipação e aí, minha preocupação passa a ser com a saúde dele, pois não faz tanto tempo que, em 07/02/2007, o governador Marcelo Deda, em solenidade no palácio Inácio Barbosa sentenciou; "meu candidato a Prefeito de Aracaju em 2008 será Edvaldo Nogueira e quem estiver contra ele, estará contra mim. Eu estava lá e dou meu testemunho.
Interessante que no seu deslocamento para a direita, para onde quer arrastar todo mundo, Edvaldo está absorvendo caracteres muito nocivos como, por exemplo: quando Getúlio Vargas promulgou a Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, estabeleceu que o salário dos dias trabalhados pelos operários poderia ser pago, no máximo, até o décimo dia do mês subsequente e os patrões incorporaram que o dia do pagamento era o dia 10 e, quando ultrapassavam  data, não contavam como atraso os dez dias anteriores.
É dentro dessa lógica de raciocínio que quero chegar ao âmago da questão. Não é e nem foi o PT que rompeu ou está rompendo com o político Edvaldo Nogueira e sim, ele é que vem processando um projeto de rompimento que já dura 8 anos e, o PT, vem pacientemente recebendo os golpes e esperando o momento, que chegou, para mostrar  que todo o projeto democrático e popular que foi entregue nas mãos do prefeito, vem sendo negado e que ele optou por alianças públicas ostensivas ao PT e aliados do PT com quais o partido tem compromissos e tem reconhecimento da importância deles.
Edvaldo tem que deixar de se fazer de sonso e respeitar um princípio que norteou todos os momentos em que a unidade do grupo esteve prestes a ser abalada. "Deda sempre disse: Estamos construindo uma aliança de convivência e não de conveniência".
E aí, surge a pergunta que não quer calar. Será capaz o Sr. Alcaide de construir convivência com um político de direita que elegeu seu maior aliado, Jackson Barreto, como alvo dos seus insultos e cujo pai, acaba de disparar tiros de canhão contra o também aliado governador do Estado?
Aprendi com meus professores da política, inclusive ele, que a Política é a Arma da Crítica, do debate, do diálogo, da exposição de divergências e que a Guerra é a Crítica das Armas, a ofensa, a invenção da verdade, também, a falsidade.
Vejamos alguns fatos do ponto de vista analítico da crítica: O prefeito militou com muita dedicação e coragem no Partido Comunista do Brasil, por quase 4 décadas, deixando para trás uma promissora carreira na Medicina, já incorporado a uma das melhores equipes médicas de Sergipe, com renome no Brasil, para abraçar de corpo e alma a militância em um Partido Comunista, numa decisão heróica.
Agora, já quase no ocaso da carreira política, abraça o pragmatismo e renega velhos aliados e se lança numa aventura incerta de receber créditos virtuais da direita, a quem sempre confrontou e deixou marcas. Torço para estar errado, mas, tenho muita convicção de que se dará mal por lá. São dois tiros nos pés.
Dando sinais de que não sabe o verdadeiro desfecho a aventura em que está se metendo, recorre às deliberações da última reunião nacional do PT para tentar sofismar politicamente a ousadia do PT de Aracaju e do próprio Marcio que entenderam os fortes recados das Formigas e dos Carcarás e estão a semear o roçado de Aracaju para colherem uma safra de inverno tão ou quase, semelhante à de 2000.
Como se costuma dizer "Sertões à fora", o jogo é jogado, e o Lambari é pescado. Edvaldo dá sinais de temer ficar no mato sem cachorro e apela para uma medida de diluição rápida como anunciar o pagamento da folha para sexta feira véspera de Carnaval.
O prefeito, reconhecidamente, tem executado obras que estavam previstas desde os governos municipais e estaduais de Deda, com os endossos de Lula e Dilma, mas caminha para ficar fora da disputa da única eleição que não poderá perder.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues

