Caso suspeito do coranavírus mobiliza autoridades no estado

Geral


  • Entrevista coletiva na Secretaria de Estado da Saúde

 

Milton Alves Júnior
A falta de informações 
coerentes sobre as 
medidas necessárias para minimizar o risco de contaminação do novo coronavírus (nCoV-2019) em ambientes estudantis tem gerado pânico a pais, professores e coordenadores pedagógicos em todas as regiões de Sergipe. Esse conjunto de desinformação tem sido presenciado ao longo das últimas semanas por pais e/ou responsáveis que possuem crianças e adolescentes matriculados em todas as redes de ensino, seja ela pública ou particular. O JORNAL DO DIA já havia se deparado com questionamentos realizados por pais; a preocupação foi ampliada na manhã de ontem após a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) confirmar que uma mulher está isolada, em monitoramento domiciliar, com suspeita da doença.
Encaminhada ao Hospital São Lucas, em Aracaju, a equipe médica observou que a paciente de 37 anos apresentava um quadro sintomático com dor de garganta, febre e tosse. A mulher - que não teve a identidade divulgada, chegou de viagem à Itália neste mês de fevereiro, quando, três dias após pousar em solo sergipano, começou a apresentar as complicações no respectivo quadro clínico. Já no início da tarde a direção hospitalar voltou a indicar que a paciente estava clinicamente bem, evoluindo com febre, tosse e dor de garganta. Diante destes indicativos, a SMS foi acionada pelo São Lucas para acompanhar os encaminhamentos das análises que devem confirma, ou não, a contaminação do nCoV-2019.
Por intermédio da secretária municipal da saúde de Aracaju, Waneska Barboza, a Prefeitura de Aracaju informou que os técnicos estão acompanhando a ocorrência a fim de, em caso de confirmação da doença, evitar que o vírus se espalhe e proporcione outras vítimas. 
"A partir de agora, a gente passa a fazer a investigação dessa paciente, com a colheita do swab [cotonete estéril utilizado para coleta de exames] oral e do swab nasal, encaminhado ao Lacen [Laboratório Central] para que seja feita toda a varredura viral que é feita nos Lacens estaduais, e caso se identifique qual o vírus, descartamos a possibilidade do coronavírus. Caso não se identifique esse vírus, essa amostra vai para o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para que seja feito o exame mais específico", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Ainda de acordo com a secretária, além da paciente, os familiares e pessoas que tiveram contato com ela foram orientados a permanecer em isolamento domiciliar, e a SMS fará o monitoramento dessas pessoas por 14 dias. "Já orientamos a família que fique no isolamento domiciliar, caso algum deles apresente sintomatologia, também será enquadrado como caso suspeito. Também já estamos fazendo toda a investigação e busca das pessoas que estiveram no voo que ela esteve presente", ressaltou Waneska.
Escolas - Apresentando postura semelhante aos gestores municipais, o secretário de estado da saúde, Valberto de Oliveira, garantiu em entrevista coletiva que o Governo de Sergipe pretende intensificar o diálogo com as escolas para que essa doença seja debatida entre professores e alunos, e a desinformação - apontada como natural para a representatividade internacional do vírus, seja superada no menor tempo possível. "Queremos colocar o assunto dentro da sala de aula porque entendemos que o professor tem grande capacidade de transmissão de conhecimento", disse. Entre as medidas a serem adoradas estão o uso constante de álcool em gel, proteger o rosto ao espirrar, evitar locais de grandiosa aglomeração de pessoas e usar máscaras cirúrgicas.
O Governo também pretende com a parceria desenvolver na comunidade escolar hábitos saudáveis de prevenção a outros vírus respiratórios como os da gripe Influenza B e o H1N1, que estão na época da sazonalidade, ou seja, em circulação mais acentuada. além da capital, Aracaju, os municípios do interior sergipano estão sendo informado dessas ações por meio das secretarias da Educação e da Saúde. "Com frequência estamos recebendo orientações nacionais que são repassados pelo Ministério da Saúde. No que se refere às ações técnicas e operacionais as quais visam combater o coronavírus, acreditamos que a escola pode contribuir muito com um possível enfrentamento ao vírus", completou Valberto de Oliveira.
Em resposta instantânea, farmácias começam a registrar maior saída de máscaras e potes contendo álcool em gel. Ao contrário da realidade já vivenciada no Estado de São Paulo, onde esses produtos começam a sumir das prateleiras, em Aracaju a oferta segue de fácil aquisição. De acordo com o farmacêutico Evandro Mello, essas aquisições ajudam a diminuir os riscos de contaminação, mas não representam proteção integral. Por se tratar de um assunto monitorado há mais de dois meses inclusive pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a rede de farmácias em que atua tem orientado aos seus funcionários estudo sobre o novo Coronavírus. A proposta é multiplicar as informações oficiais.

Milton Alves Júnior

A falta de informações  coerentes sobre as  medidas necessárias para minimizar o risco de contaminação do novo coronavírus (nCoV-2019) em ambientes estudantis tem gerado pânico a pais, professores e coordenadores pedagógicos em todas as regiões de Sergipe. Esse conjunto de desinformação tem sido presenciado ao longo das últimas semanas por pais e/ou responsáveis que possuem crianças e adolescentes matriculados em todas as redes de ensino, seja ela pública ou particular. O JORNAL DO DIA já havia se deparado com questionamentos realizados por pais; a preocupação foi ampliada na manhã de ontem após a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) confirmar que uma mulher está isolada, em monitoramento domiciliar, com suspeita da doença.
Encaminhada ao Hospital São Lucas, em Aracaju, a equipe médica observou que a paciente de 37 anos apresentava um quadro sintomático com dor de garganta, febre e tosse. A mulher - que não teve a identidade divulgada, chegou de viagem à Itália neste mês de fevereiro, quando, três dias após pousar em solo sergipano, começou a apresentar as complicações no respectivo quadro clínico. Já no início da tarde a direção hospitalar voltou a indicar que a paciente estava clinicamente bem, evoluindo com febre, tosse e dor de garganta. Diante destes indicativos, a SMS foi acionada pelo São Lucas para acompanhar os encaminhamentos das análises que devem confirma, ou não, a contaminação do nCoV-2019.
Por intermédio da secretária municipal da saúde de Aracaju, Waneska Barboza, a Prefeitura de Aracaju informou que os técnicos estão acompanhando a ocorrência a fim de, em caso de confirmação da doença, evitar que o vírus se espalhe e proporcione outras vítimas. 
"A partir de agora, a gente passa a fazer a investigação dessa paciente, com a colheita do swab [cotonete estéril utilizado para coleta de exames] oral e do swab nasal, encaminhado ao Lacen [Laboratório Central] para que seja feita toda a varredura viral que é feita nos Lacens estaduais, e caso se identifique qual o vírus, descartamos a possibilidade do coronavírus. Caso não se identifique esse vírus, essa amostra vai para o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para que seja feito o exame mais específico", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Ainda de acordo com a secretária, além da paciente, os familiares e pessoas que tiveram contato com ela foram orientados a permanecer em isolamento domiciliar, e a SMS fará o monitoramento dessas pessoas por 14 dias. "Já orientamos a família que fique no isolamento domiciliar, caso algum deles apresente sintomatologia, também será enquadrado como caso suspeito. Também já estamos fazendo toda a investigação e busca das pessoas que estiveram no voo que ela esteve presente", ressaltou Waneska.

Escolas - Apresentando postura semelhante aos gestores municipais, o secretário de estado da saúde, Valberto de Oliveira, garantiu em entrevista coletiva que o Governo de Sergipe pretende intensificar o diálogo com as escolas para que essa doença seja debatida entre professores e alunos, e a desinformação - apontada como natural para a representatividade internacional do vírus, seja superada no menor tempo possível. "Queremos colocar o assunto dentro da sala de aula porque entendemos que o professor tem grande capacidade de transmissão de conhecimento", disse. Entre as medidas a serem adoradas estão o uso constante de álcool em gel, proteger o rosto ao espirrar, evitar locais de grandiosa aglomeração de pessoas e usar máscaras cirúrgicas.
O Governo também pretende com a parceria desenvolver na comunidade escolar hábitos saudáveis de prevenção a outros vírus respiratórios como os da gripe Influenza B e o H1N1, que estão na época da sazonalidade, ou seja, em circulação mais acentuada. além da capital, Aracaju, os municípios do interior sergipano estão sendo informado dessas ações por meio das secretarias da Educação e da Saúde. "Com frequência estamos recebendo orientações nacionais que são repassados pelo Ministério da Saúde. No que se refere às ações técnicas e operacionais as quais visam combater o coronavírus, acreditamos que a escola pode contribuir muito com um possível enfrentamento ao vírus", completou Valberto de Oliveira.
Em resposta instantânea, farmácias começam a registrar maior saída de máscaras e potes contendo álcool em gel. Ao contrário da realidade já vivenciada no Estado de São Paulo, onde esses produtos começam a sumir das prateleiras, em Aracaju a oferta segue de fácil aquisição. De acordo com o farmacêutico Evandro Mello, essas aquisições ajudam a diminuir os riscos de contaminação, mas não representam proteção integral. Por se tratar de um assunto monitorado há mais de dois meses inclusive pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a rede de farmácias em que atua tem orientado aos seus funcionários estudo sobre o novo Coronavírus. A proposta é multiplicar as informações oficiais.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS