Rodoviários rejeitam proposta dos patrões

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/03/2013 às 11:22:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.b
r

Rodoviários de Aracaju realizaram duas assembleias ontem, 28. Foram convocados pela direção do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Aracaju (Sinttra). O encontro aconteceu em duas etapas, para contemplar todos os trabalhadores da categoria, sem tirá-los do horário de trabalho.
O presidente do Sindicato, Miguel Belarmino, apresentou a proposta de reajuste salarial oferecido pela classe patronal, 3,1%, o que equivale a 50% do INPC de março de 2012 a fevereiro de 2013. "Nas duas assembleias, a categoria rejeitou a proposta", informa.

Ele pontuou que é compreensível a crise pela qual o sistema de transporte afirma passar, mas considera a proposta muito ruim. "Os patrões dizem que estão em crise porque a tarifa está há dois anos sem reajuste, mas esta proposta é péssima diante do que pedimos e diante do reajuste da tarifa solicitado à Prefeitura, que é de 11%", pondera Belarmino.
"O sindicato reprova o percentual e a categoria também não concorda, é muito abaixo do que pedimos". A classe rodoviária é composta de 4 mil trabalhadores - motoristas, cobradores, pessoal da manutenção e administração.

Sem conquistas, a categoria se reúne no próximo dia 14 de março, também em duas etapas, 9h30 e 14h30. "Até lá, vamos renegociar com a classe patronal. Nossa expectativa é que as negociações avancem e que dessa vez atenda aos anseios dos rodoviários", destaca Belarmino.
Reivindicações - A classe rodoviária pede reajuste salarial de 22% e aumento de 32% no ticket alimentação.

O motorista hoje tem um salário de R$ 1.304, mais R$ 300 em ticket alimentação. O cobrador recebe mensalmente R$ 726 + ticket no mesmo valor. E que no retorno das férias, o ticket alimentação seja pago.
Eles negociam ainda a diminuição da jornada de trabalho, para 6h, atualmente é 7h20. O plano de saúde dos trabalhadores deve passar também por mudanças. Eles solicitam que 50% do plano médico dos dependentes sejam pagos pelos patrões.

Retorno - Miguel Belarmino relata que fez contato com a direção da empresa de transporte VCA e que foi informado do retorno dos 44 veículos no próximo sábado, dia 2. Ele conta ainda que caso a empresa não ponha os ônibus em circulação, 240 trabalhadores ficarão sem emprego.
Precavido, Belarmino já enviou ofício a Procuradoria do Trabalho e chegou a se reunir com a direção do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju, a fim de solicitar que o emprego dos trabalhadores seja resguardado. "Se a empresa não retornar às atividades, outra empresa vai precisar assumir as linhas, então, precisará de funcionários. Nossa sugestão é que eles contratem esses trabalhadores que ficarão sem emprego". Na Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) a informação é que o órgão aguarda o retorno dos veículos.