Li uma entrevista recente, dada pelo prefeito Edvaldo Nogueira, e vi que ele demonstra preocupação com o Partido dos Trabalhadores, quando diz que vê precipitação no pré-lançamento do nome de Marcio Macedo para ocupar o cargo que ele ocupa.
Como nordestino e sertanejo da gema, onde o prenúncio de bom inverno se vê nas análises do aparecimento de Formigas de Asas e falta de Ninhos de Carcará nos leitos dos riachos, dei uma espiada nas fontes do saber e vi que precipitação, em Meteorologia, é prenúncio de queda d'água do Céu, já que, por aqui, não cai nem Neve e nem Granizo.
Então, o Alcaide está tentando responsabilizar o PT ou Marcio Macedo pelas enxurradas que trouxeram caos em algumas regiões da Capital?
Creio que, comedido e zeloso como é, jamais cometeria tal disparate. Então, a precipitação referida não tem nada de meteorologia.
A referência então, se desloca para o eixo da antecipação e aí, minha preocupação passa a ser com a saúde dele, pois não faz tanto tempo que, em 07/02/2007, o governador Marcelo Deda, em solenidade no palácio Inácio Barbosa sentenciou; "meu candidato a Prefeito de Aracaju em 2008 será Edvaldo Nogueira e quem estiver contra ele, estará contra mim. Eu estava lá e dou meu testemunho.
Interessante que no seu deslocamento para a direita, para onde quer arrastar todo mundo, Edvaldo está absorvendo caracteres muito nocivos como, por exemplo: quando Getúlio Vargas promulgou a Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, estabeleceu que o salário dos dias trabalhados pelos operários poderia ser pago, no máximo, até o décimo dia do mês subsequente e os patrões incorporaram que o dia do pagamento era o dia 10 e, quando ultrapassavam  data, não contavam como atraso os dez dias anteriores.
É dentro dessa lógica de raciocínio que quero chegar ao âmago da questão. Não é e nem foi o PT que rompeu ou está rompendo com o político Edvaldo Nogueira e sim, ele é que vem processando um projeto de rompimento que já dura 8 anos e, o PT, vem pacientemente recebendo os golpes e esperando o momento, que chegou, para mostrar  que todo o projeto democrático e popular que foi entregue nas mãos do prefeito, vem sendo negado e que ele optou por alianças públicas ostensivas ao PT e aliados do PT com quais o partido tem compromissos e tem reconhecimento da importância deles.
Edvaldo tem que deixar de se fazer de sonso e respeitar um princípio que norteou todos os momentos em que a unidade do grupo esteve prestes a ser abalada. "Deda sempre disse: Estamos construindo uma aliança de convivência e não de conveniência".
E aí, surge a pergunta que não quer calar. Será capaz o Sr. Alcaide de construir convivência com um político de direita que elegeu seu maior aliado, Jackson Barreto, como alvo dos seus insultos e cujo pai, acaba de disparar tiros de canhão contra o também aliado governador do Estado?
Aprendi com meus professores da política, inclusive ele, que a Política é a Arma da Crítica, do debate, do diálogo, da exposição de divergências e que a Guerra é a Crítica das Armas, a ofensa, a invenção da verdade, também, a falsidade.
Vejamos alguns fatos do ponto de vista analítico da crítica: O prefeito militou com muita dedicação e coragem no Partido Comunista do Brasil, por quase 4 décadas, deixando para trás uma promissora carreira na Medicina, já incorporado a uma das melhores equipes médicas de Sergipe, com renome no Brasil, para abraçar de corpo e alma a militância em um Partido Comunista, numa decisão heróica.
Agora, já quase no ocaso da carreira política, abraça o pragmatismo e renega velhos aliados e se lança numa aventura incerta de receber créditos virtuais da direita, a quem sempre confrontou e deixou marcas. Torço para estar errado, mas, tenho muita convicção de que se dará mal por lá. São dois tiros nos pés.
Dando sinais de que não sabe o verdadeiro desfecho a aventura em que está se metendo, recorre às deliberações da última reunião nacional do PT para tentar sofismar politicamente a ousadia do PT de Aracaju e do próprio Marcio que entenderam os fortes recados das Formigas e dos Carcarás e estão a semear o roçado de Aracaju para colherem uma safra de inverno tão ou quase, semelhante à de 2000.
Como se costuma dizer "Sertões à fora", o jogo é jogado, e o Lambari é pescado. Edvaldo dá sinais de temer ficar no mato sem cachorro e apela para uma medida de diluição rápida como anunciar o pagamento da folha para sexta feira véspera de Carnaval.
O prefeito, reconhecidamente, tem executado obras que estavam previstas desde os governos municipais e estaduais de Deda, com os endossos de Lula e Dilma, mas caminha para ficar fora da disputa da única eleição que não poderá perder.

* Rômulo Rodrigues é militante político

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS